Bardmerd* para o Covid

Depois do programa de ontem, começa aqui o fim-de-semana de artigos. Sejam bem-vindos a mais um artigo, o primeiro do fim de semana. Perante o adiamento dos jogos, é impossível não analisar o que se passou na outra semana, sem ter em mente que esta vai ser de pausa.

Esperamos que seja mesmo só uma semana, mas sabendo que, com tudo a complicar-se, poderemos ficar novamente sem modalidades em Portugal durante algum tempo. Espero que estejam bem e espero que gostem em mais uma parte destes nossos fins de semana a dar voz às modalidades.

Ciclismo

Esta semana vamos falar de ciclismo de uma forma diferente, isto porque já falei das primeiras etapas da Vuelta e fiz uma breve análise ao final do Giro e, como estamos num período onde não existiram corridas, vou falar um pouco da atualidade do ciclismo com foco principal no mercado de transferências que continua muito ativo e o qual eu não abordo há muito tempo.

Nas muitas mudanças no ciclismo, temos que começar por aquela que é a mais bombástica, Joni Brandão vai-se mudar da Efapel para a W52-FC Porto. O Joni ainda tinha contrato e, como tal, ai já está um grande detalhe, são essas negociações de desvinculação que vão acontecendo para que o Joni seja anunciado na W52 que, tal como a Efapel procurava um líder que será Frederico Figueiredo. José Neves e Ricardo Vilela estão nesta altura em negociações para regressar a Portugal, Tiago Antunes estará de saída da Efapel para a Miranda-Mortágua e Gustavo Veloso que anunciou no final da Volta a Portugal a sua continuidade por mais um ano e que tem, nesta altura, várias propostas de contrato para o próximo ano, apesar do mais provável ser continuar na W52. João Rodrigues e Amaro Antunes alimentam o sonho de saída, mas o mercado nacional vai ser dos últimos a ficar definido, tal como quase sempre acontece.

Lá fora, a NTT continua sem conseguir um novo patrocinador e, como tal, muitos dos ciclistas já têm equipa para 2021, mas muitos continuam ainda nesta altura sem equipa. Com a pandemia tudo se agravou e mais ciclistas estão sem contrato para a próxima temporada.

Nas últimas confirmações, temos o alemão Simon Geschke na Cofidis. O ciclista alemão estava sem contrato depois da equipa CCC ter terminado. Assim, o alemão vai ser colega de André Carvalho que, também ele, foi confirmado na Cofidis, sendo o primeiro português numa equipa francesa no World Tour.

Victor De La Parte, também sem equipa com o fim da CCC, mudou-se para os franceses da Total Direct Energie. Ryan Gibbons, o sprinter sul-africano, foi confirmado na UAE Team Emirates e, assim, vai ser colega de Rui Costa e veremos se de Rui e Ivo Oliveira também, pois os gémeos estão em final de contrato e ainda sem o futuro acertado para o próximo ano.

Mas um ano peculiar em tudo. Os últimos anos com as diminuições de ciclistas por equipa agravou a situação de muitos e este ano com a pandemia e com o fim de várias equipas, as coisas agravaram-se e, nesta altura, temos uma lista extensa de ciclistas sem contrato para 2021, que vai de Rigoberto Uran, a Feliz Grossschartner ou aos irmãos Izaguirre, entre muitos outros. Por isso, as próximas semanas vão ser agoniantes para muitos que estão sem equipa para 2021.

Voleibol

Para a atualidade do voleibol, começamos, claro, pelo nosso país, mais concretamente pela atualidade do Sporting que, no masculino, teve uma jornada dupla que foi do pior ao melhor. Começamos com o Esmoriz. Foi um dia horrível que culminou com uma derrota, 3-2, depois da derrota com o Benfica. Além do mister Gersinho por vezes parecer isolado, sozinho e sem apoio de outros elementos, a equipa em si parece distante entre ela. Por vezes, parece cada um por si, não vemos aquilo que podemos ver na equipa feminina, seja no fim dos jogos ou na celebração de pontos.

Na equipa feminina, vemos o festejar de cada ponto, vemos a celebração e o sentir de cada bom momento e, como vimos no jogo em Matosinhos, uma equipa capaz de dar a volta nas adversidades. Na equipa masculina não vemos isso. Vemos claramente uma equipa que se abala facilmente, que perde a desconcentração e que tem no capitão Miguel Maia a grande referêcia, como se viu no jogo com o Benfica, em que foi ele a acalmar a equipa e a conseguir que as coisas melhorassem. Em Esmoriz foi parecido, mas nunca o suficiente para que a equipa conseguisse vencer.

Os parciais neste jogo foram de 25-22, 19-25, 22-25, 27-25 e na negra 15-9. Como se pode ver aqui, nem nos sets em que ganhámos conseguimos embalar e vencer facilmente, como seria de esperar para uma equipa como a nossa.

No dia seguinte, vencemos 3-0 o SC Caldas, num dia em que o bloco voltou, a equipa voltou. Com todo o respeito pelo Caldas, este é um resultado normal e que teria de acontecer com alguns erros, mas mais importante que tudo foi a equipa vencer depois do mau jogo e da derrota de sábado. Os parciais foram de 20-25, 16-25 e 21-25. Foi um jogo bem diferente. A equipa esteve muito mais em jogo, o bloco a funcionou. Bruno Canhoto apareceu neste jogo e fez uma boa exibição. Rojas que, tinha estado menos bem no dia anterior, esteve bem, por isso o jogo foi bem diferente e ainda bem.

Se no dia anterior, a equipa abusou do excesso de confiança a juntar a um mau dia, neste jogo com o Caldas a equipa já não deu tudo como garantido, mas basta ver o jogo para perceber que o ambiente de grupo não é o melhor. O espírito de equipa deixa muito a desejar. O Adrien, na Tasca do Cherba, falava disto mesmo. Ele, como especialista no voleibol, analisou melhor e falou com propriedade sobre isso mesmo.

Gersinho parece um homem sozinho, um homem isolado. Eu não consigo bater no Mister, pois como sempre no desporto é fácil bater no treinador, o elo mais fraco. Vemos em alguns pormenores o dedo do mister, o que parece falhar é a assimilação das ideias de Gersinho. Algo não está a funcionar, seja na passagem da mensagem, seja nos jogadores e na equipa.

Na atualidade nacional no sábado, o Benfica venceu o Leixões por 3-0, com os parciais de 23-25, 14-25 e 13-25. Como se vê pelos parciais, só o primeiro set foi mais apertado, mas depois o Benfica foi sempre superior. Esteve sempre por cima. Nada há a dizer sobre este jogo, foi uma vitória mais que tranquila para os encarnados que, no dia seguinte, voltaram a vencer, desta vez, o Ala Nun’Álvares também por 3-0. Foi um jogo onde o Benfica rodou a equipa e voltou a dar tempo de jogo aos mais novos e a jogadores que pouco tinham jogado até agora. Parciais de 25-21, 25-23 e 25-15, como se vê a vitória não foi tão fácil do que o ,normal pois jogaram atletas menos rotinados e com menos tempo de jogo, mas, apesar de um ou outro susto, a vitória esteve sempre assegurada e nunca foi colocada em causa.

O Benfica lidera com 8 jogos 8 vitórias. É, claramente, a equipa acima de todas as outras e até aqui nada de novo. O Viana, sem ninguém dar por eles, é, neste ,momento segundo com 19 pontos e com menos um jogo. O Fonte Bastardo está logo atrás com 18 pontos e, como esperado, o Ginástica segue em último com apenas dois pontos.

Na atualidade do voleibol masculino internacional, começamos pela Turquia, onde os lideres Halkbank foram derrotados pelo Altekma na ronda 12 por  3-2, com os parciais de 19-25, 25-23, 20-25, 25-21 e 15-11, mostrando que os últimos resultados não tinham sido por engano. Um grande duelo que, com esta boa vitória sobre os líderes, leva o Altekma para uma série de 3 jogos seguidos a vencer. Oğuzhan Tarakçı foi quem mais brilhou com 23 pontos e Mehmet Hacıoğlu brilhou na receção.

Ainda na Turquia, o Haliliye foi derrotado pelo Spor Toto por 3-0, com os parciais de 25-19, 25-11 e no último, já com jogadores pouco utilizados a terem oportunidades, ficou em 25-22 com Wallace Souza, mais uma vez, em grande com 23 pontos. Foi novamente o melhor no jogo, algo bem comum no Toto.

O último jogo que falo da liga Turca é a vitória do Belediye Plevne por 3-1 frente ao Yüntaş pelos parciais de 25-18, 24-26, 25-16 e 25-21 com Geraldo Filho a brilhar com 26 pontos e uma exibição de luxo.

Passamos para Itália, para falar de mais uma grande vitória do Monza, mais um grande jogo com muita espetacularidade e momentos eletrizantes que apaixonam quem gosta de voleibol.

O Monza venceu por 2-3 o Trentino, com os parciais de 25-21, 21-25, 19-25, 25-16 e por 15-13. O Monza recuperou de 1-2 fruto de uma boa estratégia do Mister Angelo Lorenzetti que tentava que o Trentino voltasse às vitórias, o que não aconteceu. Foi a quarta derrota seguida para uma equipa que iniciou a época com ambições ao título e que, neste momento, está na oitava posição.

Adis Lagumdzija foi a figura do Monza com 23 pontos, mas a figura do jogo e, apesar de derrotado, foi Nimir Abdel-Aziz com 32 pontos e mais uma exibição de jogador de alto nível.  O Sir Safety Conad Perugia venceu fácil por 3-0 o Ravenna e continua líder invencível, agora com um 7-0.

O último jogo que destaco da liga italiana é o grande duelo entre o segundo e terceiro classificado que ditou uma vitória de 3-0 do Lube frente ao Milano, com  Osmany Juantorena a ser o grande destaque com 15 pontos e Fabio Balaso em alta na receção.

Para acabar a atualidade do voleibol masculino, vamos viajar até à Rússia. Para compensar o frio tivemos belos jogos de voleibol. Para começar o Zenit-Kazan que venceu o Zenit St. Petersburg por 3-0, com os parciais de 27-25, 25-20 e de 28-26. Foi a sexta vitória seguida para o Kazan na liga que continua, assim, sem perder na liga e é a oitava vez que vence a equipa rival. Maksim Mikhaylov brilhou com 19 pontos e mais uma enorme exibição a liderar o Kazan. Ivan Yakovlev brilhou nos derrotados, sendo, mais uma vez, o melhor do Zenit como já tantas vezes aconteceu antes.

Na atualidade do voleibol feminino, começamos, claro, pelo Sporting. A equipa foi a Braga vencer as arsenalistas por 0-3, com vitórias no primeiro e segundo sets por 12-25 e 15-25. No último set, as Leoas selaram o triunfo com o parcial de 18-25, mantendo-se invictas na competição.

Foi mais uma vitória depois da paragem forçado pela pandemia. O jogo era importante, pois podia tornar-se difícil pela paragem, mas as leoas, mais uma vez, não deram hipóteses e venceram, mantendo, assim, a invencibilidade.

Queria muito falar do jogo, mas não tivemos transmissão, o que já é algo pouco comum para o voleibol nacional, onde temos a maioria dos jogos transmitidos. Numa altura de pandemia, era obrigatório existir transmissão, nem que fosse uma câmara fixa, mas assim não ajuda em nada a modalidade e, neste caso, o voleibol feminino que, tal como no Sporting, é muitas vezes esquecido e ignorado.

Numa jornada já muito marcada pelos adiamentos, o Clube K venceu por 3-1 o AVC Famalicão e o Vilacondense venceu o Belenenses por 3-2. As restantes jornadas foram adiadas e agora a paragem coloca em causa a boa forma das equipas e o futuro de muitas equipas. Se o impacto já tinha sido grande antes, agora se for algo para além do adiamento de uma ou duas jornadas, as coisas podem complicar-se muito mais para as equipas das modalidades.

Na atualidade do voleibol feminino internacional, começamos por Itália, onde o Imoco continua a dominar com ao pleno em seis jogos. O resultado foi de 3-0, com os parciais de 25-16, 25-23 e de 25-14. Paola Egonu esteve em destaque com 17 pontos neste jogo.

Em outro grande jogo, o Novara venceu o Scandicci por 2-3, recuperando de dois sets perdidos. Quando já se esperava uma vitória fácil do Scandicci, o Novara venceu com uma recuperação de alto nível. A grande estrela do jogo foi Magdalena Stysiak com 36 pontos, com uma exibição daquelas que atrai público, mas que não foi o suficiente para evitar a derrota do Scandicci.

O Chieri venceu por 3-0 o Brescia, um jogo mais tranquilo e uma vitória bem mais fácil em comparação com o outro jogão que tivemos. 

Na Turquia, o VakıfBank continua a dominar com a décima segunda vitória seguida, mesmo depois de terem entrado mal ao perder os dois primeiros sets, num dos maiores dérbies desportivos do mundo contra o Eczacıbaşı. Foi um grande jogo no el clasico turco, com parciais de 17-25, 17-25, 25-23, 25-19 e de 16-14, com a Isabelle Haak mais uma vez a brilhar com 22 pontos.

Na Rússia, o Dínamo de Moscovo foi derrotado e viu a sua invencibilidade ser quebrada num duelo com o Dínamo Krasnodar. Com parciais de 21-25, 24-26, 25-21, 25-22, 15-11 para um 3-2 que ditou o fim desta sequência de vitórias. Mariya Khaletskaya e Nataliya Goncharova dividiram o protagonismo neste jogo, com cada uma delas a liderar as suas equipas e a serem as estrelas desta partida.

Hóquei em Patins

Para última modalidade deste sábado, temos o nosso hóquei em patins, onde para começar falamos claro do último jogo do Sporting que nos trouxe uma vitória de 2-7 na visita ao Turquel, Foi um bom jogo e foi ainda melhor, porque o Porto empatou em Barcelos.

No jogo do Sporting, entrámos com tudo, uma stickada em grande a valer-nos o primeiro golo ainda no primeiro minuto. Como esperado, o jogo não foi fácil. Na aldeia do hóquei, os jogos complicam-se sempre e é necessário compromisso e nunca achar que esta tudo ganho para se levar uma vitória de Turquel. Entrámos muito bem, tivemos uma primeira parte a jogar muito bem, focados e concentrados e com isso conseguimos fugir no marcador, superando a equipa complicada do Turquel.

Depois no intervalo, as coisas mudaram e entramos na segunda parte de forma desconcentrada e com isso permitimos que o Turquel ganhasse algum ànimo e tentasse recuperar. Mesmo assim, vencemos sem problemas com um bom jogo apenas marcado pela segunda parte mais morna. Romero sempre em grande. Verona, que também esteve muito bem com 2 golos, parece cada vez melhor.

Além da vitória do Sporting, o Benfica venceu na receção ao Sporting de Tomar. Como esperado, os encarnados não tiveram problemas e venceram os ribatejanos por 7-2, com 3 golos do Lucas Ordoñez, o melhor em campo. Vê-se nesta equipa quando Edu Lamas joga. No Tomar, Rubinho esteve em destaque.

O Porto empatou a 4 na visita a Barcelos. O resultado não é surpreendente, pois o Barcelos é sempre uma equipa muito forte, mas o Porto vem duma sequência de maus jogos, todos eles complicados. O Porto tem estado bem abaixo com a ausência de Benedetto e de ter apenas 7 jogadores de pista. São claros os problemas dos dragões neste início de temporada.

O Valongo continua muito bem. A equipa segue em segundo lugar nesta altura, atráas do Sporting e nesta última jornada receberam e venceram os ribatejanos do Tigres por 3-1, estando agora com 13 pontos, os mesmos que o Sporting.

Na atualidade internacional do hóquei em patins e por Espanha, o Barcelona atropelou o Noia por 8-1, com mais um enormíssimo jogo de Hélder Nunes e Pablo Alvarez. O Reus também continua em grande, desta feita venceu por 0-7 na visita ao Vic, com Marin a ser novamente um dos destaques. Marin e Àlex Rodríguez marcaram 4 golos e foram as figuras em destaque deste jogo.

Por Itália, o Lodi continua invicto. É a única equipa que ainda está invicta em Itália. Nesta última jornada venceram o Sarzana por 3-6, num belo jogo de Hóquei em que o Lodi teve uma demonstração de força.

Ainda por Itália, há a destacar o Bassano que continua em grande ao vencer o Sandrigo, que teve no Diogo Neves a sua maior figura, com dois golos marcados, mas insuficientes, na derrota de 2-8.

O grande jogo desta jornada foi, sem dúvida, o Montebello vs Monza que terminou num 6-7 para o Monza, com Davide Nadini e Matteo Zucchetti em destaque com 6 dos 7 golos, enquanto que do outro lado, Nuno Paiva marcou um dos 6 golos numa bela exibição do português.

Na atualidade do hóquei em patins feminino, o Sporting venceu na visita ao CA Campo de Ourique por 0-5, Nada a dizer, foi mais uma boa vitória com uma boa exibição. Sofia Moncóvio, Rute Lopes, Rita Lopes e Ana Catarina Ferreira (2) foram as marcadoras dos golos.

Na atualidade nacional, o Infante de Sagres goleou o Vila Boa Bispo por 15-3 na zona Norte e o Carvalhos perdeu pela primeira vez. Continuam líderes na zona norte, mas foram derrotados por 5-4 pelo Académico da Feira.

Na zona centro, a Sanjoanense segue imbatível ao vencerem o Antes por 12-0. São 4 jogos com outras tantas vitórias. Na zona Sul, aléem da vitória do Sporting, o Benfica recebeu e atropelou o Tojal por 23-1. A goleada era esperada, pois foi a equipa mais forte frente a frente com a equipa mais fraca que ainda não tinha pontuado e que está abaixo de todas nesta fase.

No outro jogo, o Stuart Massamá derrotou o Vilafranquense por 2-1. Do lado das ribatejanas, Rita Batista esteve, mais uma vez, em evidência marcando e jogando muito bem.

Em Espanha, destaco a grande vitória do Telecable por 8-2 frente ao Borbolla, com Marta Piquero em grande com 2 golos. Com esta vitória, o Telecable assumiu a liderança do grupo A, isto porque muitos jogos foram adiados.

Por este sábado é tudo. A primeira parte do fim de semana está feita. Sexta-feira e sábado a dar voz às modalidades e não percam amanhã mais um artigo, nisto que é, como sempre, um belo fim de semana a dar o mais possível a voz às modalidades.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *