Rodas em Transição – parte 1

Para esta nova semana uma viagem sobre rodas, literalmente. Viagem pela atualidade do hóquei em patins, automobilismo e motociclismo.

Hóquei em Patins

Competições Nacionais

Começando pela atualidade do hóquei em patins e perante a pandemia, a Federação de Patinagem de Portugal (FPP) decidiu fazer algumas mudanças nos quadros competitivos e em algumas das regras, tanto no masculino como no feminino.

Ficamos a conhecer em primeiro como será a fase Preliminar de acesso à 1ª divisão.  Paço D’Arcos, SC Tomar, Os Tigres, Famalicense, Parede e o SC Marinhense começam no próximo dia 9 de setembro a luta pela subida. Esta fase preliminar vai ser a uma volta: todos contra todos e os três primeiros classificados irão participar na 1ª divisão na próxima época.

Uma das mudanças é no hóquei em patins feminino, que a FPP nomeia como período de transição, e que consiste na implementação de medidas por parte da FPP para atrair novas equipas e novos treinadores. Com isto da próxima época até à época 2024/2025 vai ser permitido que os treinadores possam ter apenas o grau I de Hóquei em Patins.

No que diz respeito às competições, as supertaças, tanto masculina como feminina de 2020, não vão ocorrer. Nas taças de Portugal, tanto masculina como feminina, o modelo competitivo mantém-se igual ao que era anteriormente. Na nova competição que vai surgir em 2020/2021, a taça 1947, uma homenagem às primeiras conquistas de um mundial e de um europeu por parte de Portugal em 1947 no Pavilhão dos Desportos, em Lisboa, vai ser disputada pelos oito primeiros classificados da 1ª divisão, no fim da 1ª volta da mesma 1ª Divisão. O calendário vai ser definido num sorteio futuro, com a única condição de que o primeiro e o segundo classificado não se vão defrontar na 1ª eliminatória. Além disso, vai ser uma prova concentrada e realizada em campo neutro.  

No que diz respeito aos campeonatos nacionais e as mudanças que vão ocorrer na próxima época, a 1ª divisão masculina vai ser dividida em duas fases: a primeira fase, a fase regular com as quatorze equipas e a segunda fase, e aqui sim, com o novo modelo competitivo, vai ser em modo play-offs para encontrar o próximo campeão, com os quartas-de-final a serem à melhor de 3 jogos e a meia-final e final a serem à melhor de 5 jogos

No que se refere a descidas, vão ser os últimos 3 classificados na fase regular que vão descer para a 2ª divisão. Já nas divisões inferiores não vão acontecer mudanças nos modelos competitivos.

Passando agora para a 1ª divisão feminina, as mudanças passam pela divisão em 3 fases. A primeira fase, a fase regular com duas zonas, norte e sul, depois a segunda fase nacional com duas poules e a terceira fase que vão ser os play-offs, para se encontrar a equipa campeã nacional.

Competições Internacionais

Quanto a novidades sobre as próximas edições do Mundial masculino e do Europeu feminino, ficamos a saber que o mundial vai ser adiado para 2022, ou seja, o World Skate Games que se ia realizar em Buenos Aires, Vicente Lopez e San Juan em 2021, vai manter-se na Argentina, mas é adiado para 2022.

O campeonato europeu feminino, que se iria realizar no próximo mês de outubro, também foi adiado e vai passar para 2021, mas mantém-se na Mealhada como estava previsto.

Transferências

Mercado Masculino

Saltando agora para a atualidade do mercado de transferências, foi oficializado o regresso de Raul Marin ao Reus. Ele que juntamente com Caio foram as únicas saídas do Sporting e se, no caso de Marin, é um regresso a uma casa muito conhecida, Caio aos 38 anos vai ter a sua primeira experiência no estrangeiro, ao já ter assinado com os italianos do GS Hockey Trissino.

No que se refere a entradas na equipa masculina do Sporting, são dois os regressos, Alvarinho e Gonçalo Nunes que se encontravam emprestados ao OC Barcelos.

Continuando pela 1ª divisão, o SL Benfica depois de algumas indefinições acaba por manter Jordi Adroher, pelo menos para já, saindo apenas Albert Casanovas que vai terminar a carreira. No que se refere a entradas, o plantel sai reforçado com a entrada de jogadores de qualidade como Sergi Aragonès, que chega do CE Noia de Espanha, e Danilo Rampulla, um regresso do empréstimo ao HC Braga.

Na União Desportiva Oliveirense, a mudança vai ser logo no treinador que deixa de ser Renato Garrido e vai passar a ser um dos melhores treinadores portugueses na atualidade, Paulo Pereira, que chega do OC Barcelos, levando consigo de Barcelos “Tato” Ferruccio. Nas outras entradas, a equipa de Oliveira de Azeméis vai contar agora com Lucas Martínez, um dos melhores jogadores no campeonato italiano, que chega dos italianos do Amatori Lodi, e com Pedro Moreira, regressado do empréstimo ao AE Física. Nas saídas, João Dias vai para França, assinou pelo US Villejuif, Xavi Barroso é reforço do FC Porto e o experiente Ricardo Barreiros sai para regressar ao clube, onde começou no hóquei ainda em criança, fez toda a formação e deu nas vistas no início de carreira, o CD Paço de Arcos.

No FC Porto, além da entrada do Xavi, entra “Eze” Mena, o avançado argentino de 21 anos, um dos maiores talentos fora das equipas grandes, que chega do OC Barcelos. No que diz respeito a saídas, o FC Porto apenas perde Sergi Miras que regressa a Espanha para representar o CH Caldes.

Há no mercado de transferências nacional algumas transferências que saltam à vista, tais como o regresso de Reinaldo Ventura que, depois de ter estado 3 anos em Itália, este último ano no GS Hockey Trissino, regressa ao OC Barcelos, de onde havia saído.

Mas outras transferências são de destacar, como a vinda de Darío Giménez que chega a Barcelos vindo dos italianos do Hockey Valdagno ou Nicolás Gutiérrez que também ele assina pelo Barcelos, vindo do CD Union Estudantil da Argentina e há ainda a realçar Edo Bosch que vai assumir o comando do Valongo como treinador principal, depois de ter sido adjunto na Oliveirense nas últimas temporadas.

No que diz respeito aos mercados de transferências estrangeiros, há algumas movimentações em destaque, como o supertalentoso Sergi Llorca que regressa ao Barcelona, depois do empréstimo ao CE Noia, o mesmo Barça que mantém as grandes figuras da equipa, reforçando assim o super plantel.

Ainda em Espanha, destaca-se Bruno Di Benedetto que se muda do Deportivo Liceo para o Lleida, no Réus que, além de garantir Marin, garante também o guarda-redes Gerard Montes, chegado do CH Vila-Seca, mas perde Tiago Rafael que vai regressar ao Turquel. Mas em Espanha é preciso falar da incerteza no Deportivo Liceo que já perdeu Dani Menéndez e Bruno Di Benedetto, mas não contratou ninguém e ainda existem dúvidas na continuidade de alguns dos jogadores. É, por isso, um projeto com muitas incertezas no que irá ser a próxima época.

Em Itália, destacar claro o Trissino que mantém uma forte aposta nos hoquistas portugueses. Perdem Reinaldo Ventura e Diogo Neves, mudam de Sérgio Silva para Nuno Resende, como treinador, e vêm entrar Caio, saído do Sporting e o nosso ex capitão João Pinto, o “Mustang”.

Já o Bassano é das equipas que mais está a mexer. Já garantiram entre outros, o guarda-redes Mattia Verona, ao ASDR Hockey Scandiano, e Pablo Cancela, ao ASD Follonica Hockey, mas são muitas entradas numa equipa que quer voltar a discutir os primeiros lugares.

No Follonica, poucas mexidas numa equipa que é treinada pelo excêntrico Enrico Mariotti, um ótimo treinador que aposta sempre num estilo de jogo ofensivo, com golos e entusiasmante.

Mercado Feminino

Abordando agora as movimentações e trocas no hóquei feminino, começamos como é óbvio por Portugal e, claro, pelo Sporting que mantém o mesmo plantel, nem entradas nem saídas, sendo apenas a única saída a da treinadora Andreia Barata que vai dar lugar a Nuno Pinto, que treinava a equipa sub-13 e é adjunto na seleção principal feminina. Pode parecer estranho, mas Nuno Pinto era dos melhores treinadores na nossa formação e é um claro upgrade em relação a Andreia Barata.

Nas rivais, o SL Benfica vai ter um plantel ainda mais forte, perdem a Marta Piquero, que vai para Espanha para o Telecable Gijón HC, e vêm sair Andreia Leal, uma ótima jogadora, mas que estava apenas a 50% no hóquei, por isso é uma saída esperada. Nas entradas, garantiram Flor Felamini que chega dos argentinos do Concepción CP, uma jogadora de muita qualidade. Além da Flor, garantiram ainda Catarina Pedro ao UDC Nafarros, uma das melhores jovens jogadoras em Portugal. Logo são duas entradas que permitem uma melhoria no plantel. A única vantagem para nós é a continuidade de Paulo Almeida como treinador.

No que se refere ao campeonato nacional, uma das equipas que melhor se reforça é a Associação Desportiva Sanjoanense que, claramente, vai ser uma das equipas a discutir os primeiros lugares, principalmente com a entrada de Renata Balonas, que chega do CH Carvalhos.

Outra das equipas que se movimentou melhor no mercado e que vai estar ao nível da Sanjoanense na luta pelos lugares abaixo das grandes equipas, é a União Desportiva Vilafranquense que se vai reforçar ao CA Campo de Ourique. Mas é principalmente na entrada da Rita Batista, vinda do CH Carvalhos, que se evidência que vai ser uma das equipas a seguir.

Na OK Liga, as campeãs do CP Manlleu apenas com uma entrada, a da Maria Anglada que chega do CP Voltregà. O mesmo Voltregà que perdeu, também, Marlene Rubio para o CHP Bigues i Riells e em troca recebe Piojo Ramón. O Telecable ganha a Piquero, mas perde a Sofía Ramírez para o SFERIC Terrassa. O CHP Bigues i Riells fica mais rejuvenescido com o fim de carreira de Gemma Camp, de Núria Canals e de Claúdia Argemí. Perde apenas Piojo, mas vê chegar jogadoras de qualidade, como Sofía Reyes do CP Cuencas Mineras, a já referida Marlene e Daniela Cañadó do Girona CH. Por isso, mais uma vez, uma equipa para se seguir ao longo da próxima época.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *