O regresso das bolas e as sapatilhas ilegais

Uma nova semana, onde trago pela primeira vez a atualidade do mundo do ténis, onde volto a escrever sobre a entusiasmante atualidade do basquetebol e ainda sobre alguma da atualidade do mundo do atletismo.

Ténis

Já se sente o cheiro de um grande evento, com o US Open quase aí, o primeiro grande Slam depois da paragem devido ao covid-19, ainda que longe do habitual. Este regresso é muito importante que, como tudo, está condicionado pelo momento que todos estamos a viver.

Com o US Open a chegar, este regresso está a ser marcado pela bolha criada em Nova York, mais concretamente em Long Island, em hotéis escolhidos em que só se pode sair para rumar até ao Billie Jean King National Tennis Center, onde se vai jogar o US Open e o Masters 1000 de Cincinnati.

Falamos de uma bolha tal como na WNBA e na NBA e tal como em várias outras modalidades, criada para tentar que tanto no ATP Cincinnati, como no US Open, os tenistas e todos os envolvidos consigam ficar o mais possível controlados e assim proteger os protagonistas.

Para começar foram vários os atletas que recusarem viajar para os Estados Unidos da América, entre eles o atual campeão Rafael Nadal ou Simone Halep. Eles como todos os outros temem o vírus e a viagem para um dos países com mais infetados, onde o vírus está mais ativo e menos controlado.

Falando da bolha foram apenas 8 tenistas que não foram “viver” para dentro da bolha, 8 que preferiram alugar casa e não ficar na bolha. Claro que todas as residências foram aprovadas pela USTA, todos estão a ser vigiados e controlados e todos estes 8, por estarem fora, estão a ser ainda mais escrutinados.

Já na bolha tivemos o primeiro caso positivo de Covid, uma pessoa que não é jogador, que deve ficar isolada no mínimo 10 dias. Mais de mil testes já foram feitos na bolha do US Open desde o último dia 13, sendo esse o 1º caso positivo.

Os dois torneios vão ser disputados sem a presença de fãs e o complexo foi reorganizado para que todos os jogadores e as suas respetivas equipas possam passar longos períodos a treinar, a jogar, ou mesmo a relaxar sem que desrespeitem o distanciamento social.  

O Masters 1000 de Cincinnati será disputado entre este sábado e 28 de agosto. Já o US Open vai ser do dia 31 de agosto até 13 de setembro. Mas apesar da bolha e do eminente regresso, surgiu uma polémica, isto porque Guido Pella e Hugo Dellién, excluídos do torneio de Cincinnati, tiveram contacto com o único infetado com covid-19 e isto fez com que muitos começassem a colocar em causa tudo, surgindo a possibilidade de um boicote por parte dos jogadores.

Falando do português João Sousa que, no regresso do circuito ATP em Cincinnati, mediu forças com Kamil Majchrzak, polaco e 108.º do ranking mundial. O João é o atual 66.º classificado na hierarquia mundial. O tenista vimaranense de 31 anos tinha a seu cargo o estatuto de oitavo cabeça de série e ficou a saber que iria ter como adversário, na primeira de duas rondas do qualifying, o polaco Kamil Majchrzak. O duelo não correu bem para o português que neste regresso foi derrotado por 6-3 e 6-3, num encontro resolvido em 1h16. Sousa perdeu quase todos os pontos importantes do encontro, desperdiçou todos os 9 pontos de break de que dispôs. Majchrzak aproveitou três de cinco, o último dos quais no match point para construir um resultado confortável, mas que não é fiel ao que se passou no encontro. O vimaranense de 31 anos continua sem conseguir ganhar qualquer encontro a nível ATP em 2020 (a sua única vitória oficial foi na Taça Davis diante da Lituânia). O português vai manter-se dentro da bolha de Nova Iorque até ao próximo torneio, o US Open 2020.

Já no caso do Pedro Sousa, o tenista português vai falhar o regresso do circuito, mas por uma boa notícia, visto que o Pedro foi pai pela primeira vez. O Pedro cancelou a viagem até Todi na Itália, onde tinha inicialmente previsto o regresso ao circuito profissional masculino, mais de cinco meses depois. O Pedro retirou o nome da lista de inscritos no Challenger italiano (em que seria o segundo cabeça de série), mas já anunciou que vai viajar para Nova York. Em seguida, o Pedro deve viajar para participar em Aix-en-Provence [França], depois Iasi [Roménia] e no qualifying de Roland Garros.

No que diz respeito ao ténis feminino, começamos pelo Oeiras Magnesium-K Active Cup, onde nem todas as portuguesas conseguiram ultrapassar as respetivas adversárias, como aconteceu com a Ana Filipa Santos que foi derrotada na primeira ronda por Maelys Bougrat. Também Sara Lança perdeu, neste caso frente a uma das cabeças de série, a espanhola Eva Guerrero Alvarez. Além destas, também a jogadora do CETO, Maria Inês Fonte já tinha sido derrotada na etapa inaugural por uma das cabeças de série, tal como Francisca Jorge e Inês Murta, que caíram na jornada inaugural. Por isso, em 6 participantes, a única que venceu foi Matilde Jorge que arrasou ao derrotar a Helene Pellicano, de Malta. Com este resultado, a jovem vimaranense de 16 anos assegurou a estreia no ranking WTA.

Para concluir, falamos da norte-americana Jennifer Brady que conquistou primeiro título da carreira em Lexington. A tenista de 25 anos venceu Jil Teichmann por 6-3 e 6-4 e conquistou o The Top Seed Open presented by Bluegrass Orthopaedics, em Lexington.

Basquetebol

É impossível conter o entusiamo ao falar de basquetebol, uma vez que a qualidade dos jogos na WNBA vai aumentando e ainda mais com os excelentes jogos nos playoffs da NBA. Além disso, ainda temos algumas movimentações a destacar no mercado de transferências.

Atualidade nacional

Masculino

Antes de falar um pouco da NBA e da WNBA, destaco algumas transferências a nível nacional nestes últimos dias. Falo, é claro, do novo reforço do FC Porto, Eric Andersen, poste norte-americano, que chega do Maccabi Haifa, mas que conta com muita experiência em países como Alemanha, Japão e Argentina. Além dos muitos anos em ligas mais fortes, conta também com bons números. Ele que só chega ao Porto, porque Tanner McGrew ainda está a recuperar de lesão e, como vai demorar para se apresentar ao nível exigido, o Porto contratou Eric como sexto norte-americano, colmatando, assim, essa lacuna na equipa.

O extremo Nuno Sá que trocou Ovar pela Madeira,assinando pelo Cab Madeira, saltando para o norte. O Vitória SC renovou com muita gente importante, casos de Brandon Parrish, Ricardo Monteiro, João Ribeiro, Carlos “Litos” Cardoso e Coreontae DeBerry. Os vitorianos, no meio das renovações, anunciaram o base André Bessa que regressa a Guimarães depois de ter estado na Oliveirense. Assim, o base garante mais tempo de jogo e, com isso, vai regressar aos números de qualidade apresentados anteriormente.

Da Bulgária chega o poste norte americano Trey Moses para a Ovarense, atleta de 24 anos, que vai assim para a sua segunda experiência em solo europeu e que é, nesta altura, o terceiro na Ovarense, que está com problemas financeiros.

Já falei do Cab, mas destaco a chegada do experiente lituano Robertas Grabauskas, que estava no Huesca. Estamos a falar de um poste com 2,08 metros, muita experiência e bons números, um reforço muito interessante dos madeirenses que fecharam o lote de estrangeiros com Davon Clare, extremo, que estava na universidade de Fullerton.

Femininos

No que diz respeito ao basquetebol feminino nacional, temos algumas transferências em evidência, como é os casos das chegadas de Sofia Pinheiro e de Maria ao Olivais, ambas vindas da Ovarense. Ainda a chegada da norte americana Whisper Fisher que vem da Universidade de Syracuse e é reforço do Galitos, sendo que o clube anunciou ainda que as atletas Catarina Wilson, Luzia Ferreira, Ana Urbano e Margarida Abrantes irão fazer parte do plantel da equipa sénior e a norte americana Kianna Wynn renovou garantindo a continuidade, por mais um ano com as cores do Galitos. O Carnide garantiu Martina Roque que estava no Algés.

Um dos destaques por cá é o contingente de jogadoras brasileiras que cresceu devido aos problemas no basquetebol feminino no Brasil. Se já temos como assegurado que Gabriela Guimarães vai jogar no União Sportiva, Júlia Alves no Olivais, Jennifer Nonato e Aline Moura no GDESSA, sabemos que as próximas a chegar vão ser Raphaella Monteiro e Tati Pacheco, que vão ser anunciadas nos respetivos clubes muito em breve.

NBA

Na atualidade da NBA e antes de falar um pouco dos jogos, até agora nos playoffs, importa falar do sorteio do draft que ditou os que vão ter a primeira escolha para a próxima temporada. O sorteio ditou a seguinte ordem:

1. Minnesota Timberwolves

2. Golden State Warriors

3. Charlotte Hornets

4. Chicago Bulls

5. Cleveland Cavaliers

6. Atlanta Hawks

7. Detroit Pistons

8. New York Knicks

9. Washington Wizards

10. Phoenix Suns

11. San Antonio Spurs

12. Sacramento Kings

13. New Orleans Pelicans

14. Boston Celtics (troca com Memphis Grizzlies)

Quanto aos playoffs, os Bucks empataram a série depois dos muitos problemas, principalmente a nível defensivo, com os Magic no primeiro jogo. Como esperado, os Magic não iam ser fáceis e, a juntar a isso, os problemas revelados pelos Bucks ainda complicaram tudo mais. No segundo jogo, os Bucks melhoraram, não erraram tanto e, claro, Antetokounmpo vai levando a equipa, principalmente a nível ofensivo, como foi prova este segundo jogo.

Mais séries estão empatadas 1 a 1, como é o caso dos Lakers com os Trail Blazers. Depois de no primeiro jogo, a equipa de Portland ter levado a melhor sobre a equipa de LA, neste segundo jogo, a qualidade individual veio ao de cima e, num jogo onde Davis esteve imparável, LeBron esteve a um nível altíssimo e mesmo Kuzma voltou a jogar muito, os Trail Blazers mesmo com o Lillard a não estar mal sentiram dificuldades e acabaram derrotados 111-88, num segundo jogo bem mais desequilibrado.

No duelo entre os Denver Nuggets e os Utah Jazz também 1 a 1, com grandes jogos, visto que foram logo os primeiros a jogar e no primeiro jogo existiu tempo extra. Numa série onde Donovan Mitchell, um dos melhores jogadores na bolha, tem sido um dos destaques e levou os Jazz à vitória no segundo jogo por 124-105. Um passeio dos Jazz que assim empataram a série.

Em outros duelos, os Celtics vão revelando uma grande superioridade frente aos 76ers, nem mesmo um Embiid em grande forma consegue ajudar a equipa de Filadélfia. Os Raptors, como esperado, vão dominando no duelo com os Nets. Seria sempre um dos duelos menos nivelados e os jogos têm revelado isso mesmo. Os Heat estão em vantagem, tirando proveito da melhor defesa em relação aos Pacers e de estarem com mão quente a nível de triplos, com Duncan Robinson em grande destaque na ajuda a Dragic e Butler. Com esta superioridade dos atiradores e com uma defesa a demonstrar grande coesão, a equipa de Miami vai vencendo.

Os Rockets vão na frente por 2 a 0, no duelo com os Thunder, apesar de no segundo jogo não ter existido um espetáculo tão grande como no primeiro, devido à marcação mais apertada da equipa de Oklahoma a Harden. A equipa de Houston lidera e, mesmo com a estratégia de OKC, conseguiram vencer.

Para terminar a atualidade dos playoffs ,o duelo dos Clippers com os Mavericks, que está empatado 1 a 1, depois de no primeiro jogo a equipa de LA ter levado a melhor, beneficiando da expulsão de Porzingis. No segundo jogo, a equipa de Dallas provou o porquê de ser das mais fortes e, mais uma vez, com um super Doncic, mas desta vez a conseguirem vencer por 127-114, Doncic, Boban, Porzingis em grande forma e toda esta equipa de Dallas a jogar bem e, apesar dos muitos turnovers, é das equipas que mais gosto dá ver jogar.

WNBA

Na atualidade da WNBA, as Seattle Storm viram interrompida a série de vitórias depois de perderam para as Fever, uma derrota surpreendente, pois as Fever, com este resultado, colocaram fim a uma série muito negativa. Esta vitória é, em muito, explicada pelo grande jogo de Kennedy Burkee que fez 23 pontose e por Teaira McCowan, que dominou nas tabelas com 10 ressaltos, apesar do grande jogo da Jewell Loyd que fez 35 pontos, mas insuficientes para as Storm vencerem.

As Aces continuam em segundo nesta fase depois da derrota voltaram a vencer de forma tranquila as Sun por 99-78 Um bom jogo das Aces com McBride em destaque pelos 25 pontos, 7 em 7 de lances livres e 9 em 10 de lançamentos de campo, ainda Angel McCoughtry que esteve imperial nas tabelas conseguindo oito ressaltos.

As Sparks, com a derrota das Stormm é agora a equipa com a melhor série de vitórias com cinco seguidas, elas que não tiveram problemas a derrotar as Mercury por 83-74 num jogo onde, mais uma vez, Taurasi encantou fez 19 pontos, mas não chegou para as Mercury. Já as Sparks fizeram um grande jogo com a Sykes. Parker e a Gray estiveram em grande destaque, principalmente Parker que não só acertou 16 pontos como, mais uma vez, dominou nas tabelas com doze ressaltos.

Como esperado, as coisas não melhoraram para as Atlanta Dream, nem para as New York Liberty. No caso das Dream são nove derrotas seguidas, a pior fase de uma equipa nesta altura, elas que ainda só conseguiram duas vitórias, mas as Liberty vão pior, visto que ainda só conseguiram uma vitória, mas lá está, como esperado eram equipas em reformulação que iam sofrer e passar pior na bolha e, como se tem visto, são equipas que podem melhorar e crescer muito mas que nesta fase vão continuar a acumular derrotas atrás de derrotas.

Atualidade Internacional

Masculina

No que diz respeito à atualidade internacional, começamos pelos masculinos. Destaco o Maccabi Fox Tel-Aviv que garantiu o extremo-poste norte-americano, Angelo Caloiaro de 31 anos, e ainda o regresso do base Eidan Alber, dois reforços importantes.

Na Alemanha, o Bayern Munique assegurou o segundo base Robin Amaize que também ele regressa à Alemanha. Em outros destaques, o Lokomotiv Kuban assinou com o poste norte-americano Reggie Lynch que se destacou na segunda divisão italiana a jogar no Urania Basket Milano e, ainda a nível europeu, destacamos o poste camaronês Kenny Kad que mudou de clube na Turquia, mudando para o Bursaspor Durmazlar depois do bom rendimento no Turk Telekom.

Para concluir falar de algumas movimentações em destaque na América do sul, no caso o extremo Rafael Monteiro, que se acabou de formar com bons números na universidade de Augusta (NCAA2) nos EUA e vai assim fazer a sua estreia como sénior no Pinheiros. Ainda Rafael Moreira que vai jogar no Minas e Rafael Previeatti, um talento grande do basquetebol sul-americano que assinou pelo Mogi, uma das transferências em maior destaque nesta semana.

Feminina

No que diz respeito à atualidade do basquetebol feminino internacional, destaco a continuidade da extremo Karline Pilabere no TTT Riga, esta que será a sua terceira temporada na Letónia, a também continuidade da espanhola  Tania Gonzalez no Picken Claret Valencia. A extremo vai continuar na segunda divisão, ela que aos 20 anos é tida como uma promessa do basquetebol espanhol.

O Montpellier garantiu a extremo-poste checa Alena Hanusova, ela que esteve nos últimos 5 anos no USK Praga.

Pela América do Sul, vamos a Porto Rico falar da base norte-americana Antoinette Thompson que assinou pelo Spartak Subotica e, para terminar esta atualidade, destaco a ida da extremo Agustina Garcia que aos 24 anos vai jogar no Yale do Uruguai. Trata-se de uma jogadora de qualidade, que estava no Berazategui da Argentina e que assim vai jogar fora da argentina pela primeira vez.

Atletismo

O som dos pitons voltou, a areia a voar depois de um salto voltou, a energia eletrizante da velocidade e a expetativa e ansiedade para ver quem consegue vencer tudo voltou. Tudo claro limitado, mas tudo está a voltar.

Para começar a atualidade do atletismo, era impossível que fosse com outro assunto que não o novo recorde do mundo nos 5000 metros. História foi feita no Mónaco, quando o ugandês Joshua Cheptegei melhorou em quase dois segundos o até então recorde histórico de Kenenisa Bekele nos 5000 metros, um registo que até então parecia e era até visto como impossível de bater. Cheptegei correu a um nível altíssimo. Numa prova imaculada, cravou o cronómetro nos 12:35.36, superando assim os anteriores 12:37.35 de Bekele, um recorde que já tinha 16 anos. Ainda no Mónaco, outros dos destaques nos 1500 metros masculinos, ganhos como esperado pelo queniano Timothy Cheruiyot (3:28.45), mas destaque principalmente pelo novo recorde europeu fixado por Jakob Ingebrigtsen (3:28:68), que desta forma tira Mo Farah do topo desta lista particular.

Ainda no meeting da liga diamante no Mónaco, tivemos a portuguesa Patrícia Mamona em ação. A atleta do Sporting ficou em terceiro lugar, seis dias depois de se ter sagrado campeã de Portugal pela 11.ª vez. Patrícia Mamona voltou a estar a bom nível, registando como melhor salto nos seis ensaios um salto a 14,08 metros. A portuguesa só perdeu para a venezuelana Yulimar Rojas, campeã mundial, que saltou 14,27, e para a búlgara Gabriela Petrova, líder europeia do ano, que chegou aos 14,18. Patrícia Mamona, com os 14,26 atingidos há seis dias em Lisboa, é a sexta melhor da época, num ranking liderado pela cubana Liadagmis Povea, que tem 14,55 como melhor marca.

Já no meeting da Hungria, Pedro Pablo Pichardo foi terceiro no triplo salto do Gyulai István Memorial, o meeting de atletismo que teve lugar em Szekesfehervar, na Hungria. O luso-cubano conseguiu 17,28 metros, o que foi o seu melhor registo da época e só perdeu para dois adversários fortes, o burquinês Hughes Fabrice Zango, vencedor com 17,43 e o norte-americano Christian Taylor que chegou aos 17,34. No mesmo meeting, Evelise Veiga foi oitava no salto em comprimento com 6,43 metros. A vitória foi para a bielorrussa Nastassiaa Mironchyk-Ivanova, a líder mundial do ano com 6,73. Já o atleta do Benfica Tsnako Arnaudov foi sexto na Polónia.

Arnaudov conseguiu o sexto no concurso de lançamento do peso do meeting Memorial Irena Szewinska, que se disputou em Bydgoszcz, na Polónia com o lançamento 20,41 metros, quem venceu foi o polaco Mikhal Haratik, campeão europeu em 2018 com um lançamento de 21,61 metros a melhor marca pessoal de 2020, à frente do croata Filip Mihaljevic que lançou a 21,35 metros.

A Patrícia que renovou recentemente com o Sporting, uma boa notícia, porque ficamos a saber que o Sporting vai baixar o orçamento e o projeto olímpico vai baixar um pouco, não se vão perder os grandes nomes, mas atletas com menor nome podem sair, tal como alguns técnicos, situação que vai contra a longa história do Sporting nesta modalidade e que afasta ainda mais o Sporting da disputa pelo titulo nacional masculino.

Falando dos nacionais que se realizaram, Sporting e Benfica dividiram os títulos: o Sporting em femininos e o Benfica em masculinos. O Sporting somou o 50.º título feminino mesmo com ainda três provas por disputar. No setor masculino, com duas provas ainda por fazer, o Benfica já tinha assegurado o 32.º título.

Na primeira jornada da parte da manhã, o Benfica venceu todas as provas masculinas, mas na jornada da tarde deixou fugir três triunfos, com as vitórias dos sportinguistas João Vieira nos 3.000 metros marcha, com o tempo de 12.43,50 minutos, e Edujose Lima no disco, com a marca de 56,55 metros e do bracarense Francisco Rodrigues nos 1.500 metros, com o tempo de 3.53,11 minutos.

No setor feminino, o Sporting só não venceu quatro provas, os 3.000 metros com a benfiquista Marta Pen a derrotar a leoa Sara Moreira, os 800 metros onde Camila Gomes do Benfica surpreendeu toda a gente, os 1500 metros com Mariana Machado, a atleta do Sporting de Braga, a conseguir bater toda a gente e os 2000 metros obstáculos ganhos pela Joana Soares do Jardim da Serra.  

No setor masculino, os 16,93 metros de Pedro Pichardo no triplo salto, os 20,75 metros de Tsanko Arnaudov no lançamento do peso, os 46,81 segundos de João Coelho nos 400 metros, a marca de 8.01,50 minutos de Samuel Barata nos 3000 metros e os 5,20 metros alcançados por Diogo Ferreira na vara, todos eles registos de realçar por parte dos atletas do Benfica.

Na sessão da tarde, é preciso também destacar os registos dos benfiquistas Delvis Santos nos 200 metros, com a marca de 21,40, de Lucirio Garrido nos 400 m barreiras com 50,48, Gerson Baldé no salto em altura com 2,15, de Leandro Ramos no dardo com 70,43 e André Pereira nos 2000 m obstáculos com a marca de 5.28,99.

Nos femininos dar evidencia para as sportinguistas Evelise Veiga que conseguiu 6,41 no salto em comprimento, Irina Rodrigues que registou 58,06 no disco, Cátia Azevedo que fez 53,03 nos 400 metros, Lorene Bazolo que marcou 11,39 nos 100 metros e 23,38 nos 200 metros, Jéssica Inchude que registou 17,23 no peso, tendo feito todos os lançamentos acima de 17 metros e, claro, Vera Barbosa que nos 400 m barreiras venceu em 57,84. E claro, Patrícia Mamona que em menos de 24 horas, chegada do Mónaco, venceu o triplo em 13,64 e ainda destacar Vera Santos que venceu na prova de 3000 m marcha.

Na atualidade mundial, temos que falar da situação de Sondre Nordstad Moen que tinha batido o recorde europeu da hora, mas que viu esse seu registo ser anulado, porque as sapatilhas do norueguês não cumpriam as novas regras. O norueguês usou as Vaporfly NEXT que, à luz das regras anunciadas na semana passada, são sapatilhas proibidas, pois os limites de altura são sapatilhas de meia-sola superior a 25mm para serem utilizadas em pista, algo que as sapatilhas usadas pelo nórdico não cumpriam pois tinham 40mm na zona do calcanhar.

Para concluir falar das muitas maratonas que foram canceladas em definitivo devido ao covid-19. Falo principalmente das maratonas de Paris, Barcelona e de Frankfurt. No caso da corrida francesa, o cancelamento surge depois de dois adiamentos, mas eram corridas que ainda levantavam algumas expetativas para a sua respetiva realização, mas a mesma não vai ocorrer e, por isso, mesmo estas como outras cancelaram as corridas deste ano.

Importante estes regressos das diversas competições. Para a semana cá estarei com mais atualidade desportiva do mundo das modalidades. Espero que gostem e um bom fim de semana.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *