Leoas de Raça e Magia da Bola

Bem-vindos.

Ora venham daí para o nosso último dia no Espartano a dar voz às modalidades. Para este domingo o menu é basquetebol nacional, muitos jogos neste nosso menu que termina com o voleibol do Sporting, também no masculino e no feminino, mas como em outras semanas com foco no feminino. Venham daí que temos muita coisa boa.

Basquetebol Nacional

Para iniciar o nosso domingo nada melhor do que falar do basquetebol. Vamos começar por Portugal e, mais concretamente, com o basquetebol do Sporting que foi até à cidade da Maia vencer o Maia por 71-95, em mais uma enorme vitória da nossa equipa.

Uma ótima entrada tal como tinha acontecido com o Galitos, com mais minutos a alguns jogadores que por norma são suplentes, e com 10-26 num parcial de alto nível no primeiro período

No segundo período, houve, como seria de esperar, ainda mais rotação e maior equilíbrio com 17-20 para nós. Mesmo com menos rendimento vencemos este segundo período.

O terceiro período foi o mais animado, pois o Maia tentou recuperar e reentrar na partida, e muito bem, deu para animar e para ver bem a força desta nossa equipa. Mais um parcial para nós, desta vez 23-30.

No quarto período, foi onde estivemos pior. Houve mais equilíbrio e o Maia acabou por vencer e com justiça este período com um parcial de 21-19. Mesmo com muita rotação, o Sporting esteve muito forte no jogo interior, destacando-se, mais uma vez, Cláudio Fonseca, ele que por vezes é tido como um jogador fraco, mas a verdade é que vai rendendo sempre. Neste jogo voltou a ser quem melhor aproveitou a rotação, mesmo lidando com a força do Maia. Fields, mesmo descansando, foi o maior pontuador com 18 pontos, depois tivemos o Cláudio com 17 e Travante e Ellisor com 14 pontos cada.

Do lado do Maia, o destaque voltou a ser Romani Hansen, um bom jogador este poste, que conseguiu 15 pontos, 1 assistência, 4 ressaltos, 1 abafo e 3 roubos de bola, mais um bom jogo.

Depois deste jogo tivemos a meio da semana o duelo com o CAB Madeira. Foi mais uma vitória e esta de forma ainda mais inequívoca por 104-69. Uma vitória marcada pela estreia de Micah Downs, o nosso novo reforço, o único para já nas modalidades. Micah Downs jogou a 3, substituindo o Ellisor. Os dois podem jogar, acredito que o possam vir a fazer por muitas vezes, mas para estreia Micah jogou a 3 como rotação de Ellisor, algo que era tao necessário nesta nossa equipa. Micah pode também jogar a 4, por isso com o tempo vai assumir um protagonismo ainda maior, para fazer descansar duas das nossas peças mais importantes e para ser aquele jogador que pode andar entre a titularidade e o saltar do banco para render e fazer a diferença. Micah é craque, começou com 5 pontos, 1 assistência, 2 ressaltos e 1 roubo de bola, tudo isto em 17:25 minutos, com 1 em 5 da linha de três pontos e 1 em 3 de lançamentos de campo. Uma boa estreia para Micah.

São agora 16 jogos, 16 vitórias, não perdemos a nível nacional desde 18 de janeiro de 2018, quando fomos derrotados na Taça Hugo Santos pela Oliveirense. A nível global não perdemos desde a derrota com o Igokea para a Liga dos Campeões a 25 de setembro de 2020.

Neste jogo e mesmo com a rotação, o Sporting foi demolidor com uma entrada ainda mais forte do que com o Galitos e o Maia. No terceiro período entrámos ainda melhor e foi aí que conseguimos mesmo “arrumar” o jogo. Uma eficácia de 51% em lançamentos de campo, em triplos foram 9 em 29, uma eficácia de 31%, melhor que em outros jogos anteriores.

Uma vitória tranquila sem nada a dizer, continuamos invictos e vamos com tudo para a bolha da EuropeCup, que vai ser difícil e onde temos hipóteses.

O Porto venceu o Vitória SC por 62-74. Mais uma exibição sólida do Porto que ficou marcada pela lesão do Riley. Ganharam todos os períodos, estiveram bem coletivamente com uma boa defesa, principalmente no último período.

Tanner continua em crescendo, a jogar cada vez mais e melhor. Gordon e Eric também sempre a melhorar e Tinsley a jogar mais uma vez muito bem.

Surpreendeu o Amarante jogar tão pouco, principalmente em detrimento de Pedro Pinto, que neste momento não está numa boa fase. Tinsley foi o maior pontuador deste jogo com 14 pontos e do lado do Vitória a maior figura foi Jaron Hopkins com 18 pontos, 3 ressaltos, 2 assistências e 5 roubos de bola.

Já o Benfica perdeu com o Imortal por 93-86 em Albufeira. Os encarnados voltaram a ser surpreendidos, neste caso foi ainda pior do que com o Galitos, isto porque o Benfica tinha uma vantagem de 20 pontos ao intervalo, mas depois descarrilou tudo.

O Imortal soube mudar e impor o seu jogo. Este Imortal joga muito bem, é uma equipa a praticar muito bom basquetebol e muito assente em DJ Fenner que é 70% desta equipa. Como eu já disse muitas vezes é jogador para outros palcos.

A verdade é que o Imortal chegava a este jogo depois de uma viagem aos Açores com apenas 4 estadunidenses e com alguns cansados e mesmo assim jogaram muito. Bryce Alford foi a maior figura dos encarnados, o novo reforço confirmou o porquê de ter sido o reforço que melhor encaixou na equipa. É um bom jogador e o atleta mais nesta equipa, que conseguiu neste jogo 23 pontos.

Benfica a defender mal, sem jogo interior e o uso do small ball é para lá do que é visto em qualquer equipa. Um jogo baseado apenas nos triplos e quando eles não caem, o que é normal porque a equipa parece pouco trabalhada e com a moral em baixo, o Benfica é apenas uma equipa à deriva, sem fio de jogo, com mau basquetebol, muito enfadonho e com jogadores muito perdidos. O pouco que vão conseguindo fazer é em cima dos talentos individuais.

DJ Fenner, como disse, foi o maior destaque individual deste jogo. Com 33 pontos, carregou a equipa, ainda mais do que já o faz devido às lesões e ao cansaço dos colegas. Além dos pontos, conseguiu ainda 3 assistências e 8 ressaltos.

Depois desta derrota, o Benfica recebeu e venceu a Académica de Coimbra por 115-78, confirmando o que disse: com mais acerto nos triplos e a equipa rende mais.

Foi um jogo diferente, claro. A Académica não tem o nível do Imortal, mas mesmo assim criou perigos mais do que o esperado atendendo à diferença entre as equipas. Com 18 em 36 de bolas da linha de três pontos, 50% nos triplos, 12 perdas de bola e na defesa permitiram 14 ressaltos ofensivos, mas mesmo com uma vitória mais tranquila, a equipa sofreu mais do que esperado. Erros a mais para uma equipa assim e basicamente ficou resolvido no 1º período com Alford e Betinho a rebentarem sozinhos com a Académica. Daí que a confiança era outra e a Académica também não defendeu grande coisa.

Betinho com 24 pontos, Bryce com 23 pontos, do lado do Benfica e do lado da Académica, Ashford Golden com 24 pontos e Josh Mcnair com 22 pontos, foram as maiores figuras deste jogo.  

Na liga Placard o Sporting lidera com 32 pontos, Porto segue em segundo com 29 pontos, em terceiro está o Benfica com 28 pontos.

No feminino houve muitos jogos adiados e algumas equipas como o Sportiva vão sentindo mais dificuldades. Mas vamos aos jogos.

O Benfica recebeu e venceu o GDESSA por 68-61, num duelo entre duas equipas candidatas a vencer o campeonato. Foi um duelo de bom basquetebol, com duas equipas fortes que lutaram do princípio ao fim com muita entrega.

Apareceu a Japonica e o jogo interior do Benfica funcionou, isto porque o jogo interior das encarnadas está muito dependente da Japonica, que neste jogo voltou a jogar bem e com isso o Benfica teve um ligeiro ascendente na luta pelas tabelas.

O GDESSA foi superior no jogo exterior, 33% nos triplos contra 28% do Benfica. Eu gostei deste jogo, houve muito equilíbrio e as duas equipas estão a jogar muito bem. Este GDESSA, como a Márcia disse na nossa entrevista, quer vencer o título e está a fazer de tudo para o fazer. A equipa orientada por Miguel Minhava está forte e provou isso mesmo neste jogo, causando grandes problemas ao Benfica.

Além da Japonica, do lado do Benfica destacou-se ainda Laura Ferreira, a extremo que está em grande forma e neste jogo brilhou, mais uma vez. 22 pontos para a Japonica e para a Laura. Do lado do GDESSA, a Márcia foi fundamental na defesa e voltou a jogar muito bem, mas Maianca Umabano foi a maior figura com 26 pontos e 6 ressaltos. Aline Moura com 11 pontos, 12 ressaltos, 3 assistências e 2 roubos de bola, voltou a ser uma protagonista. Foi um bom jogo, com o jogo interior, ou seja, a Japonica, a fazer a diferença para esta vitória do Benfica.

Depois falar do União Sportiva que venceu o Galitos por 96-72, que quebrou num terceiro período com maior rotação, aí o Galitos venceu, mas o Sportiva esteve sempre no controlo do jogo e deu mais uma boa exibição a quem viu este jogo. A equipa do Sportiva foi superior em quase tudo com várias jogadoras em destaque, mais concretamente Nausia com 26 pontos. Também Nasrin com 22, Ana Ramos com 12 e Gabriella Paula com 16 estiveram em destaque. 50% em lançamentos de campo e 52% em triplos diz bem da superioridade desta equipa.

Do lado do Galitos, Aruzha com 18 pontos, Whisper com 19 e Kianna com 18 foram as maiores figuras. Há a destacar ainda Daniela Domingues que conseguiu 9 pontos, Mafalda Pompeu com 5 como figuras em destaque neste Galitos.

Depois vamos falar do Guifões que venceu o Galitos por 63-58. Foi a terceira vitória para o Guifões que parece ter passado a pior fase da época que e agora segue imparável e a jogar bem. Um duelo muito equilibrado, com os parciais a provarem isso mesmo. Mas foi o último período que fez a diferença. O jogo chegou ao último período com tudo em aberto e foi um parcial de 7-0 para o Guifões que fez toda a diferença.

Os maiores destaques no Guifões foram, como eu disse no Twitter, Tylinn Carter com 15 pontos, 12 ressaltos e 3 ressaltos, e depois uma jovem de muito valor, Filipa Barros, com 14 pontos, 6 ressaltos e 3 assistências. Depois ainda a Ana Almeida com 13 pontos e 3 ressaltos e ainda Mariana Teixeira com 12 pontos, 2 ressaltos e 1 assistência.

No lado do Galitos, as maiores figuras foram Daniela Domingues com 17 pontos, 7 ressaltos e 3 assistências, e ainda Mafalda Pompeu com 16 pontos, 4ressaltos, 4 assistências e 2 roubos de bola.

Por fim, deixo os duelos de ontem, o Quinta dos Lombos venceu o União Sportiva por 70-63, em mais um bom jogo de basquetebol com os Lombos a confirmarem a boa época que estão a fazer. Os Lombos foram superiores no jogo interior, na luta das tabelas e superiores na área pintada. O Sportiva sentiu mais dificuldades nos duelos mesmo com uma Gabriela Paula em bom plano nos ressaltos. Carolina Cruz voltou a jogar muito bem, é um dos melhores postes da liga e está em alta. Tem apenas 19 anos e um futuro enorme pela frente e desta vez voltou a estar em grande evidência.

Os desarmes de lançamento, os ressaltos, a agressividade foram os fatores determinantes para esta vitória dos Lombos. Raphaella Silva foi a MVP desta partida. Como eu já disse muitas vezes, é jogadora para voos maiores e desta vez foram 18 pontos, 7 ressaltos, 5 assistências, 2 roubos de bola e 1 desarme de lançamento. Carolina Cruz jogou muito bem, conseguiu 13 pontos, 7 ressaltos e um abafo.

Do lado do Sportiva, com a Laneiro ainda sem jogar, mas com a Nausia a ser novamente a maior figura com 17 pontos, Gabriela Paula destacou-se novamente com 10 pontos e 15 ressaltos. Destaco, ainda, Emília Ferreira com 12 pontos, 6 ressaltos, 2 assistências e 1 roubo de bola.

Na classificação da Liga Skoiy lideram os Lombos com 25 pontos, seguidas do Benfica com 23 pontos e em terceiro estão o Vitória SC com 23 pontos e p Lombos com mais um jogo que todas estas.

Por fim e rapidamente, destacor um jogo da Taça de Portugal, em que o SIMECQ venceu o Natação por 69-56. Foi um bom duelo, ainda para mais para uma equipa de segunda divisão, em que a equipa de primeira divisão caiu perante a mais fraca, em teoria.

Martha Burse voltou a levar o Natação às costas com 22 pontos, mas o destaque foi Ana Rodrigues com 27 pontos, uma jogadora de equipa de primeira divisão, para bem mais do que isto. Além dos 27 pontos, contabilizou 7 ressaltos, 4 assistências e 7 roubos de bola.

Voleibol Sporting

Para encerrar este domingo e este fim de semana, vamos ao voleibol nacional e mais concretamente ao Sporting.

No feminino, o Sporting voltou a jogar e logo contra o Porto Vólei, um jogo muito complicado contra uma das equipas candidatas a vencer o título.

As nossas leoas venceram por 1-3, com os parciais de 22-25, 25-19, 28-30, e 22-25. O primeiro set foi muito equilibrado, com muita luta, com um ponto para cada equipa.

Ambas as equipas entraram com tudo e, como sempre, o primeiro set foi muito equilibrado, com a diferença a acontecer a meio do set quando abrimos uma vantagem de 4 pontos, com um 14-18. Foi aqui que conseguimos fugir neste set e criar condições para o vencer sem muitos problemas.

A troca da Aline pela Daniana foi importante para manter esta vantagem. A troca da Gabriela pela Cristiana também ajudou muito para que a equipa vencesse este primeiro set. A Gabriella não teve um jogo como outros a que estamos habituados, também por que a ligação com a Ana Couto não funcionou tão bem nesta partida e, como tal, outras jogadoras tiveram de aparecer na partida.

Perdemos o segundo set, mas entrámos muito bem com 0-4 logo no início. Fomos mantendo a vantagem, mas claro que o Porto foi respondendo e equilibrou o jogo. Fomos mantendo a vantagem, mas a verdade é que o Porto conseguiu passar para a frente com 16-15 e time-out imediato por parte de Rui Costa, que corrigiu as coisas com sucesso e, assim, conseguimos voltar à liderança.

Hélder Andrade faz uma tripla alteração que se provou certeira com o Porto a passar a liderar e a não conseguirmos mudar o rumo deste set. A troca no Porto foi entre as distribuidoras, com a Bezerra a dar lugar à Cataria, Maria, a zona 4, entrou para o lugar da oposto Gabriela e ainda uma troca de opostas, Mafalda por Mariana.

No Sporting, Rui Costa ainda tentou mudar o jogo com a troca entre a Couto pela Beatriz e Vanessa Paquete pela Cristiana, mas estas trocas foram insuficientes para o Sporting dar a volta e acabámos mesmo por perder este set.

O terceiro set foi nosso. Foi uma dura batalha, uma grande luta e, mais uma vez, entrámos muito bem e tivemos uma boa vantagem, mas a verdade é que o Porto deu a volta e chegou a ter uma vantagem de 5 pontos. Aí foram as mudanças de Rui Costa que fizeram a diferença, quando ele voltou a colocar Daniana e Cristiana. Foi aqui que voltámos a melhorar e fomos recuperando até empatar a 21-21. Depois foi uma luta imensa para ver quem vencia. Houve muito equilíbrio, muita disputa e foi assim por algum tempo. Vencemos por 28-30 num set muito bom com grande disputa e, mesmo não tendo sido o nosso melhor jogo, foi um bom jogo de voleibol, um jogo de duas equipas fortes e com capacidade de discussão do título.

No terceiro voltámos a entrar muito bem e o Porto voltou a conseguir uma boa vantagem, mas desta vez fomos atrás e não demorámos tanto para vencer. O set foi mais nosso, fomos e jogámos, mas foi um jogo em que a equipa não foi tão forte como em outros jogos. A equipa esteve abaixo do esperado, provavelmente devido a condicionantes físicas, porque tivemos jogadoras bem abaixo, mais cansadas e mais limitadas.

Voltamos a jogar hoje com o Braga. Neste momento, somos terceiras com 48 pontos, os mesmos que as segundas que são o Leixões e em primeiro segue a AJM com 54 pontos

Hoje o jogo com o Braga é nosso, um jogo que não podemos descuidar, mas que temos uma grande vantagem.

No masculino seguimos numa boa série. Não me vou alongar muito sobre o masculino, pretendo falar mais aprofundadamente e com mais calma depois do jogo com o Viana. Por isso, para a semana que vem vamos abordar mais o masculino, se a boa série continuar.

A questão é que vencemos o Castêlo da Maia hoje, mas com grandes dificuldades. Como disse o Gersinho no final, o mais importante é ganhar e garantir os três pontos, mas sentimos muitos problemas. São 4 vitórias seguidas nos últimos 4 jogos, só por uma vez vencemos por 3-0, com o Caldas e mesmo aí sentimos dificuldades. A questão é que fazemos com que os adversários pareçam todos o Benfica.

No jogo com o Castêlo, com um bloco tão forte, dava ideia que era contra o Benfica que estávamos a jogar. Até comentei sobre isto com um amigo durante o jogo, isto tudo porque nós jogámos pouco, a equipa está a jogar mal e todos os rivais ficam a parecer uma equipa de liga dos campeões.

Gersinho tem dedo e culpa obviamente, mas estes jogadores são bem mais fracos do que todos achámos que seriam. Alguns ainda não estão a 100%, como o caso do Levi, mas outros mesmo a 100% não rendem o suficiente. É altura de mudar de catálogo e ir buscar jogadores a outras fontes e não olhar apenas para certos catálogos.

Se a série se mantiver, vamos analisar mais em específico estes últimos jogos, mas o Viana é uma equipa complicada e a jogar assim podemos voltar a passar pior. Por isso, digo que esta equipa nos assusta a todos em quase todas as partidas. No início podíamos falar da falta de entrosamento, mas em janeiro já não. A equipa rende pouco, e erra muito. Veremos os próximos jogos. Tal como disse Gersinho, o mais importante agora é vencer, mas a imagem deixada não ajuda nada a recuperar os adeptos.

Por este domingo é tudo, muito obrigado a todos os que estão a ler, a todos os que viram o programa de ontem e a entrevista de quarta-feira.

Todas as semanas temos estes 3 dias das modalidades no Espartano que chegaram assim ao fim, com o nosso voleibol, mas obrigado a quem lê e vê os vídeos

Espero que todos se cuidem e todos se protejam. Votem e fiquem todos bem, porque para a semana já se sabe que voltamos a ter os nossos 3 dias dedicados às modalidades.

Até para a semana, bom domingo e muito obrigado! SL 😊

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *