Gelo e a muralha Skok

Bem-vindos a todos. Mais um sábado de modalidades aqui no Espartano. Iniciamos ontem, como sempre, o nosso fim de semana desportivo. Hoje é o segundo dia e o menu de hoje vai trazer, andebol nacional, futebol feminino, F1 e, por fim, a estreia do hóquei no gelo. Espero que gostem e vamos a isso.

Andebol

Para iniciar este nosso sábado, vamos falar de andebol começando, claro, pelo Sporting que foi a França perder.

Depois da derrota no João Rocha e da vitória em Belém, o Sporting foi a França ser derrotado novamente pelo Nimes por 27-24. Mais uma vez, foram evidentes alguns problemas e fragilidades e, também, erros mais do que o permitido. Em casa perdemos por 4, fora foi por 3. Pelo caminho ajudamos novamente o guardião francês a brilhar. Téodor Paul, que nem titular nos franceses é, voltou a brilhar graças aos muitos remates mal preparados ou precipitados de alguns dos nossos jogadores que, assim, facilitaram o trabalho ao guardião do Nimes que foi o destaque com 37% de defesas. Entramos mal, novamente, precisávamos de uma entrada muito mais forte e isso não aconteceu. Tivemos no regresso do Skok algo que acabou por ser ainda mais importante do que o esperado, porque sabemos da qualidade de Skok e ele foi determinante neste jogo.

Tal como Maria Pinto Jorge escreveu “SKOK NÃO CHEGOU PARA A VITÓRIA”. Foi isto mesmo, uma exibição desinspirada de quase todos, vários jogadores novamente abaixo, falta de opções e um super Skok na nossa baliza a evitar que a derrota fosse mais volumosa do que foi. Os franceses voltaram a demonstrar que não são bichos papões e que podíamos e devíamos ter vencido os dois jogos contra eles. Continuamos com um jogo ofensivamente muito dependente de Frankis, Valdes e, também, de Salvador. Se um deles baixa de rendimento, sentimos muito isso. Para além destes que estiveram como sempre bem, destaco Francisco Tavares que se vai assumindo como uma peça fundamental, pois sempre que entra ajuda a equipa a melhorar. A qualidade do Francisco é conhecida e ele sempre que joga vai demonstrando que merece cada vez mais tempo de jogo.

Defendemos novamente mal a 9 metros, faltou agressividade, melhoramos defensivamente com o decorrer do jogo, mas mesmo assim não fomos defensivamente o que devíamos ter sido. No segundo tempo equilibrámos mais o jogo. A defesa ia subindo de rendimento, Skok ia parando quase tudo e Francisco que ao entrar animou a equipa. Equilibrámos, mas depois também falhamos muito na concretização, algo que se tinha visto no jogo anterior e quando estamos a este nível tantas falhas e erros custam caro.

Doroshchuk foi importante para a melhoria defensiva, faz muita a diferença, mas precisávamos de que ele fosse assim também no ataque. Sem um Rocha capaz de brilhar, Doro tinha de ser uma máquina no ataque e na defesa e não o é. Destacar ainda o Salvador que se vai assumindo como uma das pedras basilares da equipa, seja de início ou entrando com o decorrer do jogo. Salvador é muito bom e isso já nos sabíamos, mas nesta altura está a ser mesmo dos melhores. Skok foi o MVP, merecia dois prémios de MVP e liberdade para bater nos colegas quando erravam e deixavam tudo para ele defender e nem as segundas bolas conseguiam.

O jogo com o Benfica no próximo fim de semana foi adiado, o que foram notícias muito boas para nós, pois chegávamos cansados e com tudo para ter um mau jogo e com isso vamos enfrentar fora a boa equipa do Águas Santas, num jogo complicado que nos vai exigir muita concentração e muitos menos erros. Espero sinceramente que o Joel tenha mais tempo de jogo.

Depois do Sporting, vamos falar do Porto que aproveitou para colocar os jogos em dia. Foram 3 jogos em 4 dias. Começou com um 29-30 frente ao Avanca, depois 26-40 frente ao Gaia e um 40-21 frente ao Boavista. Duas vitórias fáceis que já eram presumíveis de acontecer, mas um jogo com o Avanca mais complicado do que o esperado, em que o cansaço e os muitos jogos pesaram, mas não foi só isso. O Avanca jogou muito bem.

No jogo com o Gaia, uma primeira-parte má e uma segunda onde melhoraram. Neste jogo, o maior destaque pela positiva voltou a ser o miúdo de 15 anos, Francisco Costa que é um enormíssimo jogador e já joga como se tivesse pelo menos uns 20 anos. Pela negativa, novamente André Gomes que voltou a ter um jogo desinspirado e muito mau, algo que, como escrevi na outra semana, se vem repetindo nos últimos jogos.

O jogo com o Boavista foi ainda mais tranquilo, entraram melhor e não tiveram uma parte “dada”. Novamente, o maior destaque foram os manos Costa, Martim e Francisco. Martim é um jogador de tanto talento, mas a verdade é que acaba muitas vezes “abafado” pelo irmão Francisco que aos 15 anos vai com várias ótimas exibições este ano.

No jogo com o Avanca foi um dia mau do Porto, muito também pelo ótimo jogo do Avanca que montou uma ótima estratégia. Ricardo Costa é muito bom treinador e teve em Luís Silva e, principalmente, em Gualther as maiores figuras.

Como ficou demonstrado, o Porto num dia mau pode perder com algumas equipas. O cansaço vai pesar cada vez mais e com alguns jogadores em sub-rendimento isto pode acontecer mais vezes. Mesmo assim e com dificuldades, o Porto venceu mesmo num jogo onde foram muito fraquinhos para aquilo que estamos habituados a ver desta equipa.

A nível nacional há a destacar os problemas do Vitória FC, uma das equipas que estava em destaque na nossa liga e que eu já tinha falado várias vezes. Como já tantas vezes aconteceu está com salários em atraso e já viu sair Bruno Rodrigues para o Anorthosis do Chipre. Repete-se o que já se viu tantas vezes em Setúbal em várias modalidades. O Vitória que perdeu com o Boavista por 28-24 agravando, assim, esta crise e o Boavista conseguiu aqui a sua primeira vitória este ano, surgindo, assim, um rasgo de luz na luta pela manutenção. Neste jogo do lado do Boavista destacaram-se Gonçalo Ferreira e Rui Oliveira e do lado do Vitória Gonçalo Grácio e o Ruben Santos, tal como em outros jogos anteriores.

No feminino, o Alavarium venceu o Colégio de Gaia por 25-16. A força e superioridade conhecidas transpareceram nesta partida, mais uma vitória para o Alavarium. Do lado do Colégio foi o segundo jogo na liga. Os últimos dois jogos tinham sido para as competições europeias onde perderam com o Remudas de Espanha. Desta vez, os maiores destaques foram Diana Oliveira, Carolina Monteiro e Carolina Justino que estiveram em grande destaque. Foram mesmo as maiores figuras desta partida. Do lado do Gaia, que é das equipas em pior situação com os muitos jogos adiados, a maior figura foi Helena Soares, uma pivot experiente que aqui mostrou essa experiência. Para  além da Helena, a ponta Patrícia Resende com 3 golos também esteve em destaque, mais uma jogadora da família Resende em bom plano.

Falar ainda do Juve Lis que venceu o Alpendorada por 23-20. A equipa de Leiria continua assim sem perder, são quatro vitórias seguidas. Já o Alpendorada perdeu neste que foi o seu segundo jogo. Neste jogo, as maiores figuras foram Barbara Ferreira e Maiara Monteiro com 7 golos do Juve e do lado do Alpendorada foram duas as jogadoras em maior destaque, a central de muita qualidade de apenas 21 anos, Sara Brás, e a ponta de 20 anos, Leonor Gonçalves. Foram 14 golos só nestas duas jovens de qualidade.

O último jogo com que terminamos o andebol por esta semana com foco apenas no nacional é entre o Benfica e o ABC, que as encarnadas venceram por 36-23. Foi o primeiro jogo desde o tempo da segunda divisão em que as encarnadas marcam tantos golos. Este foi um bom jogo e, mesmo com a ausência da Patrícia, o Benfica jogou bem, sendo um dos melhores jogos que fizeram em algum tempo. O ABC defendeu muito mal e não é a primeira vez que evidenciam tantos problemas na defesa. O Benfica, mesmo com o melhor jogo em algum tempo, não fez um jogo maravilhoso e sem erros, pelo contrário, mas o ABC defende mesmo muito mal.

As figuras da partida foram, claro, Rute Fernandes, a ponta do Benfica marcou 9 golos, ela que joga muito bem. Para além dela, Madalena Pereira, que aos 17 anos vai crescendo a olhos vistos, foi também ela um dos maiores destaques da partida. Do lado do ,ABC Joana Pissarra, lateral de 19 anos, com 5 golos e a Inês Duarte, pivot de 20 anos, foram as jogadoras mais desta partida.

Futebol Feminino

Chegamos agora ao futebol feminino, onde vamos começar por destacar Mariana Jaleca, uma médio portuguesa que salta do recém-promovido Damaiense para Itália, mais concretamente para o Orobica, da segunda divisão italiana. Falamos da segunda experiência da Mariana no estrangeiro, depois de no início da sua carreira ter jogado pela Universidade de St. Francis. Depois disso foi em crescendo de época para época, subindo um patamar a cada ano até chegar ao Estoril, onde se notabilizou nos últimos anos antes de nesta época ter saído para o Damaiense. As exibições foram tão boas que lhe valeram este salto para Itália. Esperamos que a Mariana consiga subir ainda mais e tenha todo o sucesso em Itália.

Depois deste destaque, vamos para os jogos começando pela Liga dos Campeões. O Benfica perdeu 5-0 com o Chelsea na primeira-mão dos 16-avos-de-final. Um jogo totalmente desequilibrado de sentido único, em que o Chelsea muito superior e, diga-se, o resultado não foi maior, porque as inglesas abrandaram e começaram a poupar a equipa. A diferença entre as equipas já era conhecida, pois estamos a falar de uma das melhores equipas do mundo, mas o Benfica tem dois milhões de orçamento, algo ao nível do Barcelona e Atlético de Madrid e isso devia fazer com que a equipa fosse melhor. Não sendo, fica difícil perante adversárias como este Chelsea que realmente dominou e controlou o jogo a seu belo proveito garantindo o conforto no jogo que lhes permitisse rodar a equipa.

Harder marcou um golo, ela que vai ser, quase de certeza, a vencedora do The Best desde ano. Do lado inglês, um coletivo muito forte e muito talento e do lado das encarnadas muitos problemas, desde a pressão, até à construção, passando pela saída e pela reação à perda de bola.  O Benfica está quase afastado. Sem muitas surpresas, as inglesas jogam muto bem e estão noutro patamar.

Em outros jogos na Champions, falamos, claro, da Fiorentina da nossa Claúdia Neto que empatou na primeira mão nos 16-avos-de-final da Liga dos Campeões a duas bolas com as checas do Slavia Praga. Um jogo em que a Fiorentina teve um ligeiro ascendente e onde a Claúdia voltou a ser titular, como tinha sido no fim-de-semana com o Milan. Desta vez voltou a ser substituída já depois do minuto 70. Num bom jogo da Claúdia, as italianas até marcaram primeiro com um golo da central irlandesa Louis Quinn, logo ao minuto 4. As jogadoras da equipa checa deram a volta já na segunda parte, mas as italianas até foram melhores, mas acabam por ir para a República Checa com um empate na bagagem.

Em outros jogos, e como esperado, o Wolfsburgo não teve problemas na visita à Servia para defrontar o Spartak Subotica. As alemãs venceram por 0-5 num jogo tranquilo confirmando, assim, o favoritismo para este jogo. As alemãs perderam Harder para o Chelsea e, assim, a missão de vencer a Champions complicou-se, elas que perderam 3 das últimas 5 finais da Champions para o Lyon, o mesmo Lyon que também venceu nesta primeira mão, um 2-3 sobre a Juventus. Foi como esperado um jogo complicado. Em teoria, era um dos melhores jogos nesta jornada e não defraudou as expetativas. Um ótimo jogo, com as francesas a garantirem a vitória já nos minutos finais com um golo da japonesa Saki Kumagai que deu assim o 2-3 final nesta primeira mão. As francesas estão em busca de revalidar o título conquistado.

Também o Barcelona venceu facilmente o PSV por 1-4. Este Barça joga muito e ainda mais quando Putellas ou Martens estão em dia sim. Além delas, a Hermoso marcou um golo e foi uma das figuras desta partida.

Para terminar a atualidade do futebol feminino, o Brasil temos novas campeãs. Eu já aqui tinha falado do bom jogo na primeira mão da final e agora vou falar do segundo. Como esperado, foi uma vitória do Corinthians sobre o Avaí por 4-2. O Corinthians é, assim, campeão do Brasileirão feminino. Esta foi a segunda conquista do Timão, que já havia vencido a competição em 2018.  Num ótimo jogo de futebol, o Corinthians foi melhor, teve mais jogo, tal como já havia tido na primeira mão, e desta vez apareceram mais golos. Foi um Corinthians ainda melhor mesmo sem Andressinha que ficou de fora por ter testado positivo horas antes da hora de jogo. Gabi Nunes fez um jogão e marcou um dos golos, a enorme Zanotti marcou duas vezes, ela que não sabe jogar mal e ainda destacar Ingryd. Do lado do Avaí, Lelê e Júlia que bem tentaram e que voltaram a fazer belos jogos. Ótimo jogo e mais que merecido este título para as ótimas jogadoras do Corinthians que jogam muito bem. 

F1

Na atualidade da F1, vamos para o último GP que nos deu a vitória de Sérgio Pérez num GP caótico em Sakhir, onde Russell brilhou e só não brilhou mais por um erro da Mercedes.

Perez foi de último a primeiro. George Russell com um arranque fenomenal assumiu desde logo a liderança na curva 1. Atrás Valtteri Bottas lutava com Max Verstappen e Sérgio Pérez. Depois um acidente entre os homens da Racing e da Red Bull, Verstappen e Leclerc, deixou-os de fora, depois de Leclerc ter tocado em Pérez. O mexicano fez pião, enquanto Verstappen e Leclerc foram atirados para fora de pista com o safety car a entrar em pista. Kimi Raikkonen ficou de fora e também devido a um peão. Nesta altura, Lando Norris ganhou nove posições e Carlos Sainz, que ganhou cinco lugares, chegava a terceiro. Russel ia-se afastando no primeiro lugar.

Na volta 10, Russel continuava na frente com dois segundos de vantagem para Bottas que já tinha deixado para trás Sainz. Bottas continuava a perder tempo para Russell e cometia cada vez mais erros, mas mais uma voltas à frente Bottas começava a responder e a encurtar a distância para Russell, que não demorou muito a responder e a fazer a melhor volta, num duelo à distância que começava a ser interessante.

As paragens nas boxes começavam em força na volta 27 e aí começou a definir-se a corrida. Sainz foi o primeiro do top 3 a parar com Ricciardo a ficar em pista e a assumir provisoriamente o terceiro lugar. O australiano parou uma volta depois, mas perdeu um lugar para Kvyat, que aproveitou o undercut para ficar à frente do Renault. Depois na volta 31, Russell começou a passar os atrasados e, além disso, aumentava para três segundos a vantagem sobre Bottas. Na volta 45, Russel parou nas boxes e queixou-se de falta de potência. As queixas continuaram mais umas voltas, mas ele ia mantendo a vantagem. Bottas parou na volta 49 e regressava à pista em segundo, mas a 8 segundos de Russell. Carlos Sainz regressava ao terceiro lugar, depois de todas as paragens terem sido feitas e tinha uma vantagem de 2 segundos para Kvyat. Na volta 55, Latifi ficou parado num lado da pista, começando assim período do virtual safety car. Vários tentaram aproveitar, mas quem o conseguiu foi Pérez que passava por Stroll e assumia o terceiro posto. As queixas de Russel de falta de potência nas retas começavam a materializar-se e a vantagem para Bottas era apenas de cinco segundos. Chegávamos então à volta 62, onde Aitken ficava sem asa com esta a ficar no meio da pista, obrigando assim a um novo virtual safety car, depois de uma saída de pista na última curva do circuito.

A entrada do safety car ditou o início dos problemas da Mercedes. Uma troca de pneus obrigou Bottas a ficar muito tempo parado e nem mudou de pneus. Russell voltou a entrar nas boxes, perdendo a liderança. Uma trapalhada que atirou Bottas para quarto e Russell para quinto. Pérez, Ocon e Stroll estavam no top 3. Depois, a corrida recomeçou com o Perez a sair muito bem na frente, enquanto Stroll ficou sob pressão de Bottas. A corrida continuou e Perez alargava a vantagem e Russell começava a pressionar Bottas fazendo a seguir uma ultrapassagem incrível sobre o seu colega de equipa.

Russell continuava a ganhar lugares, mas aí apareceu o infortúnio, pois um furo roubou a Russel a oportunidade de saborear o pódio. Pérez ficava com a liderança assegurada e o pódio ficava entregue a Ocon e Stroll. Russell não desistiu e lutou para conquistar os primeiros pontos da sua carreira, um fraco prémio de consolação. Pérez venceu na F1 pela primeira vez, Ocon subiu ao pódio pela primeira vez e a Racing Point deu um passo importante para assegurar o terceiro lugar. Sérgio Pérez voltou a realizar uma prova notável e não tinha ao seu dispor o melhor carro do plantel. O mexicano voltou a fazer milagres, depois de ter ficado em último na primeira volta, e ao longo da corrida foi subindo até à posição que lhe permitiu beneficiar dos problemas dos Mercedes. Fez mais do que se podia pedir. Assegurou a sua primeira vitória na F1.

Hóquei no Gelo

Para terminar, vamos estrear mais uma modalidade aqui. Depois do hóquei em patins de que já tanto falei, trago-vos agora o hóquei no gelo. Sem NHL vamo-nos concentrar no hóquei no gelo europeu.

Para começar esta viagem, vamos até à Polónia para falar do Krakow que perdeu, apesar do grande jogo do Luke Ferrara, por 2-4 com o Torun. Depois disso venceram o Sosnowiec por 4-1 com mais uma vez o Ferrara em grande e a voltar a marcar, ele que foi o melhor marcador em 2019/2020.

Na Áustria, o HCB Südtirol Alperia venceu dois dos últimos 3 jogos e subiu ao topo da classificação da ICE HL. Perderam 3-2 com o Vienna Capitals, ganharam 1-2 ao Moser Medical Graz99ers e, por fim, 2-5 ao Innsbruck.

Na Dinamarca, há a destacar o Esbjerg que venceu dois jogos seguidos jogando muito bem, com 1-5 sobre o Aalborg e depois 7-3 sobre o Rødovre, com Charles Corcoran a ser a maior figura destes jogos. A equipa vai seguindo, assim, em terceiro com 46 pontos atrás do Aalborg com 48 e do Rungsted que lidera com 49 pontos.

Por fim, vamos para a Rússia para falar do Amur 3-1 ao Vityaz, um grande jogo com duas equipas na luta pelos lugares de cima de cada uma das conferências. Amur teve um início rápido que ditou mesmo um golo nos primeiros momentos. A equipa mantive a toada do jogo até ao intervalo, sempre com muita velocidade. No regresso do intervalo, o 2-0 para o Amur, depois o Vitayaz melhorou e reduziu, mas a superioridade dos Tigres do Amur veio ao de cima de novo e firmaram o 3-1 final.

O outro jogo que falo é entre o Omsk e o CSKA. A equipa de Moscovo venceu por 1-4. O CSKA, mesmo abaixo dos últimos anos, venceu sem grandes problemas, mostrando mais qualidade que em jogos anteriores.

Por este sábado é tudo. Já sabem, amanhã ainda temos mais um artigo. Espero que estejam a gostar até agora. Um bom sábado para todos e obrigado a quem esta a ler e para quem viu ontem. O segundo dia do nosso fim de semana das modalidades no Espartano chega ao fim

Até amanhã para o último dia a dar voz às modalidades por esta semana. Bom sábado desportivo para todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *