Agostinho e o chato do Bicho

Ora bem-vindos a mais uma semana repleta de emoções e novidades no que às modalidades diz respeito. No meio dos positivos ao bicho, vamos tendo jogos e algumas novidades e, mais uma vez, venho aqui para destacar alguns dos melhores momentos desta semana com grande foco no Sporting.

Ciclismo

Tal como eu disse no programa de ontem (espero que tenham visto 😊), mais uma vez íamos ter a ligação entre programa e artigo. Pois bem, além do basquetebol também o ciclismo e, aqui em grande destaque para nós, está o Troféu Joaquim Agostinho.

Com Frederico Figueiredo a vencer o Troféu Joaquim Agostinho, na primeira etapa que marcou o regresso do ciclismo luso tivemos uma chegada ao sprint em Torres Vedras. A Efapel muito trabalhou e viu esse esforço compensado com a vitória do Luís Mendonça, mais forte que Daniel Mestre e Daniel Freitas. No dia seguinte era bem diferente. Último dia e com chegada ao Parque Eólico da Carvoeira, a Efapel voltou a trabalhar muito, mas desta vez Luís Mendonça quebrou e a vitória foi para o Frederico que conquistou assim a sua primeira grande vitória, somando à etapa a conquista do Troféu Joaquim Agostinho que serviu de teste para a volta, este ano ainda mais que nos anteriores.

Lá fora, há a destacar a Volta ao Luxemburgo, talvez a corrida com a pior organização deste ano. Tivemos de tudo, isto porque as estradas não eram fechadas a tempo e horas e, por isso, tivemos carros em sentido contrário ao dos ciclistas ou carros mal estacionados, que colocaram em risco a segurança dos ciclistas. Apesar de tudo isso, a volta ao Luxemburgo foi conquistada por Diego Ulissi que levou a geral e duas etapas para casa. Demare e Degenkolb picaram o ponto com cada um deles a levar uma etapa para casa, mas a UAE demonstrou um domínio, porque ou vencia ou estava nos primeiros lugares. Rui Oliveira fez vários Top10 e esteve em destaque no lançamento e no trabalho para Ulissi e Philipsen.

Basquetebol

A atualidade do basquetebol nacional está marcada, claro está, pelo regresso do Sporting às competições europeias 42 anos depois.

Jogamos muito bem frente à melhor equipa Suíça, uma equipa com jogadores de qualidade como o Mbala, mas o nosso jogo comprovou como podemos fazer história nesta competição. Um super Travante como sempre em alta, Fields também ele uma das figuras não só pelos afundanços como pelo que jogou. Fomos superiores na defesa, um dos nossos pontos fortes, evidenciou-se neste jogo. A nossa defesa ganhou a vantagem e depois ofensivamente muito foi dado pelo Shakir, o nosso reforço já vai mostrando serviço, sendo mesmo muito importante para o dilatar da vantagem e quando saiu coincidentemente a mesma caiu. Muita concentração, muita agressividade e muito foco neste jogo.

Recuperamos muitas bolas, fruto da nossa pressão defensiva, garantimos que a nossa defesa nos dava a vantagem no jogo, até porque a equipa Suíça não conseguia usar o jogo interior. Fields foi muito importante neste aspeto defensivo, tal como no 2×2, e nos duelos que fomos ganhando na luta pelas tabelas.

Sem conseguir usar o jogo interior, os suíços apostaram nos triplos que começaram a cair e com isso conseguiram reentrar no jogo. Apesar da rotação, continuamos em alta, focados e na frente do jogo. Os 50 pontos em 20 minutos demonstram isso mesmo, mas caímos um pouco de rendimento na fase final com muitos turnovers, erros demais, além de que neste jogo em alguns momentos ficou evidenciado um problema nos ressaltos. No geral, a equipa jogou bem e com isto passamos.

O jogo seguinte era sem dúvida mais exigente, depois dos suíços agora os bósnios do KK Igokea.

Sexta-feira dia de jogo. O nosso segundo jogo, onde não éramos, em teoria, os favoritos, acabamos por perder por 70-64. Uma equipa forte, mas como ficou visível, não era intransponível e nem era mais forte do que nós. O resultado podia e devia ter sido bem diferente. Ficámos perto de fazer história. Os erros custaram esta eliminação e a queda para a FIBA Europe Cup, onde podemos fazer história, porque temos mais chances de fazer uma gracinha do que tínhamos na Champions League. O nosso grupo já é conhecido. Vamos enfrentar os israelitas do Ironi Ness Ziona, os Húngaros do Szolnoki Olajbanjasz e os polacos do BM Slam.

Falando do jogo jogado, foi uma disputa do princípio ao fim. Ambas as equipas entraram nervosas, principalmente o Sporting que acusava um pouco mais a pressão. Além disso era o Sporting que ia errando mais e os bósnios iam aproveitando cada erro para se manterem em vantagem.

Chegámos cedo no primeiro período às cinco faltas e isso ajudou muito os bósnios a conseguirem manter a vantagem. Os turnovers também se foram acumulando, basta ver os primeiros três minutos de jogo, onde erramos demais. Lá está, o nervosismo e a pressão faziam-se sentir na equipa, a ausência do professor Luís Magalhães também pesou, claro, mas era a importância do jogo que ia pesando.

Primeiro e segundo períodos com ligeira vantagem dos bósnios. Íamos conseguindo mostrar alguns pormenores, mas até por termos chegado cedo às cinco faltas, fomos para o intervalo a perder por 32-27, mas no terceiro as coisas mudaram. Viemos muito mais concentrados, fomos atrás do resultado e estivemos mesmo na frente. Travante, Henry, o próprio Shakir iam mostrando serviço e no fim do terceiro período liderávamos por 14-20 o único período em que estivemos na frente. Parecia mesmo que íamos conseguir, apesar dos bósnios continuarem mais fortes nos aspetos físicos.

Os triplos iam caindo, íamos conseguindo mais do que tínhamos feito até aquela altura, mas começa o quarto período e foi o descalabro aquele início e aqueles primeiros minutos, passamos da vantagem para uma desvantagem. Flávio Nascimento, olhando para os erros no inicio do quarto, parou o tempo quando o resultado era de 57-49. Estávamos atrás, mas o desconto tempo fez bem. Fomos atrás e muito pelos dois triplos do Travante. Por isso, em 15 segundos reduzimos a vantagem bósnia para 59-55 e quando parecia que íamos atrás e dar volta, voltámos a errar muito. Muitos turnovers, muitas falhas e isso fez com que os bósnios voltassem a cavar uma vantagem maior. Falhámos triplos decisivos, lances livres decisivos, passes e assim era difícil dar a volta ao resultado. Pedro Catarino foi lançado já no final para meter triplos e acabou por falhar essa aposta, visto que o Catarino só meteu um em três.

Neste jogo fica um amargo de boca, porque podíamos ter passado. Foi por pouco, mas cometemos erros demais para este nível. Acusámos a pressão e ainda a falta de jogos. Perdemos os duelos nas tabelas e Fields ainda não está na sua máxima força, o que também pesou muito.

Todos os reforços vão provando que foram acertos. Fields cometeu alguns erros desnecessários que, com ele em melhor forma, não se vão repetir, mas Shakir, com 5 pontos, mostrou que em melhor forma pode comprovar o porquê de ter sido uma aposta para esta época. Henry já vai mostrando que vai ser uma das figuras desta época, um ótimo jogo dele hoje novamente, como tem acontecido em todos os jogos. Nas tabelas, como já disse, perdemos sempre. Os bósnios com Carmichael ou Jovanovic iam dominando na área pintada e a prova disso foram os apenas 22 pontos na área pintada!! Muito mau e assim não dá para mais. O físico pesou, os erros pesaram, os bósnios não eram melhores, bem pelo contrário. Falhámos por culpa própria, pelos nossos erros e por alguma falta de jogos.

Vamos para a Europe Cup. Não dá para pensar em vencer esta competição, mas dá para fazer alguma gracinha e com isto ganhar algum nome na Europa e, quem sabe com alguma sorte, podemos chegar a uma fase mais adiantada, mas mais do que isso o foco é internamente e depois depende de alguns fatores pensar em fazer a tal gracinha. Volto a dizer é uma eliminação que nos deixa com um amargo de boca, porque os bósnios não eram mais fortes e podíamos ter passado.

Ainda na atualidade nacional e perante as equipas que já foram obrigadas a parar, destaca-se nestes últimos dias a vitória da Oliveirense por 77-71 sobre a Ovarense, tal como a vitória do Imortal que ganhou por 97-86 também sobre a Ovarense.

Ainda temos equipas a anunciar reforços e, por isso, destaco o Galomar, uma equipa que vai disputar subida na Proliga e que garantiu um jogador de muita qualidade. Falo de Marko Loncovic que estava no Vitoria SC. Além dos vitorianos, o Ginásio garantiu um reforço estrangeiro, o polaco Sam Pleszak, um extremo que se vai estrear como sénior na equipa da Figueira da Foz. Ainda o Lusitânia que garantiu o substituto de Christopher Galbreath, o também norte-americano Pat Andree que vem da  North Carolina State University, mas pouco jogou, ele que tinha sido um destaque no ano anterior na Lehigh University.

No basquetebol masculino internacional, há a destacar o início da Liga ACB. O Barcelona entrou a ganhar frente ao Burgos por 89-86. Apesar de ter estado a perder grande parte do jogo e de ter sentido muitas dificuldades, os pupilos de Sarunas conseguiram dar a volta. No segundo jogo, a equipa catalã venceu o Unicaja por 79-70. As melhorias da equipa são visíveis de jogo para jogo e, nestes dois jogos iniciais, Alex Abrines foi fundamental, sendo mesmo o melhor em cada um dos jogos. Mas em Espanha, além do Barça, o Real Madrid e o Baskonia também entraram com duas vitórias.

Esta semana será marcada pelo início das ligas Francesas e Italianas, por isso, de agora em diante, mais grandes jogos para acompanhar e para serem destacados aqui.

Passamos para o feminino, para dar destaque ao projeto de subida do CDE Francisco Franco que garantiu jogadoras de muita qualidade, como as internacionais portuguesas Rosinha Rosário (ex. Sheffielde Haltters), Sara Djassi (ex. Manchester Mystics), Lavínia da Silva (ex. London Lions) e da norte americana Riley Popplewell (ex. Big South All-Academic Team).

Da equipa madeirense que vai disputar o apuramento para a subida à 1ª divisão feminina, destaco Sara Djassi, muito boa jogadora que chega depois de ter denunciado o caso de assédio que ela sofreu no Tenerife. Na primeira divisão, destaco o Boa Viagem. Depois de Erika Williamns ter acabado por não chegar à equipa, o Boa Viagem anunciou a Anastasia Williams (ex. Helios VS Basket – Suíça), uma jogadora de zona 4 que vai ser uma grande ajuda.

No basquetebol feminino, também já começou a liga Espanhola. Nesta primeira jornada, temos a entrada vitoriosa do Clarinos da portuguesa Maria Bettencourt por 103-102 sobre o Gran Canaria. A nossa Maria somou 23 minutos, registando 12 pontos e 5 ressaltos num grande jogo de basquetebol. Destacar ainda que começa esta semana a liga francesa, tal como nos masculinos.

Futsal

No que diz respeito aos destaques na atualidade do futsal, tivemos o começo do futsal em França com grande destaque para o ACCS de Ricardinho e companhia, que entrou em grande ao vencer o Nantes por 6-0 com três golos do Ricardinho. Além do Ricardinho, Bruno Coelho também jogou e foi titular nos franceses.

Passando ao Brasil, começamos pela 8ª rodada do Campeonato Paranaense Sicredi 2020 Série Prata, com o São Miguel a perder para o Pitanga por 3-1. O Passo Fundo Futsal empatou com o Horizontina Futsal por 1 a 1, no Ginásio Capingui, em Passo Fundo, pela terceira rodada da Liga Gaúcha de Futsal.

Na Liga Gaúcha, a Associação Marauense de Futsal – AMF foi derrotada por 6-0 num grande jogo da equipa vitoriosa, a Associação Carlos Barbosa. Ainda no Brasil e em mais um grande jogo, mas desta para a Liga Nacional de Futsal, um empate a 2 entre o JEC/Krona e o Cascavel. Dieguinho, nosso bem conhecido, marcou o seu primeiro golo da competição.

Falar do Caxinas e do Dinamo que foram as equipas que subiram à primeira divisão. O Caxinas, para surpresa de todos, venceu por 2-1 o Ferreira do Zezere e o Dinamo Sanjoanense venceu por 5-1 o Nun´Álvares.

Realço a conquista do Troféu Stromp, por parte da equipa feminina do Sporting, que venceu nas grandes penalidades o ACRD Arneiros, após um empate a quatro golos no tempo regulamentar. O Sporting fez a escolha de manter o técnico Rui Ferreira. A equipa não é tão forte como em outros anos, apesar das entradas de algumas jogadoras com mais nível, como Ana Alves. Temos de ser realistas e perceber que vai ser um ano com piores resultados, apesar disso, a equipa é jovem e tem jogadoras que, se conseguirem ser bem ajudadas pelas mais experientes, podem conseguir surpreender muitos que estão a desvalorizar a qualidade de algumas delas.

Voleibol

Depois do adiamento da meia-final com o SL Benfica para a supertaça devido aos casos de covid-19 no Sporting, o jogo já foi reagendado para o dia 7 de outubro, no Pavilhão Municipal de Óbidos, às 20h00. Ressalva ainda para o facto de esta hora poder sofrer alterações, por motivo de transmissão televisiva.

Mas para que não ficássemos sem voleibol, tivemos a equipa feminina em estreia e a vencer o Troféu Stromp. Estava ansioso para ver esta equipa, confesso desde já que era das equipas que mais queria ver este ano. Ttivemos a nossa estreia com uma conquista por 3-0 frente ao Belenenses.

Começamos muito bem, com uma entrada muito forte da equipa. O primeiro set foi ganho por 25-13, o 2-0 foi confirmado com um 25-6 e o terceiro set foi o mais equilibrado. O Belenenses esteve até mesmo na frente com uma entrada muito forte, mas demos a volta, demonstramos garra e vencemos com um 25-17 final.

Analisando o jogo, já era esperada uma vitória tranquila. O Belenenses, e com todo o respeito, não é uma equipa ao nosso nível, por isso, a vitória seria natural e foi confirmada com um ótimo jogo. Quanto às jogadoras Vanessa Paquete, a quem destaquei num programa, ótima jogadora, ficou já à vista que vai uma das nossas armas mais importantes, um dos nossos canhões para esta época. A Ana é a nossa distribuidora, a classe e a qualidade dela já são conhecidas e vamos ter mais um ano da Ana a distribuir como poucas. Para a Vanessa e para o outro canhão desta equipa, a Bruninha, dois canhões potentes e capazes de fazer muitos estragos. Na rede, vamos ter Aline Timm e Gabriella Rocha a liderar e a brilhar como tivemos neste jogo. Ambas foram figuras no jogo. Eu gostei e acho que gostamos todos do que deu para ver da Thais Bruzza. Já se sabia que era uma ótima jogadora. Se eu já era fã. fiquei ainda mais depois de um jogo em que ela não cometeu qualquer erro. Foi uma grande contratação, uma melhoria enorme e vai ser de certeza uma das figuras da nossa liga este ano.

Mas o jogo foi tranquilo. O mister Rui Costa deu tempo de jogo a todas as jogadoras, por isso deu para ver bem cada uma delas. Há ainda algumas coisas para melhorar, como é óbvio. Vamos jogar muito mais e melhorar ainda mais, mas ficam excelentes indicações da nossa equipa que, até mesmo quando o Belenenses se conseguiu mostrar mais e até estar na frente, de a volta e mostrou toda a sua capacidade. É das equipas que tenho mais entusiasmo este ano e ficou uma conquista e um primeiro jogo para nos entusiasmar a todos com as nossas Leoas.

No que diz respeito a toda a atualidade internacional, destaco o início da CEV, na Champions League masculina. Tivemos já bons jogos e destaco três equipas que venceram e passaram. Falo dos romenos C.S.M. Arcada Galați, que venceram e se qualificaram depois de um grande e dramático jogo, onde ganharam por 3-2 parciais de 28-26, de 18-25, 25-13, de 23-25 e de 20-18, perante os finlandeses Ford Levoranta Sastamal. Niels Klapwijk liderou os romenos com 25 pontos, mas o grande destaque foi Filip Šestan que esteve excelente na receção.

Em outro jogo que destaco, os polacos Jastrzębski Węgiel venceram por 3-0 com os parciais de 25-20, 25-16 e 25-17, um jogo tranquilo de grande superioridade dos polacos, onde saliento a estreia europeia do jovem Maksymilian Granieczny com apenas 15 anos!!

O último jogo que destaco foi a boa vitória dos húngaros Fino Kaposvár VC, que derrotaram por 3-0 os albaneses do Erzeni Shijakut com os parciais de 25-18, 25-16 e 25-15.

No feminino, vou destacar dois jogos da liga Russa. Primeiro, a grande surpresa com a derrota das vice-campeãs do Lokomotiv frente às jogadoras do Sparta por 3-1, com os parciais de 25-23, 12-25, 26-24 e 25-23, depois de todos pensarem que seria um início tranquilo para as jogadoras do Lokomotiv. A prova disso foi a estreia tranquila frente ao Tulitsa, mas para surpresa de todos numa segunda jornada que nos deu esta surpresa com um grande jogo de voleibol.

O outro jogo que vou destacar foi o dérbi emocionante que o Dinamo-Ak Bars venceu por 3-2, depois de terem estado por duas vezes atrás. Os parciais foram 25-22, 21-25, 31-29, 22-25 e 11-15, um jogo apaixonante de voleibol que recomendo a todos verem. No Dinamo destacou-se a mexicana Samantha Bricio, com 27 pontos, e Irina Koroleva. Já no Uralochka, a jogador que mais pontuou, Kseniya Parubets com 28 pontos. Segunda ronda ainda é preciso não esquecer, mas os grandes jogos vão se repetindo uns atrás do outro.

Andebol

No andebol claro que os grandes destaques são a vitória e o empate do Sporting. No primeiro jogo ganhamos ao FC Gaia por 32-27. Apesar da vitória sofremos 27 golos de uma equipa bem treinada, mas com um plantel inferior ao do ano passado. Mais uma vez erros, demasiados erros a defender. Entramos muito bem, garantimos uma vantagem importante, estávamos superiores em tudo nos primeiros 15 minutos. O pior foi mesmo os segundos 15 minutos, onde desligamos e sofremos vários golos. Não conseguimos lidar com o 5×1 e o 3×3 do Gaia e só marcamos um golo em 15 minutos. Horrível este nosso momento no jogo. O Gaia recuperou e ficou a dois, mas podia realmente ter sido pior. Mais uma vez o nosso melhor jogador foi o Skok.

Passando ao jogo na Roménia, 27-27. num jogo em que devíamos ter fechado a eliminatória. acabamos por empatar com um adversário muito inferior a nós.

Os romenos eram muito fortes fisicamente, a primeira parte foi muito equilibrada com jogo rápido. Os romenos apostavam num jogo rápido e conseguiam ir marcando e discutindo o resultado com o Sporting. Ao intervalo estávamos na frente com o Skok em grande, mas também o Djukic.

Quando parecia que íamos ter uma segunda parte melhor e aumentar a vantagem, regressámos mal do intervalo. Os romenos conseguiram cavar uma vantagem de 3 e nós continuávamos nos balneários. Demorámos para aparecer e tivemos de correr atrás e aí a melhoria da equipa foi muito devido ao que Manuel Gaspar, Salvador e Nuno Roque fizeram. Muito mais dinâmicos, muito melhores e deram algo mais do que os outros. A dinâmica era diferente, conseguíamos empatar e, com isso, até podíamos ter vencido, mas desperdiçámos essa oportunidade já nos últimos segundos.

Fica mais um jogo com muitos erros, um jogo abaixo do que podemos fazer. Faltam jogadores e mais opções, mas isso já sabemos desde o início. As lesões, os jogadores que ainda não estão bem e as ideias que ainda não estão assimiladas levam a que nesta altura as coisas estejam assim, menos boas, mas apesar de tudo isto, podemos e vamos de certeza melhorar muito.

No próximo jogo voltamos a ser favoritos, um duelo com um dos grandes clubes do andebol português, mas longe dos bons tempos. O ABC tem uma equipa jovem e, por isso, este jogo com o ABC e o segundo jogo com os romenos são os jogos ideias para que se deixe para trás estes problemas e, mesmo com todos os problemas e limitações, consigamos entrar numa série de grandes vitórias.

Por esta semana é tudo, muito foco no Sporting, muitos jogos de muita qualidade, mas espero que tenham gostado e que tenham um ótimo fim de semana desportivo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *