Ex-PMAG do SLBenfica, Rui Pereira, marca AGE Destitutiva… só que não!

Começamos este artigo por, muito brevemente, apresentar Rui Pereira: Ex-Director do SIS (Serviço de Informações de Segurança), ex-Secretário de Estado da Administração Interna, ex-Ministro da Administração Interna e ex–Presidente da Assembleia Geral do SLBenfica… por “lapso” quase não referia que Rui Pereira é membro da Maçonaria, mestre do Grande Oriente Lusitano, foi membro da loja maçónica Convergência e é past-venerável mestre da loja maçónica Nunes de Almeida.

Regressemos a 2018, mais precisamente a maio de 2018…

Depois do asqueroso ataque à Academia do Sporting Clube de Portugal em Alcochete, Rui Pereira, a esse tempo comentador residente da CM TV, prontamente veio a público, fazendo uso do espaço mediático que livremente lhe concediam, difundir a tese de que tal ataque se tratava de terrorismo… sim, leram bem, TERRORISMO. Tal argumentação foi amplamente divulgada, transmitida e repetida até à exaustão até que, alegadamente, a generalidade da população portuguesa engolisse a tese de terrorismo.

Permitam-me apenas uma questão intercalar: Rui Pereira é maçon? Deve-se, alegadamente, obediência na maçonaria? Continuemos…

Vejamos então excertos da análise de Rui Pereira a Alcochete e da tese de terrorismo:

“Na minha perspetiva é difícil recusar a classificação de acto terrorista, em termos jurídico-penais, do que fizeram estes adeptos que são verdadeiros energúmenos”.
“Nós temos aqui um conjunto de indivíduos que se decidiram a concertadamente praticar crimes contra a integridade física e a liberdade dos atletas para os intimidar e os obrigar a um certo comportamento. Não se pode excluir de maneira nenhuma a hipótese de haver aqui um crime de terrorismo”
.

Fonte: https://observador.pt/2018/05/16/encapuzados-de-alcochete-podem-ser-acusados-de-terrorismo/

Curioso é verificar que todas, repito, todas as intervenções de Rui Pereira tidas na CM TV a este propósito e outrora disponíveis no Youtube, se tenham evaporado. Coincidência não? Continuemos…

Mais tarde, já em 2019, a manta começa a ficar curta para cobrir a tese de Rui Pereira e começam-se a ouvir vozes em relação aquela que seria a sua, alegada, autoria, chegando inclusivamente a ser denominado de “pai” da imputação de terrorismo aos arguidos do processo de Alcochete. Vamos já agora esclarecer o significado de imputação…

“imputação”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/imputa%C3%A7%C3%A3o [consultado em 17-06-2021].

Daqui resulta a seguinte questão? Somos todos capazes de entender que ser, alegadamente, o “pai” de uma tese, qualquer que ela seja, é diferente de, alegadamente, ser o “pai” da imputação de crimes? Continuemos…

Todos nós ouvimos desde maio de 2018 inúmeras teses para “justificar” o que ocorreu em Alcochete mas, independentemente de algum dia se apurar, publicamente, toda a verdade, julgo que todos ouvimos (verdade ou não), em algum momento, envolver Luis Filipe Vieira e a maçonaria no ocorrido em Alcochete mas, continuemos…

Em outubro de 2020, LFV apresenta a sua candidatura à presidência do SL Benfica, onde imagine-se, surge Rui Pereira como candidato a Presidente da Mesa da Assembleia Geral do SL Benfica.

Fonte: https://www.record.pt/futebol/futebol-nacional/liga-nos/benfica/detalhe/conheca-todos-os-elementos-da-lista-de-luis-filipe-vieira-as-eleicoes-do-benfica

Para os mais atentos… este cargo oferecido a Rui Pereira por LFV foi (assinale com uma cruz a opção):

Qual surpresa quando no passado dia 12 de junho, nem um ano volvido da sua eleição, Rui Pereira apresenta a sua demissão do cargo de Presidente da Mesa da Assembleia Geral do SLBenfica, tornando-se público o seu pedido de demissão, do qual relevo os seguintes excertos:

“Faço-o por entender que o artigo 55º, números 3 e 4, me impõe o dever de convocar a reunião extraordinária da Assembleia Geral requerida por um conjunto de 334 sócios, que cumprem as disposições estatutárias previstas para o efeito e representam 11 060 votos.”

“… sempre assumi ser meu dever defender o superior interesse do Benfica e os direitos dos associados, cumprir os estatutos, garantir a solidariedade dos corpos sociais e respeitar a palavra dada.”

“Por verificar que não conto com o necessário apoio dos corpos sociais, e em particular do Presidente e da Direção, para a convocação da reunião extraordinária da Assembleia Geral, concluo que deixei de reunir essas condições, que considero cumulativas e imprescindíveis”.

E esta, alguém esperava? As “comadres” chatearam-se? Continuemos… para finalizar.

LFV encontra-se fragilizado social e desportivamente o que poderá significar, alegadamente, que os apoios e os meios de elevado poder onde outrora se movia, começam a desaparecer. A saída de Rui Pereira, dadas as suas íntimas ligações maçónicas, pode representar mais uma fenda na frágil embarcação que LFV, neste momento, navega.

Contudo, o que neste momento importa transmitir em exclusivo aos nossos leitores é que Rui Pereira, após demitir-se do cargo de PMAG do SLBenfica, acaba de marcar uma AGE destitutiva…só que não! Mas alguém imagina sequer que uma pessoa depois de se demitir, desempenhe actos para os quais já não se encontra mandatado??? Claro que nã…. SIM, bastando que, para tal, chamem Jaime Marta Soares.

Oh Jaiiiimmmmeeeeeee….!

Saudações Leoninas

Link para a última rubrica no canal d’O Espartano

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *