Conquistas Espetaculares

Último dia deste nosso fim de semana das modalidades e como tal nada melhor que um domingo com a atualidade do andebol internacional, do hóquei em patins e, para terminar estes dois dias, vamos viajar até um pouco mais longe para falar da NFL.

Venham daí!

Andebol Internacional

Feminino

Começamos este domingo pelo andebol internacional, falando do Europeu feminino que terminou com a Noruega a vencer.

Tal como tinha aqui falado, a Noruega era, sem dúvida, uma das seleções mais favoritas e confirmaram esse favoritismo. A Noruega venceu a França por 20-22, numa grande final entre duas equipas que não tinham perdido ainda e que tinham muitas armas.

Nora Mork foi a figura desta final, mas quem entrou melhor foi a França com Foppa a marcar os dois primeiros golos. Nora Mork foi a jogadora que deu a primeira vantagem à Noruega, mas foi um jogo equilibrado, sempre um grande jogo. Esta primeira vantagem da Noruega só foi perdida já na segunda-parte. Com a Noruega muito forte, a França esteve atrás durante muito tempo e foi já no segundo tempo que conseguiram subir de rendimento e empatar. Depois conseguiram ainda ficar em vantagem por uns instantes, quando fizeram o 19-18 aos 53 minutos com Foppa a marcar muito bem, mas não conseguiram manter a vantagem e a Noruega fez o 20-22 aos 58 minutos e já não perdeu a vantagem, vencendo o seu oitavo título de campeãs europeias.

Uma belíssima vitória e um enorme jogo de andebol que valeu muito a pena para quem viu. Pauletta Foppa foi, juntamente com a Cleopatre Darleaux, a maior figura da seleção francesa, mas Nora Mork foi não só a maior figura da seleção norueguesa, como a melhor jogadora deste europeu, uma jogadora extraordinária, que teve uma lesão complicada, que foi dada como acabada por muitos, mas que regressou a casa e recuperou a forma de tal maneira que é das melhores do mundo nesta altura e confirmou isso mesmo neste europeu. Camila Herrem e Stine Skogrand também estiveram muito bem do lado Norueguês.

Masculino

No masculino, tivemos a Final 4 da EHF Champions League. Na primeira meia-final, o Barcelona venceu o PSG por 37-32. O jogo foi muito bom e, como esperado, foram os catalães que venceram.

Vários jogadores estiveram destaque, como Aron Palmarsson que teve uma exibição fantástica, mas a maior figura desta partida foi Kevin Møller. O guardião até um golo marcou, mas esteve a um nível muitíssimo alto, foi a maior figura deste jogo e muito desta vitória foi conquistada por ele com esta exibição monumental.

Um primeiro tempo que o Barça dominou e, por isso, foram para o intervalo a vencer por 4 golos. No lado do PSG existia o problema na zona central. Os franceses não tinham um central de raiz, pois Luc Steins testou positivo para o covid, daí coube a Nedim Remili organizar o jogo dos parisienses que não teve um jogo tão bom. Foram muito as individualidades que fizeram a diferença do lado francês, o coletivo não funcionou e, além disso, esbarraram sempre no Møller.

O PSG melhorou no regresso dos balneários, surgiu o 7×6 a fazer a diferença e isso levou a que a equipa melhorasse, mas mesmo assim foi insuficiente perante um Barça tão forte e tão competente. Luís Frade jogou alguns minutos, mas não marcou, Dylan Nahi foi o melhor marcador com 9 golos em 10 remates e foi o grande destaque deste jogo depois do Kevin Møller. Um Barcelona muito forte foi a primeira equipa a chegar à final.

Na segunda meia-final, tivemos o Kiel a vencer o Veszprém por 36-35. Com um super Sagosen, os alemães dominaram o jogo, entraram em grande e cedo garantirem uma boa vantagem nos primeiros 15 minutos. A defesa alemã ia estando muito forte e os húngaros não conseguiam marcar. Muito fortes na fase inicial, os alemães iam conseguindo controlar e dominar os húngaros.

Os húngaros foram respondendo e ao intervalo já só perdiam por 5, mas foi na segunda-parte que conseguiram recuperar mais. Os alemães baixaram muito, levantaram muito o pé e os húngaros conseguiram voltar a discutir a partida.

Ao minuto 47, os húngaros chegaram pela primeira à vantagem. A luta continuou, o ótimo jogo continuou e no fim da segunda parte o resultado era uma igualdade a 29.

No prolongamento, quem entrou mais forte até foram os húngaros, continuaram a subir como tinham feito até então, chegaram a ter uma boa vantagem de dois golos que a certa altura parecia que ia ser suficiente, mas aí surgiram Sagosen e Niclas Ekberg em grande forma e lideraram a recuperação alemã. Ekberg marcou a 40 segundos do final o golo decisivo.

No jogo pelo último lugar do pódio, o PSG venceu o Veszprém por 31-26. Como esperado, a questão física pesou um pouco neste jogo, pois os húngaros tinham sido os últimos a jogar e essa menor recuperação pesou.

Os húngaros entraram mais fortes, mas com o passar do jogo a questão física começou a pesar muito. Um 3-0 inicial para os húngaros, passou para 1-6 para os franceses e, na parte final do primeiro tempo, como eu disse, a questão física foi pesando ao longo do jogo.

Rodrigo Corrales foi o responsável para que os húngaros não fossem para o intervalo a perder por mais. O guardião espanhol foi preponderante nesta partida para os húngaros não terem uma derrota pior. No PSG, há a destacar a defesa 5×1 que ia fazendo a diferença e foi esta defesa que impediu os húngaros de, em alguns momentos, conseguissem responder e de lutar mais pelo resultado.

No segundo tempo foi o PSG que entrou mais forte. Aumentaram a vantagem sem grandes problemas e quando os húngaros tentaram responder, a defesa francesa a 5×1 ia novamente fazendo a diferença e anulando a resposta húngara. Cupara foi responsável pelo não avolumar do resultado. O ataque húngaro, neste segundo tempo, foi muito assente em jogadas individuais, principalmente em jogadas do Lekai que esteve bem, mas não o suficiente para que os húngaros conseguissem algo mais. Prémio de consolação para os franceses.

Na final, o favoritismo era dado ao Barcelona, mas a verdade é que foram os alemães do Kiel que levaram a melhor. O Kiel venceu por 33-28. Aqui também os alemães chegavam com menos tempo de recuperação, mas isso não se notou ao longo da partida.

Os catalães só conseguiram ter uma vantagem neste jogo e foi logo no começo do jogo, além disso estiveram sempre atrás no marcador, muito bom jogo dos alemães.

Sagosen teve um susto quando recebeu a sua segunda expulsão, mas acabou por se aguentar até ao final realizando uma enorme exibição. O 7×6 dos alemães foi um fator determinante neste jogo, o Barça nunca soube parar os alemães nesta fase e Sagosen ia aproveitando para marcar e colocar os alemães com uma boa vantagem.

Com 19-16 ao intervalo, os alemães iam mesmo dominando e controlando o jogo. No segundo tempo, os alemães continuaram mais fortes e por cima. O Barça não conseguiu nunca melhorar e iam sentindo muitas dificuldades.

Neste segundo tempo foi quando surgiu Niklas Landim com uma exibição formidável, confirmando o porquê de ser um dos melhores de sempre. Um Barça com um Cindric mais desinspirado, muitos erros, muitos passes falhados, com um Palmarsson também ele abaixo do normal. Era muita coisa e eram muitos os problemas para conseguirem lidar com o poderio alemão, com um Sagosen tão forte e um Landim em modo show neste segundo tempo. Por isso, surpreende a vitória dos alemães e o alargar da vantagem do Kiel que foi acontecendo.

Nada a dizer, o Kiel venceu sem problemas, sem grandes complicações, foram superiores a este Barça que sentiu, principalmente nesta fase final, dificuldades perante o 7×6 alemão e teve vários jogadores bastantes desinspirados. Sagosen foi a estrela, não sabe jogar mal e nesta final foi mesmo o melhor marcador.

Hóquei em Patins

Para o hóquei em patins, iniciamos por Portugal para falar de dois jogos.

Primeiro, o Benfica venceu o Turquel por 1-2, com o objetivo principal dos encarnados a ser conseguido, mas com muitos problemas. Um mau jogo, foi mesmo um jogo muito fraco, com a equipa encarnada novamente a sentir dificuldades e a jogar mal frente a um adversário supostamente mais do que acessível.

Foi um bom jogo do Turquel que podia mesmo ter levado um outro resultado deste jogo. O Benfica jogou pouco e mal, com falta de concentração e de foco, em que a certa altura dava a ideia de que os jogadores encarnados não estavam em pista, tal era o acumular dos erros.

Tiveram uma vantagem de um golo por muito tempo, cometeram muitos erros e fizeram alguma gestão. De repente, Diogo Rafael comete a décima falta que quase custou o jogo aos encarnados. Valeu muito Pedro Henriques para que as águias conseguissem vencer esta partida. Valeram mesmo os 3 pontos, porque a exibição foi fraca e o jogo foi mau.

Há a destacar o Turquel que alimentou a hipótese de levar pontos deste jogo fruto do bom jogo que fizeram e porque foram sabendo aproveitar as faltas de concentração do Benfica.

O outro jogo foi a vitória do Porto por 5-3 sobre a Sanjoanense, num jogo também ele complicado. Mais uma vez, a Sanjoanense criou problemas a um dos grandes, mas com um jogo muito melhor e sem os erros e desconcentrações.

Continuam os problemas defensivos do Porto, mais uma vez isso ficou evidente e, mais uma vez, a Sanjoanense a jogar muito bem e a surpreender um dos candidatos.

O Porto teve alguns problemas, sofrem muitos golos em 1 para 0, algo atípico para uma equipa com este nível e qualidade, mas mesmo com alguns problemas, o Porto venceu com Gonçalo Alves novamente a ser o melhor.

Depois de Portugal, passamos para a Itália, onde o Valdagno venceu por 2-3 o Monza para manter a liderança. Mais um bom jogo de hóquei, mais uma bela partida, com o Valdagno a conseguir novamente vencer mesmo num jogo tão apertado.

André Centeno marcou dois golos e foi o melhor do Valdagno, numa enorme exibição do português que esteve em grande destaque não só pelos golos, mas como por tudo o que fez nesta partida.

O Lodi também venceu de forma apertada o Grosseto por 3-4, em mais um bom jogo de hóquei e mais uma partida muito equilibrada. O melhor foi Enric Torner com 2 golos e uma enorme exibição.

Destaco ainda em Itália, a vitória do Trissino por 9-3 frente ao Breganze. Uma vitória incontestável, com uma boa exibição e os portugueses em destaque. Caio e o João “Mustang” Pinto marcaram um golo cada e fizeram duas boas partidas.

Valdagno lidera com 25 pontos, Lodi segue na vice-liderança com 24 e em terceiro segue o Sarzana com 22 pontos.

Falamos de Espanha e da supertaça que na primeira meia-final viu o Barcelona vencer o Noia por 1-3 com Pau Bargalló em grande evidência a marcar dois golos e deu um recital de hóquei em Patins. Além dele, Hélder Nunes também jogou muito bem, marcando um golo e evidenciando-se com vários bons pormenores.

Na outra meia-final, houve um grande jogo, Réus vs Liceo, duas das melhores equipas do mundo atualmente, que estão a jogar muito bem e em grande forma e, como tal, o jogo não desiludiu.

O Réus venceu o Liceo por 7-5, com um super Raul Marin a mrcar 4 golos, numa enorme exibição do capitão do Réus que, mais uma vez, esteve imparável. Foram três golos de livres diretos, um com um enorme remate e mais uma exibição de classe do Marin.

Do lado do Liceo, mais uma vez foi Jordi Adroher a estar em destaque, conseguiu 3 golos e mais uma exibição de alto nível. Grandíssimo jogo de hóquei, com muitos golos, muita qualidade e eletrizante do princípio ao fim.

A final entre o Barça e o Réus é hoje e vai ser mais um fantástico jogo, todos os ingredientes para ser mais um jogo a recordar.

NFL

Chegamos então à última modalidade deste domingo e desta semana. Vamos para a NFL, onde vou destacar alguns jogos.

Os Green Bay Packers venceram os Tennessee Titans por 40-14 debaixo de neve no Lambeau Field. Aaron Rodgers conduziu o ataque dos Packers com quatro passes para touchdowns, três deles sendo para Davante Adams que esteve fantástico, agarrando tudo.

Do lado dos Titans, Ryan Tannehill lançou duas interceções e correu para um touchdown, sofrendo pelo ar com a defesa dos Packers.

O resultado mantém os Packers com a melhor campanha da NFC, mas eles ainda precisam de garantir o lugar de cabeça de chave número 1.

Já os Titans entrarão na última semana com a possibilidade de serem campeões de divisão ou de ficar de fora dos playoffs, ou glória ou fracasso.

Aaron Rodgers com 21/25 nos passes, 231 jardas passadas, 4 TDs e 1 interceção afirmou-se novamente como candidato a MVP.

Depois, Los Angeles Rams 9-20 Seattle Seahawks. Um duelo com muito em jogo para os Rams, em que se eles vencessem, ainda teriam hipóteses de vencer a NFC e se perdessem, não se iam conseguir classificar para os playoffs, e foi isso que aconteceu.

Acontece que a partida também era de muita importância para os Seahakws, que levaram a vitória e conquistaram o título da NFC Oeste, o que os deixa em condições de levar a NFC.

Depois Philadelphia Eagles 17-37 Dallas Cowboys. Foi mais um bom jogo e uma intensa disputa pela NFC East. Andy Dalton e Michael Gallup chamaram a si a responsabilidade e venceram uma importante partida para os Cowboys.

Com a derrota, os Eagles não têm mais hipóteses de ir ao mata-mata. Já os seus rivais, liderados por Andy Dalton, seguem na luta. Denver Broncos 16-19 Los Angeles Chargers, duas equipas já sem hipóteses de chegarem aos playoffs. A partida ficou marcada pelo feito de Justin Herbert, quarterback dos Chargers. Ele foi apenas o segundo caloiro na história da NFL a passar a marca de mais de 4 mil jardas. O outro? Tinha sido um tal Patrick Mahomes.

Depois ainda New York Giants 13-27 Baltimore Ravens. Os fãs dos Giants ainda tinham algumas esperanças de vir a conquistar o título da divisão de Washington nesta reta final de temporada, mas a derrota contra os Ravens tornou tudo bem mais difícil. Foi uma derrota que não podia acontecer e que deixou assim os fãs todos em desespero.

O balde de água fria chegou no primeiro quarto, com a equipa da casa abrindo logo com 14 pontos de vantagem. Lamar Jackson teve 183 jardas e dois touchdowns aéreos, mas também feriu a defesa de New York pelo chão, com 80 jardas.

O jogo terrestre de Baltimore, esteve em evidência, foi dominante, de tal forma que LJ, Gus Edwards e JK Dobbins somaram 242 jardas e um TD. Do lado derrotado, Daniel Jones acumulou 252 jardas, com um TD e nenhuma interceção.

Falar ainda dos Cleveland Browns 16 New York Jets 23, em mais uma vitória que surpreendeu todos, pois ninguém esperava que os Jets vencessem.

Depois de na semana anterior os Jets terem vencido os Rams também de forma inesperada e de todos pensarem que ia ser uma vitória sem exemplo, a verdade é que surpreenderam e venceram, numa segunda vitória consecutiva sobre os Brown, que disputam uma vaga nos playoffs e então acaba por ser uma surpresa enorme. Duas vitórias consecutivas que espantaram quem acompanha a NFL.

Com isto, a primeira escolha do próximo draft parece bem improvável, já que os Jaguars perderam de novo e esta primeira escolha é cada vez mais deles.

Os Browns poderiam garantir vaga nos playoffs com a vitória, mas com esta derrota o cenário complicou e passou a preocupar e muito os fãs. Com 10-5, as probabilidades são cada vez menores. Sam Darnold teve dois touchdowns e 175 jardas, mesmo acertando apenas metade de seus passes no jogo. Outro que acumulou umas jardas lançadas na partida foi o wide receiver, Jamison Crowder, que numa jogada “diferente” conseguiu um TD incrível de 43 jardas. Do lado dos Browns, Baker Mayfield não teve nenhum TD ou INT e terminou a partida com 278 jardas. O jogo terrestre foi fraco, com Nick Chubb e Kareem Hunt ambos abaixo de 30 jardas.

Por fim terminamos com Chicago Bears 41-17 frente aos Jacksonville Jaguars. Os Jaguars tinham um objetivo claro para este jogo, que era garantir a primeira escolha do próximo draft, tanto que fizeram a festa quando Mitchell Trubisky lançou o primeiro TD dos Bears do dia, porque foi assim que garantiram a primeira escolha. Foi uma festa para todos, algo invulgar, mas que se justifica com o terem garantido algo muito importante.

Desta forma, a grande vitória dos Bears deixou toda a gente feliz, mesmo os derrotados saíram do jogo muito alegres. Cairo Santos, kicker de Chicago, conseguiu o seu 26º field goal consecutivo e igualou o recorde da franquia estabelecido por Robbie Gould em novembro de 2006, mais um momento de alegria nesta partida.

Por esta semana é tudo, muito obrigado a todos os que viram o programa, a todos o que leram os artigos. Não percam o vídeo de gaming do Diogo e não percam nenhuma novidade do Espartano.

Chega assim ao fim mais um fim de semana dedicado às modalidades. Espero que todos estejam bem, que todos se cuidem.

Muito obrigado e até para a semana para mais três dias a dar voz às modalidades.  SL

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

O Espartano