À conversa com Rui Ferreira

O podcast desta semana decorreu num ritmo diferente.

O nosso convidado foi Rui Ferreira, também conhecido pelo “gajo dos vídeos”. Ficámos a saber porque filma os vídeos no carro, o que o motiva a fazê-lo e, claro como não poderia deixar de ser, falou-se sobre a actualidade do Sporting Clube de Portugal.

Os patrocínios e trabalhar no Sporting

Rui Ferreira sempre recusou propostas de patrocínio para o seu canal. Considera que se tivesse patrocínios, o seu trabalho perderia a sua essência e a sua credibilidade. As pessoas poderiam pensar que o faria por dinheiro e não por paixão.

O mesmo aconteceria se deixasse de filmar os vídeos e aparecesse a trabalhar no Sporting. Por conhecer o universo sportinguista que Rui Ferreira muito dificilmente se verá a trabalhar no clube, pois poderia implicar enquadrar-se em algo de que não poderia gostar.

A Divisão no Clube / A Destituição e a falta de alternativas

Rui Ferreira continua a surpreender-se com as divisões existentes no clube. Os mais incompetentes são os que mais beneficiam da divisão, pois podem reinar mais facilmente. Talvez por isso, o adepto sportinguista quando olha para a frente não veja um candidato.

Por norma, os Sportinguistas votam num candidato, em vez de votarem numa equipa e num projecto. E actualmente, as pessoas com “peso” na vida do Sporting não querem marcar a sua posição, não querem fazer oposição. Mas Rui Ferreira chamou a atenção para o facto de que durante a quarentena não se poder atacar o clube, mas que este período pode estar a ser aproveitado pelo CD para preparar aquilo que irá ser feito depois.

As Claques

Rui Ferreira prefere estar com as claques e identifica-se em pleno com o ambiente das claques, considerando-o como um ambiente sem filtro. A bem ou mal, não estão a fazer frete.

Demonstrou, também, a sua admiração pela capacidade demonstrada pelas claques em não cederem à pressão dos últimos meses e que cada vez mais pessoas estão a aderir às claques, cuja realidade apenas conheciam daquilo que a comunicação social conta ou não.

A Destituição / “Brunistas” / Eleições transparentes

A destituição de Junho de 2018 foi muito importante para o futuro politico do clube. As pessoas aprenderam a olhar para a realidade do clube de uma forma diferente. Não concorda com a tendência para se dividir os adeptos em 2 pólos: os que são a favor de Varandas e os que são contra Varandas e estes últimos são rotulados de brunistas.

Rui Ferreira é a favor de eleições transparentes. Se Bruno de Carvalho tivesse tido a oportunidade de ir a eleições em 2018, a aceitação das pessoas para presente realidade seria diferente. Considera difícil que Bruno de Carvalho concorra a eleições. Mas se concorrer, ele e todos os candidatos terão de obrigatoriamente partir em pé de igualdade.

Sportinguismo

Um sócio com um dia ou 100 anos não é mais sócio do que os outros, mas há que respeitar o que as pessoas fizeram durante a sua vida de associativismo. Vê como quase impossível a alteração do estatuto dos sócios mais velhos.

Bruno de Carvalho

Rui Ferreira não votaria Bruno de Carvalho por causa de erros diferentes daqueles que lhe são apontados pelo adepto comum, mas elogiou as suas qualidades de aglomerador e de galvanizador, para além da sua extraordinária capacidade de negociação.

A Venda da SAD

Discorda da venda da SAD, pois para Rui Ferreira perde-se a essência do que é o Sporting Clube de Portugal. Entende o porquê de se querer que o clube tenha um dono, porque assim deixa-se de poder fazer o que se quer do clube.

As Ameaças

Já recebeu muitas ameaças sérias pelas suas opiniões, tendo passado por momentos difíceis. No entanto, prefere não entrar em guerras e não responder a essas ameaças. É incompreensível o ódio que existe entre Sportinguistas.

O Futuro do Clube

Rui Ferreira questiona-se se ainda teremos clube. Ainda não estará preto no branco a venda do clube, mas estará para breve.

Revejam o podcast aqui:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *