Sabemos que a pandemia não ajudou à liquidez das tesourarias dos Clubes e por vezes os negócios apenas são possíveis, baixando o preço de aquisição de um atleta por apenas uma parte do seu passe ou fazendo a aquisição total do seu passe, garantindo também uma percentagem de uma futura venda ao Clube com quem estamos a negociar.

Gonzalo Plata e Matheus Nunes, foram os primeiros dois jogadores que o atual Conselho Diretivo fez a aquisição com estes moldes. Gonzalo Plata foi adquirido apenas 50% do seu passe ao Independiente del Valle, clube do Equador, por 1,1M. Chegou ao Sporting em janeiro de 2019, mas o Sporting não salvaguardou a compra restante do seu passe. Também Matheus Nunes foi contratado à equipa de Sub-23 do Estoril no mesmo mercado de transferências e foi o único atleta que o Sporting garantiu a recompra dos outros 50% do passe, os quais já foram adquiridos por um valor total de 1M. Estas duas transferências foram ainda antes da pandemia.

Em 2020/2021 e em pleno período pandémico, o Sporting reforçou-se com 2 jogadores em moldes semelhantes, Pedro Gonçalves chegou proveniente do Famalicão por 6,5M por 100% do passe, mas com 50% de uma futura venda a ser destinada aos famalicenses. Bruno Tabata que inicialmente foi adquirido por 500k e com o Sporting a ter de pagar 90% de uma futura venda ao Portimonense. Ao longo da época esta percentagem foi sendo reduzida a troco de uma quantia de 5M, onde os algarvios salvaguardaram 50% de um valor de uma futura venda. Nenhum dos negócios, dos dois jogadores em causa, tem prevista a anulação dessa mais-valia futura.

Na presente temporada, Manuel Ugarte foi também contratado ao Famalicão, ao que tudo indica por um valor de 6,5M. De acordo com as informações avançadas da imprensa, os famalicenses vão garantir novamente 50% de uma futura venda, neste caso podendo o Sporting adquirir até mais 30% do passe, pagando 2M de euros por cada parcela de 10%. O Sporting conseguiu também chegar a acordo com o Wolverhampton para a chegada por empréstimo de Rúben Vinagre. Apesar de ser desconhecido se a claúsula de compra é opcional ou obrigatória, os valores mencionados pela imprensa rondam os 10M por 50% do passe.

Uma vez que as primeiras compras sob estes moldes são anteriores à pandemia e de valores inferiores aos praticados na atualidade, é importante percebermos se estas transferências mais recentes foram esporádicas e apenas porque seriam os negócios possíveis, ou se daqui para a frente passarão a ser algo recorrente na esfera do Leão.

Legenda:

M – Milhões de euros

k – mil euros

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

O Espartano