Goleadas e intermitência nas redes

Dia 3 das nossas modalidades. Bem-vindos a todos, entrem e fiquem confortáveis, porque o nosso domingo das modalidades tem muitos acontecimentos e muitos jogos.

Para terminar a nossa semana, temos a seleção nacional no mundial de andebol, depois o futsal nacional e, por fim, o voleibol do Sporting. Espero que gostem e espero acima de tudo que todos estejam bem 😊

Andebol – Portugal no Mundial

Damos início ao nosso domingo com a atualidade do andebol. Portugal, infelizmente, acabou por ser eliminado do Mundial e, por isso, vou falar dos últimos jogos de Portugal.

O primeiro foi a vitória frente à Suíça por 29-33. Como referi na outra semana, tínhamos perdido com a Noruega num jogo complicado, em que o poderio norueguês tinha levado a melhor, mas mesmo assim demos luta até ao fim.

Com a Suíça demos um show de garra e de entrega. Vencemos e demonstramos que só iriamos cair num dia mau ou perante uma seleção bem mais forte. Os helvéticos contavam com um super André Schmid, enquanto que no nosso lado quem começou por criar muito perigo foi a dupla Miguel Martins-Iturriza. Viu-se um início de ataques de lado a lado a serem o fator diferencial, rápido e com uma troca de lideranças. Ambas no 6-0, tudo habitual aqui.

Um primeiro tempo com muito equilíbrio, velocidade e intensidade e sempre uma grande igualdade entre as duas seleções. Nós íamos sentindo mais problemas aos 6 metros. Era onde as coisas não iam funcionando tão bem para nós. Mesmo com tanto equilíbrio, a nossa seleção ia estando por cima e a prova disso foi o resultado ao intervalo que nos dava uma vantagem de 2 golos, 15-17 a nosso favor.

No segundo tempo mudámos o nosso jogo e passámos a estar mais agressivos. Humberto deu o ar da sua graça novamente, entrou com tudo e voltou a estar muito bem na nossa baliza. No ataque ia sendo Fábio Magalhães a fazer a diferença e com Rui Silva a ser o destaque no ataque. Com esta entrada tão forte conseguimos uma vantagem maior, mas os suíços responderam e conseguiram voltar a equilibrar tudo.

Uma das peças mais importantes nesta segunda-parte foi Salina que se assumiu como um dos melhores, com grande protagonismo e que ajudou muito a seleção a vencer este duelo com os Suíços.

A 10 minutos do fim podíamos ter acabado com o jogo. Com a vantagem de 4 e o domínio do jogo, podíamos ter arrumado com tudo, mas seguiram-se muitos erros. Foi um acumular de erros, falhas, turnovers que levaram a Suíça a reaproximar-se no resultado e, com isso, a discutir mais a partida.

Com os erros, Paulo Pereira voltou a demonstrar o que já tinha demonstrado, um dedo e uma precisão de mexer na equipa na altura certa. Com isso voltámos a estar melhor e a segurar mais o jogo. Deixámos de acumular de erros e passámos a gerir e a controlar o jogo.

Conseguimos, assim vencer os suíços e acabar bem a partida e vencer estes helvéticos que nos deram muita água pela barba, mas que soubemos sempre contornar tudo o que nos iam criando. Iturriza com sete golos e Fábio Magalhães com seis foram as nossas maiores figuras, mas Humberto voltou a assumir um grande protagonismo.

No jogo seguinte, infelizmente, foi o jogo do adeus ao mundial com uma derrota com a França por 23-32.

Tínhamos obrigatoriamente de vencer e sem errar, pois não havia margem para erros e só podíamos ser perfeitos. Pois bem, não fomos e acabámos eliminados.

Entramos até melhor, foi uma boa entrada nossa, estivemos um pouco por cima e com vantagem no jogo, mas não demorou muito para o poderio francês aparecer no jogo e tomar as rédeas da partida, colocando Portugal numa posição delicada e com muitos problemas.

Dika Mem e Timothey N’Guessan estiveram em dia sim, muito fortes e com exibições, a roçarem a perfeição e, com isso tudo, ficou mais complicado para nós. Paulo Pereira bem tentou, mas as soluções falhavam e não conseguíamos anular os franceses.

A nossa defesa falhou, no ataque íamos estando demasiados precipitados na hora de finalizar e esses erros ia-nos custando uma desvantagem cada vez maior. Tivemos uma melhoria a dez minutos do intervalo, quando os franceses baixaram um pouco o ritmo e com isso reduzimos a desvantagem para apenas um, a desvantagem mais curta que tínhamos em muitos minutos. Esta reaproximação foi muito pelo jogo de alto nível de André Gomes e Miguel Martins, os principais responsáveis por Portugal se ter reaproximado. Mesmo assim, estávamos com falhas a mais para um jogo que tínhamos de vencer.

Sem grandes problemas, os franceses voltaram a assumir uma vantagem de 4 golos e foi com essa diferença que chegaram ao intervalo. 12-16 era o resultado ao intervalo. Muito bem os franceses e no nosso lado nem André Gomes a brilhar ia conseguindo que ficássemos mais perto.

Na segunda parte foi ainda pior, pois a desvantagem foi se avolumando. Tínhamos que entrar ainda melhor e deixar as falhas para trás e esperar que os franceses quebrassem, mas a verdade é que entrámos piores ainda. Tivemos mais falhas e erros e os franceses, no segundo tempo, estiveram ainda melhores e mais fortes, aumentando naturalmente a vantagem e garantindo cedo a vitória. Algumas mudanças demoraram demais a chegar, como Humberto que entrou tarde demais. Os franceses foram muito mais fortes e em relação a isso não podemos dizer nada.

O resultado final foi de 23-32 e chegou assim ao fim o sonho tuga no mundial. Foi uma campanha muito honrosa, que deu para mostrar a força desta seleção para quem ainda tinha dúvidas. Deu para calar e mostrar que temos alguns jogadores de alto nível e de qualidade mundial, desde Quintana a Rui Silva, passando por Miguel Marins e por outros. Temos jogadores demasiado desvalorizados a nível europeu e que neste mundial mostraram a todos que têm de contar connosco, pois esta seleção está só a começar e vai brilhar muito em europeus e mundiais. Vamos dar muitos problemas às seleções super favoritas que já puderam ver que Portugal deixou de ser uma seleção menor.

Neste jogo com a França, há a destacar Miguel Martins que voltou a ser a nossa maior figura com 6 golos.

Em relação ao mundial é hoje, neste domingo que tudo fica decidido. Para a semana posso falar mais, fazer um rescaldo, mas tem sido um mundial com muitas surpresas.

A final entre Suécia e a Dinamarca tem tudo para ser um jogão e espero eu que não percam este grande jogo.

Futsal Nacional

Nada melhor que ir ao futsal, ainda mais para falar de vitórias do Sporting.

No futsal masculino, o Sporting recebeu e venceu o Braga por 9-0. Foi o nosso melhor jogo até ao momento. Uma entrada em grande com um domínio da nossa equipa que soube controlar tudo. Foi realmente o nosso melhor jogo, porque jogámos bem do princípio ao fim, mesmo quando reduzimos a velocidade do nosso jogo, mantivemos a segurança e a concentração. Gostei muito deste jogo, pois deu para ver mais do que havíamos de ter feito em outros jogos.  Foi uma goleada, com controlo do jogo e total domínio. Foi um atropelo do primeiro ao último minuto.

Além do Sporting, o Benfica venceu o Candoso por 6-2 com Marco Tavares na baliza dos encarnados, uma aposta no jovem guardião. Foi um jogo em que o Benfica não forçou nada, controlou sempre e a não ter de forçar quase nada. Chiskala foi o seu melhor jogador, é muito craque. Jacaré está ter uma evolução cada vez mais evidente, mas mesmo assim os problemas defensivos estiveram bem evidentes, mesmo com ritmo baixo, mesmo sem problemas. É preciso muito pouco para que a equipa sofra e passe pior. Qualquer coisa e a equipa treme e fica muito frágil

Há a destacar ainda o bom jogo entre os Leões de Porto Salvo que receberam e perderam com o Fundão por 2-3. O Fundão, depois da goleada frente a nós, reagiu da melhor forma, com mais um bom jogo. Os leões sempre bem, fizeram mais um bom jogo, mas desta vez acabaram por perder. Dura fez mais um bom jogo, marcou e, mais uma vez, destacou-se em mais um bom jogo. O Fundão esteve muito bem com o Jair e Mário Freitas em bom plano. Foi um duelo equilibrado com o Fundão a levar a melhor. Um ótimo jogo de futsal.

Na classificação, o Sporting lidera com 53 pontos, os mesmos que o Benfica em segundo e em terceiro está o Modicus com 35 pontos.

No feminino, o Sporting ganhou por 4-1 o Póvoa, na nossa visita à Póvoa de Varzim, e ontem vencemos o Golpilheira no Pavilhão João Rocha por 3-1. Foram dois ótimos jogos onde entrámos bem. Num a Golpilheira marcou primeiro, noutro o jogo foi bem diferente, pois o Póvoa só marcou já no final. O Sporting a jogar bem nas duas partidas, sempre por cima, com mais domínio, mais oportunidades, com poucos erros e, mesmo sofrendo dois golos, as nossas vitórias foram sem problemas e ambas podiam mesmo até ter sido maiores, com mais golos.

Estas duas equipas mereciam ter mais apoio. Volto a frisar, mesmo na zona de manutenção, a equipa nunca desiste, jogaram bem e mereciam mais apoio de todos, mereciam muito mais atenção de todos.

Nos outros jogos da nossa fase de manutenção, destaco o Chaves que venceu o Lusitânia de Lourosa por 2-6. Destaco esta equipa de Rute Carvalho mais uma vez numa vitoria tranquila e mais uma boa exibição. Nady Brito em grande forma voltou a mostrar toda a sua qualidade, marcando 4 golos.

Na zona de campeão, o Benfica venceu por 6-1 o Nun´Álvares num jogo supercontrolado das encarnadas, em que demostraram toda a superioridade, toda a qualidade e nem mesmo uma equipa que se tem vindo a destacar pela boa época conseguiu fazer frente a um Benfica tão forte e tão dominante. O Santa Luzia venceu os Leões de Porto Salvo por 5-2, com a Faria a marcar dois golos e Ana Sofia Ferreira a estar sempre bem com aquele golo da praxe. Do lado dos Leões, Barbara Gomes também se destacou com 1 golo.

Na classificação, o Benfica lidera com 3 pontos, Santa Luzia também com 3 pontos m segundo e em terceiro segue o Vermoim com 1 ponto.

Voleibol Sporting

Para terminar o nosso domingo e os nossos 3 dias, vamos ao Voleibol para falar do voleibol do Sporting.

Vamos começar pelo feminino que venceu no domingo passado o Braga por 3-0, com os parciais de 25-14, 25-19 e 25-21. Recebemos e vencemos sem grandes problemas as minhotas. O jogo não teve muita história, pois a diferença entre as equipas era conhecida. O Sporting mesmo rodando está em outro patamar e a diferença ficou também demonstrada em campo, mesmo com muitas falhas, algumas até a mais do que o normal nesta nossa equipa.

Foi uma entrada forte e um primeiro set que conseguimos vencer “facilmente”, sem grandes falhas, um set em que a nossa força foi evidente e a diferença para o Braga esteve muito à vista de todos.

Cristiana entrou muito bem, Daniana também voltou a estar muito bem, entrou bem e voltou a mostrar o seu jogo.

No segundo set houve maior rotação, mas continuamos bem, continuamos sem errar muito e mesmo sem acelerar muito, mesmo sem a Gabriella estar num dos melhores dias, mesmo sem um super jogo, a nossa vantagem foi natural e o segundo set também foi muito natural.

No terceiro set foi um pouco diferente. Mister Rui Costa rodou muito a equipa e o equilíbrio foi maior. Muitas jogadoras estavam a “pedir” mais temo de jogo e tiveram-no, mas nem todas aproveitaram da melhor maneira. Tivemos mais problemas, mais erros e podíamos ter perdido o set. Mas foi aí que a reentrada da Vanessa Paquete e Ana Couto mudou tudo e ajudou-nos a vencer. Ana Couto, mesmo de olhos fechados, faz a diferença. A entrada da Paquete também foi muito importante.

O outro jogo realizou-se foi ontem, onde fomos até ao pavilhão Acácio Rosa vencer o Belenenses por 3-0 com os parciais de 20-25, 24-26 e 16-25. Mais uma vitória, mais um jogo, onde sem acelerar vencemos e sem ser preciso muito conseguimos vencer.

Vencemos bem, mas não foi o nosso melhor jogo, mas também não foi necessário. Beatriz, Amanda, Daniana, Aline, Cristiana e a Barbara foram as apostas para jogarem de início, mais tempo e titularidade para jogadoras que tem vindo a pedir esses minutos e neste jogo tiveram-no.

Não foi o melhor set, pois revelou alguns problemas na ligação entre Barbara e Beatriz. Mesmo com os erros a mais, vencemos o primeiro set.

Amanda foi aposta no segundo set com maior equilíbrio e maiores dificuldades. Vencemos, mas foi mais um set onde entrámos mal, estivemos a perder e onde estivemos mais tempo atrás neste set e acabámos por vencer de forma mais aprestada.

No último set, a entrada da Gabriella fez a diferença para que a nossa vitória fosse mais confortável. O set foi nosso, em que dominámos mais e em que vencemos de forma mais confortável.

Já no outro jogo, o mister Rui Costa tinha falado que as jogadoras estavam descontentes, que era algo que ele até gostava, mas neste jogo tiveram maus tempo e nem todas souberam aproveitar para se mostrarem e para deixarem mais evidente que merecem mais tempo. Algumas não estão na melhor fase, mas mesmo assim o mister Rui Costa soube gerir bem a situação.

Na classificação lidera a AJM com 57 pontos, Sporting em segundo com 51 pontos e menos dois jogos, em terceiro o Leixões com 50.

No masculino vencemos o Viana por 3-0 com os parciais de 12-5, 8-25 e 19-25. Foi talvez o nosso melhor jogo com o bloco e o serviço a funcionarem e a ligação entre Bruno e PV funcionar também. Vítor Hugo fez um bom jogo. Eder Levi teve mais tempo de jogo e a equipa ganha muito com isso. Foi um bom reforço e é pena tudo o que lhe aconteceu, dá para ver como a equipa rende mais com ele.

Vencemos em Viana do Castelo contra uma das equipas mais fortes e que podia criar-nos mais problemas, mas a verdade é que soubemos contornar tudo, não demos margem e vencemos sem problemas.

Neste jogo, não há razões para criticar a equipa, a equipa funcionou no seu todos, a nossa ideia funcionou, o mister Gersinho soube rodar a equipa, as substituições foram no momento ideal e depois tudo correu bem. Uma ótima entrada, um domínio no jogo, com controlo e muita qualidade da nossa equipa.

No jogo seguinte, o segundo e último que vou falar hoje, foi ontem frente ao Sporting de Espinho. Vencemos por 3-1 no pavilhão João Rocha com os parciais de 25-23, 21-25, 25-23 e 25-22.

O primeiro set foi o nosso pior, com uma má entrada, onde errámos mais e onde acabámos mesmo por perder.

Nos sets seguintes, mesmo com erros, fomos conseguindo vencer com mais ou menos dificuldades. O Espinho criou-nos mais problemas do que o Viana, como era esperado, e a nossa equipa não funcionou tão bem como no jogo passado.

Com mais problemas na distribuição, nem Bruno e ainda menos Maia conseguiram funcionar. Houve muitas bolas baixas, muitas falhas, muitos erros e mesmo o nosso bloco não funcionou tão bem.

Surgiu a vitória, verdade que nesta altura isso é sempre o mais importante. O jogo era mais complicado e já sabíamos que ia ser assim, mas a verdade é que jogámos bem pior com muitos mais erros. PV esteve menos no jogo, Vítor Hugo esteve bem e até acabámos o jogo sem distribuidor, porque no final tivemos uma confusão com as substituições e já não deu para entrar o Miguel Maia. Renan foi então o distribuidor que não esteve mal e até esteve melhor do que os colegas.

Vencemos com erros e problemas, bem abaixo do que podíamos esperar e do que devíamos ter apresentado. Não gostei das falhas novamente nos distribuidores. Vencemos e realmente mesmo assim é o melhor.

O Benfica lidera com 18 pontos, Fonte Bastardo em segundo também com 18 pontos e em terceiro estamos nós com 17 pontos.

Por este domingo é tudo. Obrigado a todos os que leram, terminámos assim os nossos três dias das modalidades no Espartano. Espero que estejam todos bem, cuidem-se e obrigado a quem vê os vídeos e a quem lê cada artigo.

Muito obrigado, um ótimo domingo e até para a semana para mais três dias das modalidades e para mais uma entrevista com mais um craque das nossas modalidades.

Obrigado e saúde para todos!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *