Europeu e os problemas do bicho e da incompetência

Sejam bem-vindos. Depois do programa de ontem, vamos dar a devida continuidade a mais um fim de semana das modalidades aqui no Espartano.

Para este sábado, trazemos a atualidade do andebol com muitos jogos e ainda a atualidade nacional do futsal.

Muitos jogos, muitas emoções e, infelizmente, o constatar novamente dos problemas que estas modalidades enfrentam, principalmente no feminino, onde as nossas equipas e jogadoras vão sofrendo muito na pele o facto do desporto feminino ser o parente pobre em todas as modalidades.

Andebol

Para começar esta semana, vamos falar dos muitos jogos que foram marcando a atualidade do andebol até agora.

Começamos, claro, pelo Sporting que primeiro venceu o Sporting da Horta por 24-30, numa vitória depois do jogo na Suécia. Foi um regresso aos triunfos no campeonato com um jogo resolvido na primeira parte. Pior neste jogo, foi a segunda parte horrível da equipa. Tivemos a rotação e isso justifica alguma quebra na equipa, mas não justifica tudo. A equipa jogou muito mal na segunda parte com muitos erros, muitas faltas de concentração que não podiam nunca acontecer.

Depois de uma boa entrada, depois de um primeiro tempo em que estivemos muito agressivos, fazer um segundo tempo assim não podia nunca acontecer e já o vimos acontecer muitas vezes em tão poucas jornadas. Exemplo perfeito no nosso basquetebol que em momentos assim o professor Luís Magalhães “empurra” ainda mais a equipa para o ataque para que não existam faltas de concentração. No andebol já tivemos muitos jogos em que ficar a vencer com uma vantagem grande e acabar por fazer a equipa baixar o nível cedo demais é para lá do aceitável. Francisco Tavares foi a maior figura desta partida, mas foi bom ver o Salvador a ter mais tempo e, mesmo que por pouco tempo, deu para ver o Joel a central.

Depois desta vitória na Horta, recebemos o Nimes no Pavilhão João Rocha, num jogo que se adivinhava complicado e que ditou mesmo a nossa derrota por 26-30.

Num jogo em que estivemos mal, os franceses já iam sempre criar dificuldades, mas como se viu não eram uma equipa que não estivesse ao nosso alcance. A verdade é que estivemos mal em vários aspetos no jogo. Os franceses tinham ainda mais baixas do que nós, estavam mais cansados e, mesmo assim, foram mais competentes. Falhámos muito, foram mais remates aos postes do que defesas do Cudic e do Manuel Gaspar. A equipa não esteve bem, falhou na defesa principalmente a 9 metros e faltou agressividade, faltou muita coisa para que este jogo tivesse outro resultado.

Salvador, Valdes e Frankis foram os maiores destaques da nossa equipa. Francisco Tavares voltou a entrar bem, mesmo com algumas falhas na finalização. Frankis a abusar dos remates sem preparação e sem condições, com muitas precipitações. Os nossos guarda-redes estiveram abaixo do que é normal e do que estes jogos obrigam, tendo ditado mesmo esta derrota perante um Nimes complicado, mas mais do que acessível.

Dizer que faltam opções, que a época foi mal planeada até pelas contratações que vieram com “bicho” ou que precisamos de mudanças e de um projeto, é chover no molhado e é repetir novamente o que já tanto escrevi.

Atualidade nacional

Depois do Sporting, falar da atualidade nacional. Começamos pelo masculino, onde o jogo grande da jornada ditou uma vitória do FC Porto sobre o SL Benfica por 27-25. Para a surpresa de muitos, os dragões não atropelaram as águias e este jogo confirmou o que já se falou: o Benfica está em crescendo. Alguns jogadores demoraram para estar minimamente bem e por dentro da ideia da equipa, mas, como esperado, o tempo tem vindo a ajudar e, como se viu aqui, vão lutar mais de perto do que o esperado pelos dois primeiros lugares.

Sobre este jogo, destaco Miguel Martins que foi fundamental para a vitória do Porto, mesmo tendo entrado mal no jogo e ter estado abaixo na primeira parte do que ele por norma costuma fazer e como acabou por fazer na segunda parte. O salto do jogo do Porto foi a entrada de Sliskovic para a defesa. Sem dúvida foi aqui que o Porto conseguiu melhorar e disparar no jogo. André Gomes, mais uma vez, com um jogo abaixo. Este período menos bom do André não sei estará relacionado com os rumores de saída, se com outra coisa, mas o André acabou por novamente estar menos bem. Do lado do Porto um jogo abaixo do normal, mas, mesmo assim, uma exibição segura e de demonstração de que mesmo num jogo menos bom vencem. Do lado do Benfica, Sergey Hernandez sempre em destaque. Para além dele, Ole Rahmel e Djordjic estiveram mais uma vez muito bem. No coletivo, os encarnados conseguiram defender bem o 7×6 do Porto, foram talvez a melhor equipa a defender essa arma do Porto em Portugal neste ano.

O Porto acusa algum cansaço. Mais uma vez, assistiu-se a alguma descompressão da equipa e, onde além disso, o Porto esteve mais abaixo do que o normal, mas mesmo assim venceram, deixando claro que mesmo mal acabam por vencer. Ao Benfica, faltam mais opções, um pivot melhor, um outro bom central, entre vários outros, Sem competições europeias, conseguem ter tempo precioso para melhorarem a ideia de jogo.

Em outros jogos, em Setúbal ocorreu um duelo que deu a vitória do Águas Santas sobre o Vitória FC por 28-29. Foi um bom jogo de andebol com António Campos em grande na baliza do Águas Santas, com 31% de defesas.

O Vitória voltou a fazer um dos jogos em destaque nesta jornada. O Águas chegou a ter uma vantagem de 5 golos. Pedro Seabra Marques e Pedro Cruz estiveram muito bem e lideraram o Águas. No Vitória, o Gonçalo Grácio e Ruben Santos voltaram a ser os destaques. Ruben Santos é um ótimo jogador, carrega muito o Vitória no ataque, ele que é um jogador com muita técnica.  O Vitória que esteve atrás do marcador grande parte do jogo, conseguiu reduzir a desvantagem e acabou por só perder por um golo.

Na classificação, o Sporting segue líder com 34 pontos em 12 jogos, o Benfica em segundo com os mesmos pontos e, em terceiro, o Porto com 33 pontos com menos um jogo.

Na Taça de Portugal tivemos já um jogo. O Porto venceu o Boa-Hora por 24-35. Num jogo muito tranquilo por parte dos azuis, deu para ver mais de Spath e Miguel Alves. A vitória foi incontestável e sem nenhum tipo de problemas. Paulo Vinícius esteve em maior destaque no lado do Boa-hora com 8 pontos. Trata-se de um lateral brasileiro de valor que conseguiu aqui aproveitar para se mostrar novamente. Diogo Branquinho, com 8 golos, foi a figura maior da partida. André Gomes voltou a não jogar tão bem, é algo que se tem vindo a repetir ao longo de quase todos os jogos.

No feminino, não temos muitos jogos. Os últimos que ocorreram foram relativos à Taça de Portugal. Foram 3 jogos, em que destaco a vitória do Maiastars por 24-29 sobre o Feirense. Num bom jogo, o Maia teve na ponta Ana Silva a maior figura do jogo com 11 golos. O Maia sentiu como todas as equipas têm sentido a falta de jogos. Maria Cerqueira também esteve em evidência com 5 golos.

O outro jogo em destaque foi bem mais desnivelado. O ABC venceu o Mafra por 5-49. Neste jogo, as diferenças ficaram evidentes e foram notadas desde o primeiro momento de jogo. Oportunidade para mais jogadoras e quase todas marcaram. Joana Garcês esteve um pouco mais em evidência com 7 golos, Inês Laranjeira também marcou 7 golos, mas deu para ver mais algumas jogadoras como Ester Marques, uma central de 18 anos que marcou um golo e com este já é o seu 8 golo em 4 jogos, 3 deles na liga e este último na taça de Portugal. Um bom jogo do ABC e vitória tranquila como esperado.

Internacional

Na atualidade internacional, vamos começar por Espanha, onde o Barça segue invencível com 13 jogos só a ganhar e sem nenhum susto até agora. Este ultimo foi um triunfo por 27-41 sobre o Granollers com a equipa de Xavi Pascual a vencer sem chatices, mais uma vez. Barcelona teve em Dika Mem, com 9 golos, a maior figura. Para além dele, Thimothey N’Guessan e Àlex Pascual também estiveram em bom plano com 6 golos cada um. Luís Frade não jogou e, do lado dos derrotados, o pivot chileno Esteban Salinas foi a maior figura com 6 golos.

Além do Barcelona, os segundos classificados, o Bidasoa perdeu com o Puente Genil por 26-23 num jogo muito equilibrado até ao 15º minuto. Daí em diante, o Puente abriu uma vantagem e nunca mais a perdeu. O Bidasoa esteve sempre atrás do resultado e nunca conseguiu nem empatar a partida. Juan Castro e David Garcia foram os que mais se evidenciaram no Puente, mas o melhor marcador foi o ponta Kauldi Odriozola, jogador interessante que voltou a mostrar novamente mais de si, neste jogo foram 6 golos.

Para terminar por Espanha, o Logrono segue em terceiro com uma bela campanha inicial depois de terem neste último jogo vencido o Puerto Sagunto por 24-28. Num jogo que começou equilibrado, o Logrono assumiu a primeira vantagem, mas o Puerto não só empatou como passou para a frente e assim esteve até ao inicio da segunda parte. Ao minutos 35, o Logrono empatou. Depois, os 10 minutos seguintes foram sempre muito equilibrados até ao minuto 45, onde o Logrono assumiu a dianteira que nunca mais perdeu. Logrono soma assim mais uma vitória e segue numa boa série de 6 jogos só a ganhar.

Depois vamos a França, falar do Montpellier que venceu de forma muito clara o Chambéry por 42-27. Com um domínio inequívoco do princípio ao fim do jogo, o Montpellier desde o início colocou o seu domínio no jogo (7-1, ao 8º minuto), para então liderar por sete golos ao intervalo (20-13). Uma vantagem que só aumentou no segundo tempo, em que o Montpellier não abrandou e somou uma vitória bem tranquila. Com 6 golos, Benjamin Bataille brilhou, assim como Yanis Lenne (5 golos) e Benjamin Rochert com 7 golos.

Na classificação, o Montpellier com esta vitória conseguiu subir ao 2º lugar, enquanto o Chambéry se manteve em décimo primeiro. O Montpellier sobe a segundo, porque o Limoges perdeu frente ao Saint-Raphaël por 35-30.

O Limoges não começou bem e deixou mesmo a vantagem abrir, 13-9 ao minuto 19. Foram conseguindo segurar a vantagem que foi maior até ao intervalo, onde aí o resultado era de 27-22. Depois disso, uma grande entrada do Saint-Raphael que quis confirmar a vantagem. A toada do jogo nunca mudou e o Limoges acabou mesmo por perder o jogo e o segundo lugar. Os grandes destaques desta partida foram Raphaël Caucheteux, no ataque com 6 golos, e Alexandre Demaille, na baliza com 13 defesas e 32% de eficácia. Do lado do Limoges, a grande figura foi Micke Brasseleur com 10 golos.

Paris SG segue em primeiro com 18 pontos em 9 jogos, o Montpellier segue em segundo com 14 pontos em 8 jogos e em terceiro está agora o Limoges com 13 pontos em 11 jogos.

Depois de França, saltamos para as competições europeias. Na Champions League, o Barcelona foi vencer à Dinamarca o Aalborg por 32-35, talvez um dos jogos mais complicados para os Catalães neste ano. Mesmo assim, com as ausências e o jogo menos bem conseguido de algumas figuras, conseguiu vencer e segue sem perder. O Aalborg é uma equipa complicada, ainda mais em casa. Foi mais um bom jogo e nisso como sempre não nos podemos queixar. Com Vargas inspirado na baliza dos catalães e Aggefors do lado dos dinamarqueses, os guarda-redes de ambas as equipas tiveram boas exibições. No lado do Aalborg, destacou-se Christensen com uma exibição de alto nível nos jogos europeus. Christensen conseguiu 10 golos em 15 remates, assumiu o jogo da equipa e foi ele que, sempre que foi preciso, pegou no jogo e, por isso, te, sido o jogador com mais remates e com mais golos. Do lado do Barcelona esteve um Cindric em grande. É um jogador de quem eu sou particularmente fã e que neste jogo teve mais uma enorme exibição, não só pelos 5 golos, mas pela forma como liderou o Barcelona e assumiu o peso do jogo em momentos cruciais. Palmarsson esteve muito bem, pois foi o melhor marcador do Barcelona com 6 golos.

O outro jogo destaco foi a vitória do Flensburg por 26-24 frente ao Szeged. Os Alemães aumentaram o seu registo na Champions League, agora para 11-3. Uma boa vitória que acabou por ficar marcada pela lesão de Franz Semper que, mesmo assim, conseguiu 2 golos. Simon Hald e Jacob Heindl, uma dupla que esteve imparável e que começou cedo a mostrar ao que vinham, conseguiram uma vantagem de 4-2 aos 9 minutos. Com a defesa a 6-0, a dupla imparável e Buric na baliza foram os maiores responsáveis por esta vitória alemã. Além destes, Søgard Johannessen, com 7 golos, foi o melhor marcador deste jogo. Cañellas, do lado do Szeged, foi para mim a maior figura da equipa.

Destaco ainda a vitória do Veszprém sobre o Kiel por 41-33. Os húngaros foram muito melhores, foram superiores e não deram grandes chances aos Alemães que tiveram Sagosen abaixo de outros jogos. Nenadic foi a maior figura da partida deste jogo com 10 golos em 12 remates. Foi impressionante o jogo dele, foi a maior figura deste jogo, foi até mesmo o melhor jogador desta jornada europeia. Do lado alemão, Niclas Ekberg e Duvnjak foram os maiores destaques. O Sagosen, em 10 remates, conseguiu apenas 4 golos, num jogo menos bom de um dos melhores do mundo.

Classificação dos grupos da Champions:

https://ehfcl.eurohandball.com/men/2020-21/standings/#group-phase

Depois da Champions, vamos para a Liga Europa para falar de outros jogos para além do Sporting-Nimes.

Vou destacar dois bons jogos. O Fivers empatou a 33 com o Abanca. Foi, um jogo de qualidade na Áustria que deu esta divisão de pontos entre os austríacos e os Espanhóis. Um jogo que, como se pode ver pelo resultado, foi muito equilibrado. Foi, talvez, mesmo o melhor jogo desta jornada, até porque tivemos vários jogos desnivelados. Aqui, para além do equilíbrio, tivemos um bom jogo no ponto de vista tático que valeu muito a pena para quem viu esta partida. Erick Damböck foi o maior protagonista do lado austríaco pelos 7 golos, ele que tem sido um dos destaques nos austríacos e que não tardará a dar o salto para uma equipa de nível maior. Do lado espanhol, o ponta Perez Arce foi a maior figura, mais um jovem jogador que voltou, também, a estar em destaque num jogo europeu, desta vez foram 8 golos.

O outro jogo que destaco foi a vitória do Wisla Plock por 25-26 sobre o Toulouse, mais um jogo equilibrado. Os franceses estiveram a primeira parte toda ou empados ou a perder, nunca conseguiram assumir a liderança do marcador, isso só aconteceu já na segunda-parte. Llic marcou o golo que, na altura, ditou o 15-14 ao minuto 39. Foi aqui a primeira vez que os franceses estiveram na frente. Depois assistiu-se a muito equilíbrio, troca de lideranças no marcador e ao minuto 46 os franceses conseguiram mesmo abrir uma vantagem de dois golos, que foi mesmo a vantagem maior que conseguiram neste jogo. Depois disto, o Wisla empatou e passou para a frente. Sempre com muita luta e muito equilíbrio, o Wisla venceu com Leonardo Ferreira e Álvaro Ruiz Sanchez em maior evidência com 11 golos. No lado dos franceses, Sadou Ntanzi, com 8 golos, foi o maior destaque.

O Toulouse ainda só venceu 4 jogos em 13, não está a ser um bom ano e na liga europa só levam 2 vitórias em 6 jogos.

Classificações dos grupos:


https://ehfel.eurohandball.com/men/2020-21/standings/mKF-nVO-0a1TuaMVJVroGg/group-phase/

No feminino, nesta altura, o grande destaque é o Europeu que já começou e que já nos deu grandes momentos.

Algumas jogadoras de quem já falei muito aqui, como a Gros, estão em grande destaque. O que marcou este início para já, além dos bons golos e dos jogos entusiasmantes, foi a seleção da Sérvia que teve duas jogadoras a testar positivo. Todas as outras estão em isolamento e só hoje, sábado, é que vamos saber se mais jogadoras estão positivas ou se são só mesmo estes dois casos.

Falando dos jogos e começando por ordem. No grupo A tivemos já dois jogos com a França a vencer por 24-23 o Montenegro, num jogo mais complicado do que muitos esperavam para a seleção gaulesa. No outro jogo, a Dinamarca venceu sem problemas a Eslovénia por 30-23. A França venceu, mas sentiu dificuldades, num jogo com duas árbitras portuguesas, Vânia Sá e Maria Sá. As francesas até estiveram a perder durante vários momentos, incluindo ao intervalo onde perdiam por 11-12. Leynaud e Darleaux estiveram abaixo na baliza francesa, acabaram por não conseguir ter o rendimento que se esperava de ambas. Nenhuma jogadora gaulesa se destacou com mais golos, pois a distribuição foi entre quase todas as jogadoras. Várias jogadoras estiveram um pouco melhor, como a Laura Flippes ou a Niakate e, do lado das montenegrinas, Jovanka Radicevic e Majda Mehmedovic foram quem mais se destacou. São duas jogadoras que mostraram, a quem não as conhecia, a sua real capacidade.

O outro jogo, como disse, deu a vitória tranquila da Dinamarca sobre a Eslovénia, um 30-23 tranquilo que confirmou o que se esperava. A Dinamarca, mesmo com algumas ausências, não foi para o Europeu para deixar os créditos por mãos alheias e quiseram logo no primeiro jogo mostrar isso mesmo. Sandra Toft esteve muito bem na baliza das dinamarquesas, Lærke Nolsøe Pedersen com 6 golos e a Kristina Jörgensen com 5 golos e 4 assistências foram as jogadoras em maior destaque na Dinamarca. Do lado esloveno, além de Ana Gros, Natasa Ljepoja evidenciou-se com 5 golos. Bom jogo, com a Dinamarca sempre em controlo e conseguiram entrar com uma vitória e uma exibição segura.

No Grupo B, a República Checa entrou a perder com a Suécia por 27-23 e a Rússia, como esperado, venceu as Espanholas por 31-22. Na seleção sueca, destaco uma jogadora de quem sou fã, Linn Blohm que liderou a sua seleção nesta vitória com 5 golos e 3 assistências. Linn foi mesmo a melhor jogadora desta partida, mesmo com os 8 golos da checa Markéta Jerábková que se notabilizou por ser a âncora da sua seleção, principalmente a nível ofensivo, onde fez 16 dos 46 remates, para além de todo o jogo passar por ela.

No outro jogo, como se esperava, a Rússia venceu com várias jogadoras em bom plano. O jogo acabou por ser ainda mais tranquilo do que se podia esperar e deu para o selecionador, curiosamente espanhol, Ambrosio Martin, dar tempo a todas as jogadoras e quase todas marcaram. Vladlena Bobrovnikova foi a que assumiu maior protagonismo. Apesar de várias jogadoras terem marcado 4 golos, ela conseguiu ainda 7 assistências e uma das melhores exibições deste jogo. Do lado espanhol, o protagonismo foi todo de Nerea Pena, o que não surpreende, pois é uma jogadora absolutamente fantástica e que liderou o mais possível a sua seleção, mas foi insuficiente para que as espanholas conseguissem uma maior aproximação no resultado.

No Grupo C, apenas um jogo e, para surpresa de todos, a Hungria perdeu com a Croácia por 22-24. As Húngaras acabaram por não ter um bom jogo. As coisas não estão a funcionar e começaram mesmo com o pé esquerdo, não era de todo o que era previsível que acontecesse. O jogo, fruto dos erros das húngaras, foi bem mais equilibrado do que se esperava. Nas Húngaras, a melhor jogadora e a que mais tentou foi Katrin Gitta Klujber. Ela esteve incansável e conseguiu ser mesmo a melhor marcadora do jogo com 9 golos. Do lado Croata, uma Tea Pijevic quase impecável na baliza com 10 defesas, uma percentagem de 36%. Para além da Tea, Camila Micijevic, com 4 golos e 4 assistências, também esteve em destaque nesta partida, mas a seleção Croata funcionou muito melhor do que a da Hungria, com maior entreajuda para além de um coletivo mais forte.

Para terminar o andebol que já vai longo, vamos ao Grupo D, onde a Noruega venceu calmamente a Polónia e a Alemanha, mesmo com alguma dificuldade, venceu a Roménia.

O resultado foi de 35-22 que ditou a vitória da Noruega. Como esperado, não falharam e entraram a provar que estão em grande forma para confirmar o favoritismo que lhes é atribuído por muitos. Uma das minhas jogadoras favoritas, Nora Mørk, brilhou com 6 golos, mas para além dela, também, Henny Ella Reistad, com 6 golos e 2 assistências, esteve em grande plano, numa seleção norueguesa que se destacou pela qualidade de jogo. Do lado polaco, Marta Gega assumiu todo o protagonismo da seleção polaca com 6 golos e 4 assistências, sem dúvida a melhor jogadora polaca e a que vai carregar a seleção polaca o mais possível às costas.

No outro jogo, também como esperado, o equilíbrio reinou. Acabou por ser mais equilibrado do que se esperava, mas as alemãs não deixaram a vitória escapar, mesmo com algumas falhas que não são normais, como as que se viram nas pontas que, neste jogo, não estiveram tão bem. As romenas são boas jogadoras e a seleção joga bem. No lado alemão, destacou-se Julia Maidhof e do lado romeno, sem surpresa nenhuma, a estrela da companhia entrou em grande com uma exibição de encher o olho. Cristina Neagu marcou 4 golos e assistiu ainda 5 vezes. Ela tem todo o protagonismo nesta seleção e é bom ver que, além da boa forma que já trazia da boa época, vem focada e disposta a ser das melhores jogadoras para já nesta fase de grupos.

Classificações:


https://women2020.ehf-euro.com/schedule-results/final-tournament/vorrunde/group-a/

Futsal

Depois do andebol mudamos de bola e passamos de ter a bola nas mãos para passar ao brilho da bola nos pés pelos diversos pavilhões nacionais.

A nível nacional, temos de começar pelo Sporting. Depois do empate no dérbi, vencemos o Portimonense por 0-6, numa visita a Portimão para defrontar a equipa de um velho conhecido, Divanei, ele que, tal como Deo, não teve a devida despedida do Sporting, algo que devia sem dúvida ser alterado. Ambos merecem um jogo de despedida, mesmo que como rivais ou mesmo que um jogo de amigos no pavilhão João Rocha. Uma última partida para se despedirem dos adeptos que tanto os acarinham e por tudo o que ambos fizeram com o Leão rampante.

O jogo em si foi “nosso”. Jogamos como nos é característico, fomos dominantes, não falhámos como falhámos no jogo com o Benfica e fomos competentes, como não tínhamos sido no dérbi. O Portimonense é uma equipa complicada que jogou sem duas das maiores figuras, mas que mesmo assim ia sempre complicar. Caio Júnior e Miranda eram duas baixas de peso, principalmente o Caio que tem um grande peso nos homens de Portimão, mesmo assim o jogo em teoria iria ser complicado e foi a nossa qualidade e competência que o tornou naquilo que acabou por ser, uma vitória sem espinhas do Sporting. O 4-0 voltou a funcionar muito bem, até porque Rocha teve um jogo apagado, mas o Sporting soube jogar e fazer jogar, soubemos controlar o Portimonense que criou algum perigo, mas que esbarrou em Guitta. Boa vitória, bem mais tranquila do que se podia antever para este duelo, mas seguimos em primeiro com 34 pontos os mesmos que o Benfica.

Além do Sporting, na atualidade nacional, o Benfica venceu por 4-1 os Leões de Porto Salvo. Sem muito a dizer, os Leões de Ricardo Lobão conseguiram até mesmo marcar depois de sofrerem o 2-0. Usaram e estiveram muito tempo de jogo em situação de 5×4, tentaram aproveitar algumas das fragilidades apresentadas pelos encarnados a defender a situação de guarda-redes avançado, que já revelaram este ano. Foi um risco por parte dos Leões que quase conseguiam, mas a verdade é que o Benfica conseguiu sempre defender bem. O 4-0 em que o Benfica lançou de início Silvestre Ferrera e, sem Chiskala, coube a Robinho e a Tayebi serem os protagonistas, mas a verdade é que foram Artur e o Fits a saltarem do banco e a fazerem as maiores diferenças. Por outro lado, o momento polémico foi a expulsão do Jacaré que foi muito contestada, mas sem razão, pois Jacaré foi bem expulso.

Destaco ainda a vitória dos terceiros classificados, o Elétrico que venceu a Sanjoanense por 2-4. Um bom jogo em São João da Madeira com os alentejanos a levarem a melhor. Fuzo, além do golo, fez um bom jogo. André Correia, mais uma vez, muito bem na baliza e da Sanjoanense, não só pelo golo, mas pelo bom jogo, Xavier Moreira tem de ser destacado.

No feminino, tivemos um jogo na zona norte com o Águias de Santa Marta a perder com o Nun´Álvares por 2-6. Muitos jogos adiados e uma confusão de jogos e das jornadas. Este jogo da 4ª jornada e o Águias, como ,esperado não teve hipóteses. O Nun´Álvares entrou com tudo e aos 10 minutos já vencia por dois a zero, com golos de Cátia Morgado, que inaugurou o marcador, e ainda de Ana Pires a fixo que foi das figuras desta partida pelo bis que conseguiu. O primeiro golo do Aguias foi ao minuto 32, quando já perdiam por 4-0, conseguiram marcar ao minuto 32 e, logo de seguida, ao minuto 35. Um golo da Guarda-redes Catarina Martins que, para além do que defendeu, ainda marcou e o outro golo acabou por ser da pivot Joana Barbosa. A jogadora da partida foi Liana Alves, a pivot de 25 anos do Nun´Álvares, que marcou 3 golos e conseguiu, assim, ser a melhor neste jogo.

Nesta altura, na zona Norte, lidera o Santa Luzia com 7 pontos em 3 jogos, exatamente os mesmos do Nun´Álvares que segue em segundo com o Águias de Santa Marta logo em seguida com 6 pontos em 3 jogos.

Na Zona Sul, o Sporting recebeu e perdeu com o Arneiros por 1-3. Era um jogo em que sabíamos que iríamos sofrer e acabamos mesmo por perder. O Arneiros tem uma equipa forte e, mais uma vez, comprovou isso mesmo. Entrámos a perder, com um golo cedo do Arneiros por intermédio da fixo Claúdia Santos, ela que bisou nesta partida. A nossa capitã, Debora Venâncio, ainda reduziu ao minuto 27 para 2-1, mas 7 minutos depois o Arneiros voltava a marcar por intermédio da também fixo, Patrícia Lino. O Arneiros foi a melhor equipa e confirmou o favoritismo. Carolina Pedreira aos 18 anos vai se assumindo cada vez mais como a nossa melhor jogadora, pena não ter uma equipa mais forte para a ajudar a crescer, porque ela é realmente boa jogadora.

Ainda na Zona Sul, o Quinta dos Lombos venceu por 5-1 o Leões de Porto Salvo. O Quinta dos Lombos segue a sua caminhada até ao momento imaculada e tiveram, novamente, em Adriana Mendes a maior figura. A ala de 23 anos marcou 3 golos, segue como uma das jogadoras em maior evidência na nossa liga e já leva 6 golos. Destaco a Sofia Jesus, a pivot de 22 anos, que não só marcou como fez mais um belo jogo. Ela fez formação no Sporting, saiu para o Benfica e está nos Lombos a demonstrar muito do que se sabe sobre ela, que é uma pivot de muita qualidade. Do lado dos Leões, Cátia Tavares e Beatriz Silva foram os maiores destaques.

Na Zona Sul, o Quinta dos Lombos segue em primeiro com 12 pontos em 4 jogos, só sabem vencer, em segundo o Arneiros com 12 pontos em 5 jogos e em terceiro o Atlético Povoense com 6 pontos em 3 jogos. Sporting segue aflito com 3 pontos em 3 jogos, na 7ª posição. Somos penúltimos e precisamos de vencer os próximos jogos para pensar em passar à próxima fase.

Por este sábado é tudo. Ficamo-nos pela atualidade do andebol e do futsal

Espero que todos estejam bem, obrigado a quem lê e até amanhã para o último artigo de mais um fim de semana das modalidades aqui no Espartano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *