Serviço contra a Crise

O foco desta semana vai ser toda a atualidade do mundo do voleibol. Vou vou abordar a atualidade do Sporting, a atualidade nacional e, claro, a atualidade internacional.

Sporting

Começando claro está pela atualidade do Sporting. Falamos do que foi comunicado desta semana, a saída de 9 jogadores!!! São saídas que, em um ou outro caso, se justificam ou que até se entendem, mas não todas e não assim.

Falamos de um comunicado que saiu depois de um jogo de futebol, saiu já a horas pouco comuns. Fica clara a ideia de tentativa de minimizar o impacto negativo que 9 saídas têm nos adeptos, mas seria tudo muito mais minimizado se já existisse pelo menos uma oficialização de um reforço, aí sim, os rumores iriam acalmar-nos e todos nós estaríamos muito mais tranquilos.

Até agora foram 9 saídas, José Pedro Monteiro, Francisco Pombeiro, Angel Dennis, Rodrigo Pernambuco, Thiago Sens, Lourenço Martins, André Sapina, Athos Costa e André Brown. Alguns dos que chegaram o ano passado, em alguns casos como o do Lourenço Martins, são totalmente incompreensíveis. Mesmo a do Dennis só pode ser explicada pelo salário, porque mesmo a idade não justifica esta saída, ainda mais quando a aposta na formação pode não vir a acontecer, se sempre for real a vinda de uma camioneta de jogadores, supostamente todos mais baratos, mas que levantam tantas dúvidas.

É urgente, tal como era no futsal feminino, começarem a ser oficializados reforços, começar a mostrar que realmente foi só o arrumar da casa primeiro e que a época está segura e a ser bem planeada. Se toda esta incerteza continuar, vai ser cada vez pior em termos de rumores e de burburinho de todos nós, receosos com o que pode acontecer com esta modalidade.

No que se refere ao Voleibol feminino as notícias são boas. Algumas saídas como a da jovem central Márcia Pardal que, depois de uma época connosco, vai regressar ao Lusófona Voleibol.

Mas é nas entradas que estão as boas noticias e as novidades que realmente interessam. Claro que ainda devem existir mais mudanças na equipa, mas, até agora, já sabemos que a central Gabriella Rocha, ex-São Caetano, é nosso reforço. Estamos a falar de uma jogadora de 23 anos, uma jogadora internacional brasileira desde as seleções jovens e que conta com vários títulos no currículo.

Além da Grabiella, sabemos que vão chegar duas jogadoras diretamente do AVC Famalicão. Falo da central portuguesa Aline Timm, como é conhecida Aline Rodrigues, jogadora de 32 anos com muita experiência no voleibol nacional, e a gaúcha Thaís Bruzza, zona 4 de 28 anos.

Outras das jogadoras que nos vai reforçar é, Vanessa Paquete, oposto de 25 anos, que regressa assim aos pavilhões, algo que não acontecia desde 2015/2016 quando representou o Porto Vólei. Depois disso, Vanessa dedicou-se ao Voleibol de praia, onde disputou etapas do circuito mundial com boas prestações.

Atualidade nacional

Masculino

Passando para a atualidade do voleibol nacional, Filip Cveticanin, central de 24 anos, foi oficializado no SC Espinho. Filho de Vladimir Cveticanin, antigo jogador do Sporting, depois de ter estado no Esmoriz, Filip dá um passo para reforçar uma equipa cada vez mais forte.

Além do Cveticanin, também o distribuidor André Lázaro, o libero João Castro e o oposto Dinis Leão são reforços no Sporting de Espinho. No caso do Dinis, o próprio admitiu que recusou o Sporting, justificando a decisão com a preponderância que irá ter em Espinho e que no Sporting não lhe iria ser dada. Dinis foi a grande revelação desta última temporada e seria claro um ótimo reforço para o Sporting, ainda mais pela idade. Estaríamos a falar de um jogador para o presente e para o futuro do Sporting e com capacidade para ainda evoluir muito em relação ao seu jogo

Ainda o SC Espinho que renovou com Gabriel Leite, Joel Lopes, Ricardo Alvar, João Simões e Januário Alvar. É uma equipa forte e a chegada do Cveticanin reforçou isso mesmo. Claramente, uma equipa para discutir os 4 primeiros lugares.

Já um dos jogadores que saiu do Sporting, falo de Francisco Pombeiro, foi oficializado no Castêlo da Maia. O distribuidor que esteve um ano no Sporting, muda-se para a Maia, uma equipa que fez subir João Amorim, contratou o zona 4 André Marques ao Famalicense, o jovem central Guilherme Menezes de 19 anos que chega do Sporting de Espinho e o oposto Lucas Cândido, de 23 anos, chegado do Uberlândia do Brasil e que, apesar da idade, conta com alguma experiente internacional.

Kibinho, experiente central português, mudou-se do SC Espinho para o Gondomar, Ismel Ramo,s experiente oposto venezuelano de 35 anos depois de ter jogado em Espanha, Finlândia, Turquia entre vários outros países e depois de alguns anos na Venezuela, regressa ao continente europeu para representar o Póvoa O oposto Gabriel Silveira reforça o Viana vindo diretamente do Santo André do Brasil.

O distribuidor Gabriel Ferreira Garcia, que se destacou no Sporting Clube de Caldas, mudou-se para os austríacos do SK Zadruga AICH/DOB. O Caldas que garantiu Vítor Amorim, oposto brasileiro que chega do Luboteni Ferizaj. Falar ainda do Lourenço Martins que saiu do Sporting e que deve rumar a França para a equipa do Tourcoing Lille Métropole.

Marc Honoré, Violas, André Lopes, Rapha Oliveira e o treinador Marcel Matz renovaram com o SL Benfica.

Feminino

Na atualidade do voleibol feminino, começamos pelo AJM / FC Porto que já garantiu duas ótimas jogadoras, a oposto Yasmin Bednarcuk, de 20 anos que chega diretamente do Curitiba e Luana Gomes, central de 34 anos que chega do Clube Kairós e que conta com muita experiência no voleibol nacional. Contratou ainda Ana Figueiras, distribuidora de 22 anos que, depois de 3 anos no Leixões, regressa ao Porto, desta vez ao AJM/FC Porto que já havia anunciado antes Bárbara Pauseiro, oposto de 21 anos que representou o SC Espinho na passada época.

Outras movimentações em destaque neste mercado nacional feminino são a da central Francisca Cruz de 21 anos, que se muda do Castelo da Maia para o SC Espinho. Cassie, como é conhecida Cassidy Baird, zona 4 norte-americana de 25 anos, destacou-se no Leixões e vai mudar-se para a República Checa, para a equipa do VK Královo Pole. O mesmo Leixões que garantiu a oposto Fabíola Gomes, a central Viviane Oliveira e a zona 4 Juliana Rosas, que se destacou no AJM/FC Porto e que é uma jogadora experiente no voleibol nacional, que assim regressa ao Leixões, onde jogou de 2012 a 2019, antes de se mudar na ultima época para o Porto. Eliana Durão, distribuidora de 23 anos, muda-se, também, para o Leixões ,depois dos bons desempenhos no Porto Vólei e no Câstelo da Maia. Carina Moura, central de 26 anos formada no Famalicão e que teve uma época muito boa no AJM/FC Porto, muda-se para o Leixões. Por último, Maria Inês Peneda, distribuidora de 23 anos, que stava no Boavista. Assim, mais uma vez, o Leixões a reforçar a equipa para tentar entrar na luta pelos cinco primeiros lugares.

Victoria Alves, a zona 4 que esteve no AJM/FC Port, uma das jogadoras que se destacou na equipa sensação da última época, muda-se para França para a equipa Istres Provence Volley. O Braga, depois da época menos conseguida, ainda só tem uma entrada, a distribuidora Melissa Ortega, que estava no Aves. Mas do Braga já se sabe que vão sair Maria João Lopes, Inês Silva, Mariana Lopes e, também, a oposto Catarina Ribeiro, todas em mudança para o GC Vilacondense. O mesmo Vilacondense  que se está a reforçar para ter uma época mais tranquila.

Destacar ainda duas jogadoras que reforçam o Clube Kairós. Falo da central brasileira Ana Paula Guth, que chega dos argentinos do San Lorenzo, e a também a central Linda Jéssica Costa, que chega do Sesc-RJ.

No que diz respeito à subida de divisão, vai ser disputada numa liguilha em setembro. As 6 equipas que estavam apuradas para a Série dos Primeiros da II Divisão Feminina na Época 2019/2020, no momento da interrupção do Campeonato, são: Lusófona VC, ADRE Praiense, Vitória SC, SC Espinho, CS Madeira e SL Benfica. Vão ser dois fins de semana,numa data ainda a definir no mês de setembro.

Falta falar do regresso das modalidades de pavilhão que souberam que o próximo dia 1 de agosto marca o regresso dos treinos sem restrições, isto porque, até agora os treinos vinham a ser individuais. Assim, as equipas podem começar a preparar a época com algum tempo de antecedência, cerca de 20 dias antes das competições começarem.

Atualidade Internacional

Masculino

No que se refere a atualidade internacional, o mercado de transferências marca essa mesma atualidade. Muitas transferências que são de destacar, mas começamos por Itália, onde duas equipas se vão destacando para virem a ser as duas mais fortes, isto devido a toda a qualidade que ambas tem vindo a conseguir juntar nas equipas. Falo, claro, do Lube e do Trentino, duas das equipas que já são das mais fortes neste mercado. Estas equipas parecem estar a afastar-se das restantes equipas, como o Modenna, que esta longe do que já foi há uns anos. É verdade que o Lube perde o Bruno Rezende, que vai regressar ao Brasil para representar o Taubaté, mas garante De Cecco, Yant, Falaschi, Hadrava, Larizza, Vitelli e Randazzo, tudo reforços que são melhorias da equipa para posições um pouco mais carenciadas que, assim, ficam fechadas. Claramente, uma equipa a seguir e que vai estar, de certeza, na disputa pelo titulo italiano.

Também o Itas Trentino teve muitas saídas, muitas mudanças, mas é uma clara melhoria, talvez a única capaz de discutir com o Lube. Saíram, entre outros, Gebrennikov e Vettori para o Modena, ou o distribuidor Nicola Daldello que vai para o Allianz Milano. Entraram jogadores de muita qualidade como Cortesia, Cavuto, o libero Salvatore Rossini, que chega do Modena, Nimir Abdel-Aziz, o oposto Holandês que chega do Milano.

Mas também Argenta e Lucarelli, claramente estas duas equipas são as mais fortes, estão cada vez mais a serem colocadas como as duas maiores favoritas. O Sir Safety Perugia “livrou-se” daquele que unanimemente foi o pior jogador da equipa. Filippo Lanza, que não tem clube ainda. É uma saída importante, porque era um jogador de zona 4, uma posição carenciada e onde ficava visível que ele não tinha qualidade para aquele nível. Apesar de reforços como Travica e Solé, a continuidade de Wilfredo Leon, o melhor jogador e talvez o mais importante, é o maior destaque das movimentações da equipa. É um jogador de alto nível e este ano ainda vai ter o peso da equipa todo em cima dos ombros. Os restantes jogadores estão longe da qualidade dele e a estratégia de Vital Heynen vai ter uma ultra dependência do Leon.

Há outras transferências que são de destacar, como o central Wennder Lopes que, no meio de toda a intranquilidade e incertezas no voleibol brasileiro, acaba por se mudar do Ribeirão Preto Vólei para o Saaremaa VK. O também central Vitali Kobzev muda-se do CV Melilla para o CD Cisneros Alter, ficando assim em Espanha. Gazmend Husaj que muda do Olympiacos Piraeus para os turcos do Bursa Büyükşehir Belediyespor, o oposto brasileiro Caio Oliveira, que também se muda do Ribeirão Preto para os turcos do GKY-DER Türsad. Há ainda a destacar o brasileiro Luan Mota, que estava no Corinthians. Este clube enfrenta muitos problemas financeiros e que, em algumas modalidades como o voleibol e o futsal, acaba por ser onde tudo está pior. Com isto, Luan mudou-se para o Uberlândia, apesar de ter sido apontado a alguns clubes europeus.

Boas noticias para o Uberlândia e para o voleibol brasileiro que, apesar de tudo, consegue manter alguns nomes e a crise apesar de grande não é tão séria em todos os clubes. Mesmo assim é de lamentar as várias situações que aconteceram e que levaram ao fim de equipas, de clubes ou só ao desinvestimento. Como em tantos desportos e modalidades. o COVID-19 agravou os problemas já existentes.

Feminino

Começamos a ronda pela atualidade do voleibol feminino internacional por Itália com más noticias. A equipa do Èpiù Casalmaggiore está à procura de um novo main sponsor, depois de perder o patrocínio do Pomi. Com isto, as duvidas continuam, porque o tempo vai passando e o main sponsor continua sem aparecer. Apesar disso revelaram já quem vai ser a equipa. Uma equipa com alguma qualidade, mas um pouco curta. Vai ser uma equipa interessante de se acompanhar para se tentar perceber ao longo das próximas semanas como vão resolver esta situação e como a equipa vai funcionar, visto que conseguiram, mesmo assim, contratar Rosamaria Montibeller, uma oposto brasileira de muita qualidade, que trocou o Perugia pelo Casalmaggiore. Vai ser a estrela e vai ter em si muito do peso da equipa. Qualidade não lhe falta, mas pode acabar por se arrepender desta troca, visto que o Perugia parece mais forte e com uma situação financeira muito mais confortável.

Continuando por Itália, falamos daquela que é uma das novelas do momento. Mikaela Foecke, norte americana de 23 anos, tem contrato com Il Bisonte Firenze, mas recusa-se a cumprir o contrato e já disse que não regressa a Itália, isto porque o Firenze está também com problemas financeiros, problemas que podem levar a mais cortes. Foecke alega esta instabilidade como motivo para não regressar a Itália, para além do COVID-19 e o querer permanecer junto da família nos Estados Unidos da América.

Passando a algumas das transferências mais interessantes do mercado, a distribuidora croata Klara Perić de 22 anos assinou o que será o regresso ao HAOK Mladost Zagreb, onde ela começou e onde se destacou ao ponto de a levar para o Barcelona, entre outras equipas. Este regresso pode ser importante para ela. A qualidade não lhe falta, o que lhe falta é cabeça e o tentar controlar o ego, porque ainda é jovem, tem muita qualidade e esperemos que este regresso a casa e a um clube que tão bem conhece, ajudem para que ela mude a postura e comece a demonstrar a sua verdadeira qualidade.

Outras transferências a destacar, temos a ida de Darya Auramchyk, das bielorrussas do Pribuzhie Brest para o ŽOK Vardar Skopje, a ida da oposto grega Maria Oikonomidou, que se mantém na liga grega, mudando-se do  Panathinaikos para o Pannaxiakos. A oposto sérvia Jovana Brakočević que se muda das italianas do Igor Gorgonzola Novara para as polacas do Chemik Police

Para concluir, temos as confirmações da continuidade de Camila Brait e da contratação de Tandara Caixeta, por parte da equipa do Osasco, isto porque muito se falou sobre esta renovação e esta entrada na equipa brasileira, que também atravessa alguns problemas. São, por isso, boas noticias numa equipa com tradição e história no voleibol brasileiro.

Ficam evidentes os problemas que a pandemia tem causado em todos. Os problemas financeiros, mesmo em equipas maiores e com uma capacidade financeira grande, são evidentes. Esperemos que algumas equipas não terminem e, mesmo que demorem um pouco, que regressem, pois algumas delas têm muita história. O mais importante, e apesar destes problemas e destas situações, é que se acompanhe o voleibol feminino que tem muita qualidade e algumas destas equipas mencionadas vão nos proporcionar grandes momentos nos próximos tempos que se seguem.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *