Grupos, Grupinhos e Grupetas

Era uma vez, um conjunto de ilustres sócios do Sporting Clube de Portugal que, do alto de toda a sua sabedoria, conhecimento e capacidade dos demais, tinham como propósito gerir os destinos do clube, indicando Presidentes da Assembleia Geral, Conselho Directivo e Conselho Fiscal, fazendo os mesmos seguir o caminho previamente delineado por esses tais notáveis.

Os demais Sócios eram assim privados de ter parte activa na vida do seu clube do coração, servindo “apenas ” para encher estádios por todo país, apoiar as equipas do clube e comprar camisolas. Os chamados clientes do clube dos notáveis.

Tudo corria bem, até que…

Algures na história, esse mesmo grupo de notáveis que vinha governando o “seu” clube a belo prazer, viu os poderes reduzidos, passando a ser meramente um órgão “consultivo”. Mas os tais notáveis não se conformaram com a perda de poderes e passaram a agir na sombra, longe dos holofotes mediáticos que o Sporting Clube de Portugal lhes proporcionava.

Fazendo uso das suas capacidades e habilidades na vida pública, o tal órgão “consultivo” ia minando e derrubando direcções que não eram coniventes com as suas directrizes gerais, tornando assim o clube refém das suas vontades e devaneios.

Eis quando que…

No dia 17 de Fevereiro de 2018, é aprovada pela maioria dos Sócios (87.3%) a extinção desse tal órgão “consultivo” em Assembleia Geral.  Era então a oficialização da queda definitiva de um “Status” que há muito geria nas sombras os destinos do Sporting Clube de Portugal.

23 de Junho de 2018,

A direcção regente que tinha levado a sufrágio a extinção do tal órgão consultivo, cai…

Aos dias de hoje assistimos a uma polaridade infinita de grupos, grupinhos e grupetas, quais feiras de vaidades, que se dedicam a “pensar o Sporting” escondidos na sombra do anonimato à espera de uma oportunidade para voltarem a abrilhantarem as suas vidas através do Sporting Clube de Portugal. Muitos com nomes pomposos, futurísticos, filosóficos e até poéticos são liderados pelos tais notáveis outrora afastados do palco mediático, minando o trabalho de quem ocupa a cadeira de sonho, à espera que a oportunidade chegue…

A discussão de ideias e visões é algo saudável e que demonstra a vitalidade de um clube, mas em sede própria como são os casos das Assembleias Gerais ou eventos criados pelo clube onde a ordem de trabalhos visa a discussão de visões estratégicas para o futuro do Sporting Clube de Portugal. Assim fora das sombras, dos bastidores e do Anonimato se “Pensa o Sporting”.

Termino com a frase que aos dias de hoje da vida do Sporting faz mais sentido:

“Não perguntes o que pode o Sporting fazer por ti…

Pergunta antes o que podes fazer tu pelo Sporting”

Rui Rigueiro

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *