#Olympia – Combate ao Covid

Para esta nova semana, trago a atualidade de várias modalidades de combate, todas elas, como tudo o resto na nossa sociedade, a tentarem o regresso a uma certa normalidade.

MMA

A atualidade do MMA está a ser marcada pelo possível fim de carreira de Amanda Nunes. Depois de voltar a vencer, desta vez a derrotada foi Felicia Spencer, a brasileira deixou no ar a possibilidade de terminar a carreira, pois sente que já conquistou tudo o que havia para conquistar. A ser verdade será mais um duro golpe para Dana White e para o UFC que perdeu Henry Cejudo e ainda enfrenta as dificuldades de tentar de alguma forma conseguir cards que atraíam espetadores para os próximos eventos.

Desde 30 de maio que Las Vegas tem recebido os últimos eventos. Já teve 3 eventos e irá ter mais 2 noites. Destas 3 noites, destacou-se no primeiro evento, a 30 de maio, a grande vitória de Mackenzie Dern ao derrotar Hannah Cifers com uma chave de perna no round 1 e a vitória no main event de Gilbert Burns por decisão unânime, frente a Tyron Woodley.

No evento seguinte, realizado no passado dia 6, o grande destaque foi o regresso em grande de Cody Garbrandt que venceu Raphael Assunção por KO no round 2. Ainda nessa noite, tivemos Amanda Nunes a vencer no main event Felicia Spencer por decisão unânime, mas longe das melhores lutas de Amanda.

No último evento, no dia 16, provavelmente o pior card dos últimos muitos anos no UFC, tivemos boas lutas, boas vitórias, como a da Cynthia Carvalho no main event, por decisão unânime, ou as de Christian Aguilera e de Tyson Nam que venceram as respetivas lutas em menos de um minuto.

As duas próximas lutas ainda em Las Vegas vão marcar mais algumas estreias e alguns regressos. A de dia 20 está longe de ser um card de um evento do UFC, já a de dia 27, com o main event de Dustin Poirier frente a frente com Dan Hooker, já apresenta lutas bem mais apetecíveis e um pouco mais entusiasmantes para os fãs.

Depois disto vai começar a “Fight Island”, a realizar-se na Yas Island, em Abu Dhabi, onde vão ocorrer 4 eventos de 11 a 25 de julho e, aí sim, com nomes maiores e lutas que já estão a entusiasmar a maioria dos fãs.

No dia 11 de julho, estarão em causa 2 títulos para serem defendidos. Kamaru Usman que vai defender o cinturão de peso meio-médio frente a Gilbert Burns, e Alexander Volkanovski que protege o cinturão de peso pluma frente a Max Holloway, o anterior detentor do cinturão.

Ainda nessa noite, quase todas as lutas são de destaque com nomes como José Aldo, Rose Namajunas, Jéssica Andrade ou Amanda Ribas. É impossível não haver um entusiasmo entre todos os fãs.

No dia 15 de julho, regressam as lutas menores. Dia 18 há a destacar o regresso de Kelvin Gastelum quase um ano depois e o main event entre Deiveson Figueiredo e Joseph Benavidez. Já o evento do dia 25 tem nas últimas 4 lutas da noite o ponto alto.

No que se refere ao MMA lusófono, há a destacar Manel Kape, o luso-angolano que aos 26 anos assinou pelo UFC com a oportunidade de se mostrar em agosto. Depois de Yorgan de Castro, o luso-caboverdiano, será Kape, luso-angolano, a dar mais um passo importante para o MMA lusófono.

Kickboxing

Na atualidade do kickboxing, falamos do regresso possível. Depois do regresso de alguns eventos, recomeçam os eventos mais importantes. Falamos da Superfight Series, que se realiza a 20 deste mês na Hungria. Mas falamos principalmente do regresso da KOK, a organização King of Kings, um evento que se realiza a 27 deste mês na Lituânia, um grande evento a envolver MMA, Kickboxing, Muay Thai e boxe.

Na segunda parte que vai ser transmitida internacionalmente, temos como luta principal nos -75 kg, o lituano e campeão, Henrikas Vikstraitis, contra o experiente polaco Denis Makowski e também uma das lutas mais esperadas deste card que vai colocar o jovem e uma das estrelas em ascensão, o lituano Dovydas Rimkus, frente a frente com o polaco Daniel Szott na categoria -72 kg.  

Esta semana tivemos um regresso muito importante, o da HFO Kickboxing, a organização polaca. Como ponto alto realizou-se o primeiro combate feminino nesta organização, em que Marta Waliczek levou a melhor sobre Dominika Filec.

Boxe

Na atualidade do mundo do boxe, falamos de Manny Pacquiao, um nome incontornável no mundo do desporto. Depois de em 2016 ter sido eleito senador nas Filipinas, Pacquiao pretende mais e fala já no lançamento de uma candidatura para concorrer às presidenciais de 2022.

É impossível não falar também do regresso de Mike Tyson, que garante que fará apenas algumas lutas, todas elas para fins beneficentes, mas a verdade é que, desde este anúncio, os milhões não param de ser oferecidos a Tyson e, certamente, vai ser um dos temas que mais vai animar o mundo do desporto nos próximos tempos.

No regresso dos combates, e tal como no UFC, os eventos apresentam cards fracos que em nada entusiasmam os fãs.

Depois da paragem, Las Vegas foi palco do regresso do boxe com dois cards sem grandes nomes, mas que na primeira noite teve como ponto alto a grande vitória de Shakur Stevenson, um dos jovens com mais potencial no momento. Shakur derrotou Felix Caraballo por KO no 6º round. Na segunda noite, o grande combate foi entre Adam Lopez e Luís Coria, um combate sem momentos mortos, muito equilibrado e que no final Lopez venceu por decisão unânime.

Para o fim deixei o mais entusiasmante: o anúncio do acordo entre Tyson Fury e Anthony Joshua para dois mega combates em 2021. É um acordo ainda, não foram assinados contratos, nem existem datas marcadas, mas está tudo encaminhado para um combate histórico. A acontecer, o duelo Fury vs Joshua será um dos maiores combates de sempre. Entraria no top 5 facilmente. A grande questão é se os promotores vão desviar esta luta do Reino Unido, pois ambos são os maiores nomes de sempre no boxe do Reino Unido e era um combate que deveria acontecer obrigatoriamente perante o publico britânico.

Karaté

Por cá, a atualidade do Karaté continua a ser marcada pela perda de Raul Cerveira, um dos fundadores da Federação Portuguesa de Karaté e um dos impulsionadores do Karaté em Portugal e da prática desportiva no nosso país. Começou pelo judo com o mítico Mestre Kobayashi, com aulas de karate em 1963 na Academia de Budo. Três anos depois chegou a 1º Dan e em 1970 tornou-se seguidor de mestre Tetsuji Murakami, o primeiro técnico japonês na Europa e o principal responsável pela difusão do Karaté por toda a Europa, principalmente em Portugal e França.

Com o Karaté a crescer, Raul Cerveira foi em 1980 um dos fundadores da Associação Portuguesa de Karaté-Do. Com o passar dos anos, tornou-se numa referência cada vez maior no karaté português. Fundou a Federação Portuguesa de Karaté e Disciplinas Associadas em 1985. Depois de muito trabalho, Raul Cerveira, entre vários outros, conseguiram fundar a definitiva Federação Nacional de Karaté – Portugal em 1992. O “Senhor Karaté” deixou-nos fisicamente, mas deixou uma marca impressionante no Karaté e desporto português.

Lá por fora, tenho de falar das mudanças em duas competições que contam para o apuramento Olímpico. Falo da Premier League Rabat, adiada para 2021, ainda sem data prevista e que deve manter-se na cidade de Rabat, ao contrário dos campeonatos europeus, também adiados para 2021, mas que mudam de Baku para Gotemburgo.

Judo

Infelizmente, a atualidade do judo também foi marcada pelo falecimento aos 23 anos da holandesa Ilona Lucassen. Lucassen competia na categoria -78kg e já havia sido campeã holandesa, mas este ano só tinha competido uma vez no GP Telavive. Estava longe de estar bem devido a vários problemas pessoais que a atormentavam nos últimos tempos. A morte da Ilona abalou o mundo do judo.

Ainda no judo, ficou provado que Wang Ki-Chun, medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Beijing em 2008, manteve relações com menores de idade. Para além da pena de prisão, a associação de judo da Coreia do Sul foi célere a anunciar que Wang Ki-Chun estava banido da prática da modalidade neste país.

Sobre o regresso dos torneios internacionais, no plano publicado no início deste mês, a Federação Internacional de Judo (FIJ) coloca Setembro como o mês possível para o recomeço dos torneios, mas sempre com muitas reticências.

Link para o comunicado da Federação Internacional de Judo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *