Jovane vs Vietto – O que dizem os números?

Jovane é o jogador do momento.

Nos últimos dois jogos, espetou duas bicancas de livre, puros golaços. Já no ano passado, tinha marcado aquele que acabaria por ser considerado o melhor golo da liga.

No meio, teve um misterioso desaparecimento (creio que com uma lesãozita aqui e ali). Algo que muitos adeptos lamentaram, pois há uma noção de que o miúdo causa danos nos adversários, no pouco tempo que joga.

Apesar disso, há também quem o critique, notando a sua falta de delicadeza com a bola, e o seu poder de decisão. Houve, notavelmente, uma análise de Sofia Oliveira, que recolheu várias situações de Jovane, que utilizou para fundamentar uma falta de capacidade de decisão por parte do jovem jogador.

Uma espécie de Yan para o Ying de Jovane será Luciano Vietto.

Se Jovane é tido como um jogador explosivo, com grande poderio físico e que, apesar de algumas lacunas técnicas e a nível da decisão, consegue uns golitos, Vietto é muitas vezes visto como um jogador franzininho mas elegante, um hábil pensador de jogo, capaz de temporizar e perniciosamente encontrar a melhor solução…apesar de ter algumas dificuldades na finalização.

Como me tenho deparado com várias discussões acerca de ambos (pessoalmente, compreendo e respeito ambos os lados da argumentação), decidi ir mais além e ver o que rende, de facto, cada um dos jogadores, em campo?

Para tal, consultei os dados recolhidos pelo site whoscored.com. Sei que haverá sempre alguns dados importantes que estarão de fora e que alguns dados serão abstractos e/ou ambíguos.

E, claro, jogam em posições diferentes, têm funções diferentes, há determinadas situações que não dá para quantificar, bla bla bla. Fixe.

Não pretendo vender verdades absolutas, nem evangelizar. O objectivo é apenas ajudar com alguns dados que poderão enriquecer uma popular discussão de café.

Vamos mas é ao combate.

Nota: Algumas das tabelas não são de leitura fácil, tentarei sempre facilitar a sua leitura através do texto adjacente.

Nota 2: O whoscored só recolhe dados nos jogos da liga e jogos europeus. Nada de taças caseiras.

Round 1: Defesa

Minutos necessários para cada recuperação (menos é melhor); Percentagem de sucesso na recuperação, Minutos necessários para cada intercepção, Minutos necessários para cada corte, Minutos necessários para cada bloqueio, Minutos necessários para o jogador ser driblado por um adversário

Será, à partida, um parâmetro menos relevante, visto serem ambos avançados, mas é sempre um factor. Defender melhor é melhor do que defender pior.

Devido às relativas poucas acções defensivas que cada jogador tem, os números ficam muito caóticos. Prova disso, são as discrepâncias nos dois primeiros parâmetros, entre liga e total.

Os únicos parâmetros onde há uma vantagem clara, são as intercepções, e a quantidade de vezes em que cada um é driblado…mas isso poderá ter que ver com as posições do terreno que cada jogador ocupa. Um tem que dobrar o lateral, o outro tem que fazer pressão no centro do terreno…

…mais vale atribuir-se um empate, e não se fala mais no assunto.

Round 2: Remates

Minutos necessários para cada remate; Percentagem de remates que dá golo; Percentagem de remates que são bloqueados; Percentagem dos remates que vão à baliza após se subtrair os bloqueados; Percentagem dos remates que não são bloqueados que dão em golo; Percentagem dos remates que são feitos fora da área

O primeiro parâmetro dá um equilíbrio muito grande na frequência de remates. Isto é bom, porque torna a comparação mais fiável.

Jovane tem uma eficácia maior, ainda que remate ligeiramente mais de fora da área (os livres também contam).

Mas o grande destaque é a grande diferença de remates bloqueados. Vietto tem, mais ou menos, o dobro dos remates bloqueados do Jovane. Isto não sugere uma melhor tomada de decisão por parte de Vietto, no que a remates diz respeito (pelo contrário).

De qualquer modo, se rematam com a mesma frequência, um consegue mais golos, consegue rematar mais vezes à baliza, consegue que os remates não sejam interceptados, então, o ponto terá que ir para Jovane.

Round 3: Passe

Minutos necessários para cada cruzamento; Percentagem de acerto nos cruzamentos; Passes por jogo; Percentagem de acerto de passes; Passes chave (total); Minutos necessários para um passe chave

Jovane cruza mais. Normal, joga muitas vezes na ala.

Isso pode ajudar a explicar um dos motivos para se criticar a tomada de decisão num, e elogiar no outro – o cruzamento é visto, muitas vezes, como um recurso “irracional”, que impede métodos mais eficazes de atacar a baliza. Mas isto também poderá ser ordem do treinador.

Ainda assim, Jovane tem um acerto maior do que Vietto no cruzamento. Isso quer dizer que já vimos Jovane e Vietto falhar o mesmo número de cruzamentos (respectivamente, 32 e 31 cruzamentos falhados), enquanto só vimos 6 cruzamentos de Vietto a dar resultado contra 10 de Jovane.

Um parâmetro onde Vietto se destaca claramente é no número de passes. O jogo passa muito mais por Vietto do que por Jovane, algo que não surpreenderá ninguém que veja os jogos.

Contudo, a percentagem de passe é semelhante…e Jovane tem mais passes chave. Ou seja, apesar de fazer menos passes, falha menos passes e acerta mais passes arriscados. O que, tal como nos parâmetros de remate, volta a sugerir que a sua tomada de decisão não ficará assim tanto a dever quanto se diz

Principalmente, quando se olha para os minutos necessários para cada passe chave. Jovane faz um a cada parte. Vietto precisa de mais do que uma hora. Os números ficam ainda mais impressionantes quando percebemos que os cantos também entram para estas contas. Se retirarmos os cantos, e contarmos apenas lances de bola corrida, Jovane faz um passe chave a cada 47 minutos, e Vietto a cada 72 minutos!

Confesso que não esperava que os dados fossem estes, mas, face aos dados que temos, o ponto tem que ir para Jovane.

 Round 4: Dribles, perdas, etc

Minutos para cada drible; Percentagem de sucesso no drible; Minutos necessários para cada perda de bola; Percentagem de lances aéreos ganhos (decimal); Minutos para cada falta sofrida

Olhando para outros parâmetros que o whoscored fornece, podemos ver que Jovane dribla com mais frequência que Vietto, o que era de esperar, visto desempenhar uma função mais propícia a isso (já agora, apesar de em inglês “dribble” levar dois DD, em português diz-se “drible”, fica feio, mas é o que é).

Talvez, como noutros parâmetros, se possa alegar que isso não quer dizer nada, visto que nada nos diz que algum dos jogadores tenha optado pela decisão correcta quando optou pelo drible…no entanto, sabemos com 100% de certeza que falhar um drible não é uma boa decisão, e Jovane tem melhor percentagem de acerto, em menos tentativas – contas feitas, Vietto falhou mais dribles que Jovane, apesar de tentar menos…Mas, no geral, os números não são muito distantes um do outro.

Jovane tem, também, mais perdas de bola (não contam passes ou dribles falhados).

No jogo aéreo, pode parecer que Jovane leva vantagem (na liga, tem o dobro)…mas quando vemos que, ainda assim, só tem um lance ganho a cada 150 minutos, percebemos que o jogo aéreo é uma ínfima parte dos seus jogos.

Jovane é, também, mais castigado pelos adversários, mas isso pouco mais serve do que de curiosidade.

Fiquemo-nos pelo empate, neste parâmetro.

Round 5: Contribuição directa para golo

No fim de contas, o que mais importa é o golo.

Neste parâmetro não fui ao whoscored, mas sim ao transfermarkt, de modo a que o total passasse a incluir as taças.

Pouco a dizer, Jovane está a ter uma contribuição directa muito maior do que Vietto nos seus primeiros minutos no Sporting.

Aliás, se tivermos em conta o artigo que coloquei anteriormente, podemos ver que Vietto se mantém com uma contribuição directa para golo pior do que todos os avançados equacionados, enquanto que Jovane ficaria (com poucos minutos ainda, é certo), em 4º lugar, apenas atrás de Slimani, Luiz Phellype e Bas Dost.

O vencedor neste parâmetro (por goleada) é Jovane.

Certamente haverá MUITOS outros factores que não estão equacionados nestas contas. E seria interessante um levantamento de outros tipos de dados, de modo a enriquecer a análise.

Mas, com os dados que temos ao nosso dispor, Jovane parece ter argumentos suficientes para ganhar este duelo de café, com melhor prestação em quase todos os parâmetros.

O vencedor? Jovane!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *