Laranja de qualidade e uma entrada em falso

Bem-vindos ao nosso domingo, o terceiro e último dia das modalidades aqui no Espartano.

Para terminar em beleza, vamos ao basquetebol nacional, com total foco nas nossas ligas masculinas e femininas e, claro, para o Sporting. Depois do basquetebol vamos para o jogo do Sporting no futebol feminino.

Basquetebol Nacional

Basquetebol masculino

Vamos iniciar este domingo com a atualidade do basquetebol, priorizando o Sporting sempre.

O Sporting venceu o FC Galitos por 99-61. Continuamos invitos, com 15 vitórias consecutivas, e a jogar muito bem como se viu neste jogo.

Começámos a segunda volta da melhor maneira, o jogo não ia ser fácil, o Galitos tinham surpreendido o Benfica e não podíamos esperar facilidades. A verdade é que acabámos por vencer com muito conforto, muito porque o Galitos demorou para entrar em jogo com os 32-5 deste primeiro período a mostrarem isso mesmo. O Sporting entrou com tudo anulando o Galitos e impedindo que eles pudessem fazer o que fizeram com o Benfica. Para além da nossa entrada muito forte, o Galitos não entrou e só conseguiram 5 pontos. Voltámos a não ter um acerto muito grande da linha de três, mas começámos muito fortes. Foi uma ótima entrada da nossa equipa, sempre com o Fields a dominar e o Ventura a continuar a boa forma dos últimos jogos. Mas íamos vencendo, íamos fugindo cada vez mais no marcador, travámos muitos ataques, mas o Galitos demorou muito para mostrar alguma coisa, demoraram mesmo muito para entrar. Já no nosso caso, foi desde o primeiro segundo a dominar.

Um primeiro período sem grande história, com um Sporting muito mais forte, o Galitos não jogou, apenas conseguiu aqueles 5 pontinhos, sendo que desses 3 foram de lances livres, algo muito raro, uma diferença bem pouco comum.

No segundo período, o professor Luís Magalhães rodou a equipa toda, deu tempo de jogo a quem também merece e nem sempre consegue ter esse tempo. Shakir, Catarino e Diogo Araújo tiveram um período para mostrar mais, mas este período foi do Claúdio Fonseca que dominou e esteve em alta com um total de 14 pontos neste período. Claúdio é um pouco o patinho feio, por vezes com muita injustiça. Neste período foi mesmo isso que se viu, um Fonseca em grande e a demonstrar mais do que por vezes consegue.

Perdemos este segundo período (21-24), mas mesmo assim continuámos com uma vantagem de 24 pontos.

Para o terceiro período, o professor Luís Magalhães voltou a apostar nos norte-americanos e, com isso, voltámos a fugir no marcador, vencemos mesmo este período por 25-20, mais um período por cima, mais um período superconfortável. Bom período de vários jogadores, mas tal como o Fonseca se tinha destacado no período anterior, neste foi o Shakir, o reforço que nem sempre se vai impondo, que conseguiu mostrar mais, em mais tempo de jogo e conseguiu 10 pontos. Com três triplos do melhor que ele fez desde que chegou.

No último período fugimos ainda mais. Vencemos por 21-12. Aqui aposta de Luís Magalhães foi nos tugas que deram conta do recado e se superiorizaram. O jogo interior fez toda a diferença, primeiro com Fields e depois com Claúdio e mesmo o Cândido Sá voltou a estar bem. Embaló também esteve bem neste jogo com 4 pontos, mas foram Shakir e Claúdio que mais se evidenciaram neste jogo com 14 e 22 pontos, respetivamente.

Boa vitória, continuamos líderes e invictos. Hoje jogamos com o Maia em mais um jogo em que temos tudo para vencer de forma muito confortável.

Depois do Sporting falar do Porto que venceu o Póvoa por 86-61 para a Taça de Portugal e a Académica por 115-65 para a liga.

O primeiro jogo para a Taça, nada há a dizer a qualidade veio ao de cima e mesmo com as terceiras e quartas linhas o Porto venceu. Há a destacar o ótimo trabalho que o professor José Ricardo está a fazer no Póvoa, muitos jovens jogadores portugueses, uma equipa interessante para uma realidade de divisão inferior, ainda mais por esta aposta real em jovens jogadores.

O marcador com 43-36 ao intervalo mostrou o Porto com muitos facilitismos, principalmente na primeira parte. Na segunda já acordou, com mais intensidade na defesa e no ataque. Riley regressou neste jogo, mostrando que já estava recuperado. O Porto venceu bem e mesmo a facilitar muito venceram sem grandes problemas.

No jogo seguinte, venceram a Académica com um ótimo jogo. Do lado da Académica houve vários destaques, mas o principal vai para Daniel Relvão, primeiro porque já foi jogador dos dragões e isso é sempre especial e depois porque passou por um calvário com muitos problemas físicos, muitas lesões e mostrou que está recuperado e a jogar a um bom nível. Amarante fez mais um ótimo jogo, 14 pontos com 4 em 5 da linha de três. Apesar de por vezes esquecido, Amarante é dos melhores atiradores da liga, tem uma capacidade física muito grande e é raro o jogo que joga mal, além disso é o jogador com melhor % de 3PT do campeonato. É aqui que se vê como ele não lhe é dado o devido valor.

Mas sem muito a dizer deste jogo, o domínio foi do Porto que só levantou mais o pé no último período, onde acabaram por perder por 19-21 para os estudantes, mas nada de mais, nada que preocupasse a vantagem que era grande e a vitória estava mais do que assegurada.

Com uma ótima entrada em jogo com 28-10 no primeiro período, um regresso do intervalo onde arrumaram com o jogo e 34-17 no terceiro período fizeram toda a diferença para o jogo. O Porto esteve bem mais forte, bem mais capaz e sem deixar dúvidas neste jogo. Riley com 17 pontos foi o maior destaque, mas Amarante, Pedro Pinto e Tanner, todos com 14 pontos, também foram grandes destaques. Do lado dos estudantes, o base Ashford Golden com 24 pontos, 2 ressaltos, 1 assistência e 2 roubos de bola foi quem mais se evidenciou nesta partida.

Depois falar do Benfica que venceu o Barreirense por 110-82 para a Taça de Portugal e o CAB Madeira por 104-67 para a Liga.

Dois jogos dominados pelos encarnados, em que venceram todos os períodos, em que puderam rodar a equipa, dar tempo aos reforços e às segundas e terceiras linhas. Uma coisa que já ficou comprovada, Bryce Alford é de longe o melhor reforço. Tal como eu disse quando ele veio, é o único que é jogador de alto nível sem deixar dúvidas, os outros vêm com alguns problemas físicos. É um jogador muito inteligente, muito bom a defender, ótimo atirador, é craque e já o sabíamos e está desde o primeiro jogo a mostrar que vem para brilhar na liga.

Neste jogo, os destaques foram Cameron Jackson com 23 pontos e, para além de Alford, Fábio Lima com 18 pontos. Do lado do Barreirense, Miguel Correia com 20 pontos, 4 em 7 de lançamentos de campo e também 4 em 7 da linha de três pontos, além de 3 ressaltos, 3 assistências e 1 roubo de bola. Trata-se de um base de 20 anos de muita qualidade, um base para palcos maiores e já está farto de mostrar isso mesmo. Depois no jogo com o CAB Gomes, Miguel Correia com 23 pontos e novamente Alford com 22 foram os maiores destaques dos encarnados.

Os triplos caíram nestes dois jogos, na Taça 17 em 37 (46%) e no jogo com o CAB foram 20 em 37(51%) e, sendo a ideia de jogo assente neste momento de jogo, quando elas entram tudo corre bem. Além disso, Alford penetra muito bem e compensa com a inteligência muitos erros de alguns colegas como Lisboa ou Arnette que, neste momento, são dos jogadores em pior forma no lado dos encarnados.

Destacar a vitória da Oliveirense na liga frente à Ovarense por 97-77, num jogo seguro da equipa de Oliveira de Azeméis que até perdeu o segundo período, mas soube dar a volta e vencer o jogo. Destacaram-se no terceiro período onde abriram uma vantagem maior, fruto do 29-13 neste terceiro período. A Oliveirense melhorou com os reforços e já não está tão intermitente como no início da época. Alguns jogadores foram erros, coisas que acontecem, e os novos reforços encaixaram bem melhor na ideia de Norberto Alves.

Neste jogo, Justin Alston esteve novamente em destaque, com 24 pontos e, para além dele, José Barbosa esteve muito bem, foi dos melhores jogos dele esta época, não só porque apareceu como sempre a assistir os colgas, como também pontuou, foram 12 pontos e 10 assistências. Barbosa é grande, é um base de alto nível e mostrou isso mesmo novamente neste jogo. Os dois “Joões”, Balseiro e Guerreiro voltaram a estar muito bem com 14 e 17 pontos, respetivamente. São dois dos melhores tugas da liga e que não sabem jogar mal. Do lado do Ovarense destaque para o poste Chris Mcknight, que no seu segundo jogo na equipa destacou-se com 18 pontos, 4 em 7 da linha de três pontos. Este jogador que vem de boas ligas, com bons números e que se vai destacar muito nesta equipa da Ovarense.

Na classificação, o Sporting lidera com 28 pontos, O Porto está logo atrás com 27 pontos e em terceiro o Benfica com 25.

Basquetebol feminino

Vamos então para a liga Skoiy. As nossas jogadoras voltaram a ter mais uma jornada com vários ótimos jogos.

Começamos pelo Quinta dos Lombos que venceu o Vagos por 54-60. Num ótimo jogo, os Lombos venceram, mas para o fazer tiveram de suar muito. Com um 13-11 equilibrado no primeiro período, o Vagos assumiu a vantagem que perdeu no segundo período e foi aqui que os Lombos começaram a evidenciar-se e a ganhar alguma vantagem, mas no terceiro período o Vagos atropelou os Lombos por 21-11. Um período tão mau dos Lombos não é comum, que recuperaram no último período ao vencer por 4-13. Foi um jogo inconstante das duas equipas, deram do melhor ao pior em poucos minutos, deram espetáculo e depois deixaram muito a desejar.

Nos Lombos, foi um mau jogo da Raphaella e a equipa ressentiu-se muito disso e foi Leonor Paisana, base de 18 anos, a assumir mais protagonismo com 12 pontos e 1 assistência e ainda a Carolina Cruz que saltou do banco para ser preponderante. A poste de 19 anos anotou 18 pontos, 1 assistência e 9 ressaltos e foi fundamental para compensar o mau jogo da Raphaella. Do lado do Vagos, a melhor como em quase todos os jogos, foi Maria Blazejewski desta vez foram 20 pontos, 6 assistências e 8 ressaltos. A norte-americana voltou a estar em alta e a brilhar muito nesta partida, é uma jogadora para vôos mais altos e para outros patamares a nível europeu. E ainda Susana Carvalheira, poste de 21 , que esteve em evidência, com 10 pontos e 3 ressaltos.

Depois falar do GDESSA que venceu o Olivais por 61-48. O último jogo do GDESSA tinha sido a derrota com o União Sportiva e elas tentavam aqui dar a volta a isto. Conseguiram-no com uma vitória bem mais tranquila sobre o Olivais que, mesmo fortes, estão abaixo de outros anos.

O GDESSA entrou muito bem, venceu de forma muito convincente no primeiro período por 18-6, nada a dizer aqui e venceram de uma forma tão clara que esta vantagem e a rotação fizeram com que a equipa baixasse um pouco os níveis de concentração, o que permitiu o Olivais vencer o segundo período por 12-18. Nada que colocasse em causa a vitória do GDESSA que venceu os dois períodos seguintes, com o quarto a ser o mais equilibrado. Nada a dizer, este GDESSA, como eu estou farto de falar, é das melhores equipas, das que joga melhor e das que raramente faz maus jogos. Mesmo os maus períodos são raros e isso é fruto muito de Miguel Minhava, um treinador de qualidade, e de uma equipa muito homogénea, muito forte e com muita qualidade, onde a experiência e a juventude se mesclam da melhor forma.

Foi uma vitória segura e sem nada a dizer do GDESSA. Aline Moura novamente em destaque, muito bom jogo da poste brasileira, que também é jogadora para outro nível competitivo, mas que aqui conseguiu 22 pontos, 7 ressaltos e 3 assistências. Jennifer Nonato também se destacou com 14 pontos e 5 ressaltos e ainda Márcia Costa (Spoiler: atenção à Márcia que vai aparecer no Espartano ahah) com 10 pontos, 7 ressaltos e 2 assistências.

Do lado do Olivais, a poste norte-americana brilharam Kendrian Elliot com 17 pontos e 5 ressaltos, Teyjah Oliver com 10 pontos e ainda Joana Amaro, que foi a jogadora que jogou menos do lado do Olivais, mas mesmo assim a base de 17 anos conseguiu em 14 minutos mostrar muito da sua qualidade com 5 pontos, 1 assistências e 3 roubos de bola. É para se ficar atento, porque é uma jogadora de muito valor para o futuro.

Depois falar do Benfica com dois jogos diferentes, o primeiro para a Taça de Portugal, em que venceram o Esgueira por 47-63. Nada a dizer mesmo com as poupanças a diferença era grande e foi notória com o decorrer da partida. Foi uma ótima entrada, depois baixaram o nível e o mister Eugénio rodou ainda mais e o Esgueira conseguiu mostrar mais e vencer o segundo período por 12-10.

O regresso dos balneários foi com um Benfica muito forte que quis mostrar bem mais e venceram por 9-24, um atropelo enorme e acabaram assim com o jogo.

No jogo do dia a seguir, já a contar para a Liga Skoiy, as benfiquistas foram surpreendidas pelo Guifões e perderam por 69-67. O Benfica só venceu o último período, com o equilíbrio a reinar do primeiro ao último minuto, mas sempre como o Guifões a ter um grande ascendente.

As cinco iniciais do Guifões jogaram o jogo quase todo, com pouca rotação, mas elas corresponderam e mesmo quebrando um pouco no final, não foi o suficiente para impedir a vitória.

A poste mexicana Myriam Ackerman esteve em alta, registando 17 pontos, 10 ressaltos e 3 assistências. Para além dela, a base Taneka Rubin voltou a encantar com 18 pontos, 11 ressaltos e 3 assistências. Do lado encarnado, Atila e Japonica estiveram muito bem, combinaram um total de 33 pontos, voltaram a não desiludir e a liderar o Benfica. Só que as outras jogadoras acabaram por ter um jogo abaixo perante um Guifões tão forte que nem o bom jogo das duas norte-americanas foi suficiente. A melhor jogadora foi Laura Ferreira com 16 pontos, 3 ressaltos e 1 assistência

Foi um jogo menos bom das encarnadas que sentiram muitos problemas com esta equipa do Guifões que soube trocar jogadoras e apostou na mexicana, Myriam, que nestes três primeiros jogos entrou com tudo.

Por fim para terminar a já longa atualidade sobre o basquetebol, vamos falar do União Sportiva que perdeu o último jogo frente ao Vitória por 75-62.

As vimaranenses provaram o porquê de serem uma das melhores equipas e o porquê de seguirem na segunda posição. Foi um ótimo jogo de basquetebol, em que o Sportiva acabou por perder, bem diferente do que tinha sido no jogo anterior em que tinham ganho para a Taça.

No jogo para a Taça de Portugal derrotaram o Galitos por 43-83. Os segundo e terceiro períodos foram os mais desequilibrados, com 7-23 no segundo e 4-20 no terceiro e foi aqui que o Sportiva “fugiu” no marcador. Sportiva esteve mais forte, já se sabia e só o confirmaram. O jogo teve sentido único e não teve grande história.

Em grande plano esteve Aliyah Mazyok, com 23 pontos, e Raquel Laneiro com 14 que já foi aqui muito destacada. É uma base de 20 anos que eu gosto bastante, joga sempre muito bem e, neste jogo em 20 minutos, conseguiu 14 pontos, 2 ressaltos, 2 assistências e ainda 3 roubos de bola.

No lado do Galitos, Whisper Fisher com 12 pontos foi quem mais tentou e quem mais se mostrou neste jogo.

Na Liga Skoiy, a liderança é da Quinta dos Lombos com 23 pontos, os mesmos que as segundas classificadas do Vitória SC e em terceiras o Benfica com 21 pontos, mas com menos um jogo.

Futebol Feminino Sporting

Para terminar este domingo, vamos falar do jogo do Sporting a contar para fase de apuramento de campeã, que foi iniciada pelas nossas leoas com um empate perante o Famalicão.

Um jogo cheio de polémicas e que terminou com um empate a 2.

Em primeiro lugar, um reparo grande, a Federação precisa urgentemente de investir nas arbitragens, se no futebol masculino é o que é, no feminino é ainda pior, como se viu hoje. Existem muitos problemas nas arbitragens no nosso futebol feminino. Um jogo entre duas das equipas mais fortes tinha de ter uma árbitra FIFA e não foi o caso. Os erros foram demais, já eram demais para um jogo amador, mas para este nível foi ainda pior.

Começámos mal o jogo, com muita pressão e intensidade do Famalicão que nos ia criando muitos problemas. O primeiro golo foi da lateral direito Maurine que, com um remate de fora da área fortíssimo, marcou o primeiro golo do Famalicão. Não nos ficámos e fomos atrás, criámos logo perigo, respondemos muito bem e fomos assumindo mais o jogo.

Como quem não marca sofre, ainda mais perante uma equipa tão forte como este Famalicão, sofremos o segundo. Não só porque não marcámos, como fomos roubados, isto porque a senhora árbitra numa falta de fora da área da Bruna Costa sobre Mylene Freitas, viu um penalti que ninguém consegue escrutinar. Foi claramente fora, não existem grande dúvidas. A verdade é que as jogadoras do Famalicão alheias a isso foram e marcaram a grande penalidade através da Vitória Almeida, uma das melhores jogadoras da nossa liga, que não tremeu perante a Inês e marcou o seu 13º golo em 10 jogos nesta temporada.

No segundo tempo, a mister Susana Cova mudou. O intervalo fez bem à equipa que entrou muito melhor. Ainda tivemos um susto quando a Vitória apareceu na cara da Inês, mas a nossa guardiã esteve mais que à altura e defendeu com grande classe.

Pouco depois e através de um livre de Nevena, exemplarmente cobrado pela nossa capitã, conseguimos reduzir. Este golo só nos fez melhorar, assumimos ainda mais o jogo, melhorámos ainda mais e, mesmo com alguns lances mal decididos pela equipa de arbitragem, chegámos ao segundo golo, através da de uma grande penalidade cobrada pela nossa capitã que assim bisava.

Ainda tentámos, continuámos por cima, mas não conseguimos entrar mais nenhuma vez no forte do Famalicão que, com menos uma jogadora, fechou-se e fez de tudo para segurar este empate.

Entrada em falso das nossas leoas que, mesmo sem fazer um jogo perfeito jogaram bem e foram bastante prejudicadas por uma arbitragem fraca e sem nível para uma primeira divisão.

Famalicão e Sporting lideram assim com 1 ponto cada a Liga BPI.

Chegamos ao fim dos nossos 3 dias das modalidades com 2 vídeos e 2 artigos.

Espero que tenham gostado da entrevista com a Rita Batista, porque como se pode ver eu gostei muito e foi muito boa.

Espero que tenham gostado do vídeo semanal e que tenham gostado destes dois artigos.

Obrigado a quem lê, a quem vê e a quem envia o seu feedback.

Espero que todos estejam bem, mais uma vez tudo complicado, por isso cuidem-se e tenham um bom domingo.

Obrigado e até para a semana, para mais 4 dias a dar voz às modalidades.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

O Espartano